Seleccione Edição
Login

Nem fascistas nem teleguiados: os bolsonaristas da periferia de Porto Alegre

Eles contrariam o estereótipo atribuído pelos críticos e fogem das 'fake news'. O EL PAÍS mergulhou no fenômeno de adesão ao candidato de extrema direita a partir da pesquisa de duas antropólogas

Eleitores do Bolsonaro eleições 2018
Anriel do Prado Neves, de 24 anos, mostra o adesivo de Jair Bolsonaro no carro que dirige para um aplicativo.

Cássio Martins tem 18 anos e quer que a lei do morro onde ele vive, ditada pelos donos do tráfico, valha também para o “asfalto”. Assim, ele não vai mais precisar esconder o celular sempre que sair dos limites do Morro da Cruz, vila na periferia de Porto Alegre que tem um dos piores Índices de Desenvolvimento Humano da capital do Rio Grande do Sul, mas onde ele se sente confortável para ouvir música e checar o Facebook no telefone sem medo de ser roubado. Essa é a justificativa principal para dar o primeiro voto de sua vida para Jair Bolsonaro (PSL), o controverso candidato à presidência da República que promete rigor com a criminalidade.

Também são os problemas com a segurança que levam Anriel do Prado Neves, 24, a optar pela candidatura de extrema direita do parlamentar e capitão do Exército reformado. Sua convicção é tanta que até colou um adesivo com a cara do candidato na traseira do automóvel que dirige para um aplicativo de transporte. “Sei que tem gente que dá nota ruim por isso, mas tudo bem”, se resigna. Ele já foi assaltado duas vezes quando era taxista, mas o que preocupa mesmo Anriel é o tráfico e a guerra com a polícia. “Dos meus 30 amigos de infância, só sobraram dois. Os outros todos morreram, foram executados”, lamenta. No Morro da Cruz, metade das mortes de jovens entre 15 e 29 anos é por homicídio.

Para ambos, o perfil “linha dura” do militar, que promete endurecimento da legislação penal e a revisão do estatuto do desarmamento, poderia ajudar a solucionar os problemas.

Os dois estão na faixa etária em que Bolsonaro se destaca nas pesquisas eleitorais: entre os 16 e os 35 anos. Mas, à exceção de serem jovens, Cássio, Anriel e vários outros entrevistados pelo EL PAÍS no Morro da Cruz pouco têm em comum com o perfil que institutos de pesquisa desenham dos possíveis eleitores do presidenciável do PSL: eles não são os mais escolarizados (chegaram ao ensino médio), nem ricos e tampouco estão no Norte e Centro-Oeste do país. Também não se enquadram no estereótipo que os críticos do candidato dizem ter seus eleitores: são gente de fala branda, que defende opiniões com serenidade e argumentação, busca informações na imprensa e é, inclusive, capaz de discordar das propostas mais radicais de Bolsonaro.

Anriel, por exemplo, fica “com um pé atrás” sobre a ideia de liberar o porte de armas para a população. Ele tem medo que discussões bobas de trânsito terminem em tragédia se alguém estiver com um revólver na cintura. Por outro lado, a redução da maioridade penal não é um problema. “Aqui, gurizada de 13 anos mata sem dó”, exemplifica. Cássio, por sua vez, gosta da ideia de estar “no mesmo nível” de um potencial assaltante para sentir-se protegido e toparia ter uma arma. Mas confessa que o alerta do pai, sobre o radicalismo de Bolsonaro, o deixa intrigado: “Ele tem receio de que se não conseguir fazer o que pretende, possa dar um golpe ou coisa parecida”, revela.

Anriel tem perfil mais liberal: admira o ex-prefeito e candidato a governador de São Paulo João Doria (PSDB) e faz discurso contra a burocracia para empreendedores. Mas tem consciência da profunda desigualdade brasileira e acha que ampliar oportunidades aos mais pobres é tarefa do Estado. Quando faz corridas para estudantes (ele detesta pegar passageiros das humanas na federal do Rio Grande do Sul), nota diferenças: “Se eu pego corrida na UFRGS é só Assunção, Menino Deus, bairros finos. Mas se é nas faculdades privadas, o destino é Restinga, Pinheiro, só periferia”. Por isso, embora contrário a cotas raciais, ele é simpático à reserva de vagas públicas a quem tem baixa renda.

