Flip

Geovani Martins: “A violência do Rio de agora não é excepcional, já é repetição”

Escritor convidado da Flip conversa com o EL PAÍS sobre seu livro 'Sol na Cabeça' e segurança pública

Mais informações

Aos 27 anos, Geovani Martins é um dos principais nomes convidados da 16ª Festa Literária Internacional de Paraty (Flip). Seu livro de estreia O Sol Na Cabeça arrancou profundos elogios de gente como Antonio Prata, Chico Buarque e João Moreira Salles. Este último disse que com a publicação de Martins "uma nova língua brasileira chega à literatura com força inédita". A publicação já foi vendida para dez países e já tem os direitos para adaptação cinematográfica comprados. Pelos treze contos do livro, o autor revela vidas periféricas cheias de movimento seja nas favelas, seja nas periferias do Rio de Janeiro, cidade onde nasceu e vive. Os textos apropriam-se das gírias urbanas para criar uma linguagem comum a todos. Em conversa ao EL PAÍS, ele diz: "Usar as gírias na literatura é uma forma de preservar a memória de um local". Assista na íntegra a entrevista acima.

Debido a las excepcionales circunstancias, EL PAÍS está ofreciendo gratuitamente todos sus contenidos digitales. La información relativa al coronavirus seguirá en abierto mientras persista la gravedad de la crisis.

Decenas de periodistas trabajan sin descanso para llevarte la cobertura más rigurosa y cumplir con su misión de servicio público. Si quieres apoyar nuestro periodismo puedes hacerlo aquí por 1 euro el primer mes (a partir de junio 10 euros). Suscríbete a los hechos.

Suscríbete