Governo Bolsonaro

Roberto Castello Branco será o novo presidente da Petrobras no Governo Bolsonaro

Economista é mais um egresso da Universidade de Chicago, bastião do pensamento liberal. Indicação deixa em aberto se privatização entra na pauta do novo comandante da petroleira

Mauro Pimentel / AFP

Mais informações

O economista Roberto Castello Branco será o novo presidente da Petrobras. Ex-diretor do Banco Central e da mineradora Vale, Castello Branco foi convidado para o cargo pelo futuro ministro da Economia do presidente eleito Jair Bolsonaro, Paulo Guedes, que confirmou a informação. Castello Branco é hoje diretor Centro de Estudos em Crescimento e Desenvolvimento Econômico da Fundação Getulio Vargas. Assim como Guedes –  fiador da área econômica de Bolsonaro –, é egresso da Universidade de Chicago, o bastião internacional do pensamento liberal.

O novo comandante da Petrobras —a gigante do petróleo do Brasil, com mais de 60.000 empregados e investimentos na ordem de 48 bilhões de reais— deverá assumir o cargo somente após a posse de Bolsonaro, em janeiro. Até lá, a petroleira seguirá conduzida pelo atual presidente, Ivan Monteiro.

A indicação de Castello Branco é mais um sinal de que Bolsonaro deu carta branca a Guedes para moldar a política econômica de seu governo. O novo comandante da empresa já fez parte do conselho da Petrobras e vinha colaborando com a equipe do superministro de Economia durante a campanha presidencial. Além dele, Guedes emplacou no novo governo o ex-ministro da Fazenda do governo Dilma Rousseff, Joaquim Levy, outro economista com formação na Universidade de Chicago.

As intenções do novo governo em relação à Petrobras foram um ponto sensível da candidatura do agora presidente eleito. Guedes, um economista de viés claramente liberal, é favorável a um amplo plano de privatização de estatais. Ele chegou a mencionar em entrevistas que isso poderia abarcar inclusive a Petrobras. Essa ideia, no entanto, choca frontalmente com a ala militar que rodeia Bolsonaro, que considera a petroleira um ativo "estratégico". Uma das possibilidades estudadas para conciliar essas divergências é a transferência para a iniciativa privada apenas das áreas de refino e distribuição da Petrobras.

Disputas internas

Castello Branco não foi a única indicação para a nova equipe de governo que foi divulgada nos últimos dias. Na semana passada, Bolsonaro anunciou que o chanceler do seu governo será Ernesto Araújo, um diplomata de carreira que nunca chefiou uma missão no exterior, mas que é um admirador confesso do presidente norte-americano Donald Trump. A indicação de Araújo foi uma clara vitória do filho do capitão reformado do Exército, o deputado Eduardo Bolsonaro, que tem planos de se colocar como um líder latino-americano do movimento populista de direita que, além de Trump, encontra eco também no italiano Matteo Salvini e no húngaro Viktor Órban. Por outro lado, a ascensão de Araújo também representou uma derrota para o núcleo militar do novo governo, que queria um nome mais pragmático e moderado para a chefia do Itamaraty.

Além de Araújo, Bolsonaro já indicou a deputada ruralista Tereza Cristina para ministra da Agricultura; o general Augusto Heleno para comandar o Gabinete de Segurança Institucional (GSI); o general Fernando Azevedo e Silva para a pasta da Defesa; o tenente-coronel da Aeronáutica e ex-astronauta Marcos Pontes para o ministério de Ciência e Tecnologia; e o deputado Onyx Lorenzoni para chefiar a Casa Civil da Presidência da República.

Debido a las excepcionales circunstancias, EL PAÍS está ofreciendo gratuitamente todos sus contenidos digitales. La información relativa al coronavirus seguirá en abierto mientras persista la gravedad de la crisis.

Decenas de periodistas trabajan sin descanso para llevarte la cobertura más rigurosa y cumplir con su misión de servicio público. Si quieres apoyar nuestro periodismo puedes hacerlo aquí por 1 euro el primer mes (a partir de junio 10 euros). Suscríbete a los hechos.

Suscríbete