A pesquisa

A complexidade do pensamento desses jovens eleitores de Bolsonaro e a disponibilidade que eles têm para o debate de propostas chamou a atenção de duas antropólogas que pesquisam juventude, consumo e política no Morro da Cruz há quase uma década e que desenvolvem agora uma nova fase do trabalho que só termina depois das eleições. Foi acompanhando o trabalho de campo de Rosana Pinheiro-Machado e Lucia Mury Scalco que a reportagem do EL PAÍS esteve no local numa sexta-feira de agosto. “Eles não são fascistas, pelo contrário, tem argumentos para defender sua posição”, observa Rosana.

De fato, tanto Anriel como Cássio se sentem incomodados com os rótulos costumeiramente a eles atribuídos quando revelam ser potenciais eleitores do militar da reserva. “Me dizem que sou lixo, mas isso não descreve como sou. Eu não vou discriminar outra pessoa só porque gosta da Dilma ou do Temer”, queixa-se Cássio.

Anriel também se ressente das frequentes investidas de adversários: “Me chamam de racista. Justo eu, que namoro uma negra… e ela discorda da minha posição, é contra o Bolsonaro”, argumenta, confirmando, aliás, outro dos achados das pesquisadoras.

Em grupos focais que vem realizando em escolas, as antropólogas Lucia e Rosana perceberam que o voto em Bolsonaro é também uma questão de gênero. “As meninas são muito articuladas na crítica ao machismo que o candidato demonstra”, assevera Rosana. A convicção delas era tanta que foi preciso criar um grupo exclusivamente masculino para que os rapazes se sentissem à vontade para declarar seu voto, o que as pesquisadoras também interpretam como uma reação ao feminismo crescente.

A namorada de Cássio faz campanha abertamente contra o capitão reformado, mas para ele o candidato não parece preconceituoso e suas opiniões mais polêmicas soam mais como galhofa: “Dizem que Bolsonaro é racista, machista e homofóbico, mas acho que estão distorcendo. Uma pessoa assim não é legal e ele não parece ser alguém ruim”, analisa.

Ao mesmo tempo, ele é crítico ao ataque de Bolsonaro à deputada federal Maria do Rosário (PT). Em duas ocasiões, o presidenciável do PSL disse que não estupraria sua colega na Câmara Federal porque ela “é feia” e “não merece”. Bolsonaro já foi condenado no Superior Tribunal de Justiça por essa agressão, e ainda responde a outro processo, em andamento no Supremo Tribunal Federal. “Totalmente desrespeitoso”, condena Cássio.

Cátia Cunha, fã de Bolsonaro. ampliar foto
Cátia Cunha, fã de Bolsonaro.

A grosseria é o ponto fraco do candidato mesmo na opinião dos mais aficcionados. No Morro da Cruz, uma dessas figuras é Cátia Cunha de Almeida Lopes, 40, que exibe num caderno uma lista com 28 motivos para votar em Bolsonaro e viaja todos os anos para o Rio de Janeiro em busca de um encontro com o ídolo. “Já entrei na casa dele, no condomínio, conheci a família… Mas ver ele mesmo, pessoalmente, foi uma vez só, e por acaso”, recorda, exibindo a caneca em que mandou imprimir a foto que registra o momento. Ela também guarda revistas elogiosas ao candidato, que ocupa o mesmo lugar da dupla Bruno e Marrone no seu panteão pessoal. Mesmo assim, para a técnica em enfermagem, na discussão com Maria do Rosário “ele pegou pesado”, embora tenha sido uma reação dita no calor dos acontecimentos —perdoável, portanto.

Anriel também relativiza outra polêmica, mesmo mantendo um tom crítico: o voto de Bolsonaro contra Dilma Rousseff, quando ao lado de outros 366 parlamentares, na Câmara, abriu caminho para o impeachment que viria na sequência. Na ocasião, o candidato do PSL fez de seu voto uma homenagem ao coronel Carlos Brilhante Ustra, condenado por torturar presos políticos durante a ditadura militar.

“Eu tenho pena da Dilma, aquilo não era para ter ocorrido. Passamos uma vergonha na frente de outros países. Ela tinha votos para estar lá”, lamenta. Ainda assim, entende a posição do seu candidato: “Ele estava fazendo política. Bolsonaro é um democrata”, acredita.

O morro

Os bairros onde o Morro da Cruz está localizado não são muito familiares ao porto-alegrense médio (São José é o principal, mas também a Vila João Pessoa e Coronel Aparício Borges). Mas nem por isso a favela é desconhecida da população em geral: lá se celebra anualmente a procissão de Páscoa mais famosa da cidade, com a encenação da via sacra que termina justamente no alto da montanha, debaixo da cruz que lhe dá nome. O morro também está a meio caminho entre as duas universidades mais tradicionais da capital, a católica PUC e a federal UFRGS, e é pelo mesmo corredor onde passam os ônibus dos estudantes que se acessa a comunidade, na avenida Bento Gonçalves, uma das mais importantes artérias de Porto Alegre.

Não é raro ouvir de um morador do Morro da Cruz que ele “vai pra Porto Alegre” quando precisa sair da localidade (são nove quilômetros até o centro). Lá tem de tudo: supermercado, farmácia, mecânica, padaria. Placas de freteiros e de confeiteiras são muitas, penduradas nas grades de ferro das casas. Mesmo a parte alta do morro é abastecida com transporte coletivo, os postos de saúde atendem a população apesar da precariedade, as escolas estão abertas. Em uma lan house que estava cheia perto do meio-dia de uma sexta-feira, os cartazes avisam: “É proibido pornografia”. Quem não atender é punido com a “perda de todos os créditos”. Já falar palavrão ou ter um ataque histérico são falhas menos graves, custam 30 créditos a quem cometer os deslizes.

À primeira vista, portanto, o Morro da Cruz não parece uma comunidade vulnerável. Anriel mora com a irmã em uma casa de concreto e rua pavimentada. Cássio ajuda a mãe na creche particular que ela mantém também em construção de alvenaria, bem defronte a uma parada de ônibus. Mas as estatísticas são claras: a região do Morro da Cruz está na posição 581 entre os 722 locais acompanhados regularmente pelo Atlas do Desenvolvimento Humano do Brasil. Segundo o IBGE, 5% dos domicílios da localidade são considerados indigentes - seus moradores sobrevivem com ¼ de salário mínimo por pessoa, algo em torno de 250 reais. Outros 20% estão em condição levemente melhor: são os pobres, cuja renda per capita é de meio salário mínimo. Entre 2000 e 2010, o rendimento médio dos chefes de família do Morro da Cruz caiu pela metade.

E a realidade pode ser ainda pior do que mostram os dados oficiais, porque há uma imensidão de áreas irregulares no entorno do centrinho mais organizado, nos becos. Essa parte não entra nas estatísticas. Por exemplo, se os dados do IBGE contabilizam uma população de pouco mais de 16.000 pessoas, estima-se que a vila tenha entre 35 e 45 mil moradores. “São muitas ocupações, é impossível saber com precisão”, argumenta Lucia Mury Scalco, que divide seu tempo no morro entre a pesquisa de pós-doutorado em antropologia e um trabalho social que criou depois de 12 anos estudando a população do local.

No mapa de vulnerabilidade do Departamento de Habitação (Demhab) de Porto Alegre, há duas enormes áreas de risco pintadas de azul sobre a região da favela, além de outras duas pequenas. A maior parte das ocorrências da Defesa Civil na comunidade se refere a desabamentos ou desmoronamentos.

Vista de um bairro do Morro da Cruz.
Vista de um bairro do Morro da Cruz.

Na última eleição presidencial, em 2014, 20% dos moradores do Morro da Cruz habilitados ao voto não comparecerem às urnas. Anriel não tem certeza, mas talvez tenha ajudado a engordar as estatísticas: “Acho que justifiquei, porque o candidato que eu ia votar, morreu”, diz, em referência a Eduardo Campos (PSB). Sua substituta na chapa PSB-Rede, Marina Silva, não o atraiu tanto (nem antes nem agora) e ele se absteve.

Quem votou em uma das cinco zonas eleitorais do bairro São José, onde fica a maior parte do Morro da Cruz elegeu Dilma Rousseff (PT) —a candidata petista venceu Aécio Neves (PSDB) em todas as seções eleitorais da região. A sigla tem certa tradição na localidade: a população do morro sempre foi muito atuante nas assembleias do Orçamento Participativo, criado no final dos anos 80 durante a gestão de Olívio Dutra na prefeitura, figura sempre lembrada e referência no bairro.

Cássio lembra que os pais e os tios falam rotineiramente que “o PT ajudou muito o povo mais pobre”, mas ele mesmo não sabe opinar sobre se a vida era melhor ou pior antes da era Lula, por exemplo —tinha dois anos quando o ex-mandatário assumiu o poder.

Por essas e outras razões, as antropólogas acham que o jogo no Morro da Cruz pode ter virado. “Nas últimas semanas, muitas pessoas nos abordam na rua para dizer que vão votar no Bolsonaro. Sabem que estamos pesquisando o assunto e vem nos dar suas justificativas”, revela Rosana.

Dos rolezinhos a Bolsonaro

Elas percebem que potencialmente os jovens estão de fato declarando voto em Bolsonaro - e isso surpreendeu a ambas, que acompanham os movimentos da juventude do lugar desde 2009. Elas haviam desenvolvido uma tese de que as excursões aos shopping centers apelidadas pelos jovens da periferia de “rolezinhos” ao mesmo tempo que eram uma atitude juvenil voltada consumo, também tinham um forte caráter reivindicatório de inclusão e de circulação no espaço público. Intimamente, as pesquisadoras concluíram que havia ali um embrião de um movimento político promissor. Quando as ocupações estudantis secundaristas explodiram em 2016 - no Rio Grande do Sul mais de uma centena escolas foram ocupadas durante meses - tudo parecia confirmar a hipótese. Mas quando foram ao Morro da Cruz perguntar aos jovens sobre as “ocupas”, a maioria ignorava ou até desprezava o movimento secundarista. “Eram os vagabundos, maconheiros”, ilustram.

Foi nesse caldo surpreendente que a candidatura de Jair Bolsonaro começou a decolar, pelo menos no Morro da Cruz, em Porto Alegre. “Não há um padrão nem no perfil dos jovens eleitores de Bolsonaro nem nos argumentos que usam para defendê-lo”, dizem as pesquisadoras. Há simpatizantes do presidenciável em todos os universos possíveis: no Funk, no tráfico, na igreja ou na escola. “Cada um desses grupos juvenis se apega a uma parte do repertório que, em comum, apenas passa pela figura de um homem que oferece uma solução radical à vida como ela é”, sintetiza Rosana, que junto com Lúcia finaliza um livro sobre a pesquisa completa, que deve chamar From Hope to Hate: the rise and fall of Brazilian emergence (Da esperança ao ódio: ascensão e queda da emergência brasileira) .

Mas há outros elementos em jogo. Anriel, por exemplo, se decidiu no ensino médio, “antes dos protestos” do últimos protestos. Como no Morro da Cruz não há escolas secundárias, Anriel frequentou o tradicionalíssimo colégio estadual Julio de Castilhos, na região central de Porto Alegre, um caldeirão da política local, onde estudaram Leonel Brizola e Luciana Genro, entre uma galeria de celebridades da vida pública brasileira (Caco Barcelos e o avô do atual presidente do TRF4, Carlos Eduardo Thompson Flores também foram alunos).

A militância estudantil é uma marca do “Julinho”, como a escola é conhecida no Rio Grande do Sul. “Vinha gente principalmente dos partidos de esquerda, como o PSOL. Eu ouvia, mas comecei a procurar o outro lado e vi que concordava mais”, recorda.

O argumento usualmente desqualificado pela esquerda de que o Bolsa Família incentivava as pessoas a não procurarem trabalho fez sentido para ele - que tinha uma irmã recebendo o benefício, porque a creche da filhinha exigiu o cadastro no programa para aceitar a matrícula da menina. “Eu sei que tem gente que precisa mesmo, mas também conheço muitos que ficaram parados depois. Acho que deveria ser obrigatório, para quem recebesse, ir todos os dias no SINE para arrumar emprego”, opina.

Ele também desconfiava do expediente utilizado pelos partidos tradicionais para arregimentar apoios da estudantada do Julinho. “Eles ofereciam lanche para quem ia nos protestos”, revela. Às vezes também prometiam algum benefício imediato para jovens lideranças da escola. Mas o problema prático da falta de professores, por exemplo, não era atacado. “A gente nunca teve professor fixo de história e filosofia, posso contar nos dedos as aulas que tive e era muito fácil de passar”, assegura Anriel.

Acostumado a vincular militância partidária com algum tipo de “pagamento”, ele decidiu adesivar a traseira do seu automóvel no dia em que viu a recepção que o candidato teve no aeroporto de Porto Alegre. Ele estava a trabalho no local - por isso lamenta não ter podido descer do carro para chegar mais perto. “Era um fanatismo impressionante. Nunca vi ninguém receber assim um candidato sem ser pago”, explica.

Informação

A militância espontânea é um fator citado por muitos dos eleitores de Bolsonaro no Morro da Cruz entrevistados pela reportagem do EL PAÍS. Outro ponto repetido por vários jovens é que o candidato é visto como alguém sem papas na língua, que não tem medo de dizer o que pensa e cuja comunicação na internet - feita sobretudo por memes - fala diretamente a esse público. “Eu deslizo o meu Facebook e só aparecem as coisas dele, nada dos concorrentes”, exemplifica Juan da Paz, 19 anos.

Apesar disso, os simpatizantes do presidenciável não são nem de longe pessoas desinformadas. A maioria procura informação fora das redes do candidato e alguns têm o costume de conferir postagens antes de repassar fake news. “Quando morreu a Marielle (Franco), eu quase compartilhei que ela era envolvida com o tráfico. Mas aí vi que nenhum jornal dizia isso e não fui atrás”, revela, aliviado, Anriel.

Eles também querem ouvir o que os outros candidatos têm a dizer e acompanham entrevistas e declarações. A participação de Bolsonaro no Roda Viva foi acompanhada por todos, mas não na TV, e sim, pelas redes sociais. Anriel, por exemplo, precisou resgatar o vídeo no YouTube na manhã seguinte, embora tenha tentado ver ao vivo: “Travou a transmissão do Twitter dele e não consegui mais assistir”.

A entrevista ficou registrada na memória como uma batalha entre o candidato e os jornalistas - outro argumento repetidamente levantado a seu favor: “Estão perseguindo ele, o tempo todo tentam fazer ele cair numa pegadinha”, critica. “Ninguém perguntou sobre o que importa: educação, saúde. Só sobre tortura, essas coisas que já passaram”, argumenta o motorista - repetindo, de certa maneira, o pensamento do próprio candidato que mencionou no programa a lei da anistia: “São feridas que não devem mais ser lembradas”.

Oposição

Apesar de ter grande apoio, Bolsonaro não é unanimidade no Morro da Cruz —e há muitos jovens contra suas propostas. Mas mesmo quem o critica, reconhece qualidades: “Eu não gosto dele e não votaria nele, mas ele propõe coisas diferentes do que estamos acostumados”, avalia Shaiane Carolina Azevedo, de 19 anos. “As propagandas dos outros são todas iguais”, lamenta Bianca Martins, 20 anos, também contrariada.

A pauta da segurança, por exemplo, é reconhecida como importante mesmo por seus detratores. “Ele tem objetivos maravilhosos, fantásticos. Quem não quer sair tranquilo, de noite, na rua? Eu tenho filhos e fico preocupada se demoram a chegar do serviço, da faculdade… Mas como ele sugere resolver, vai instigar mais a violência. O Brasil dele não é real”, contesta Fabiana Carniel Gonçalves, 42 anos.

Por motivos como esses, Camila Diefenthaler Zafanelli, 19 anos, está tentando virar o voto do pai, bolsonarista convicto. “A gente conversa muito em casa, ele super apoia (o Bolsonaro), mas eu estou insistindo”.

MAIS INFORMAÇÕES