O vilarejo espanhol que diz ter inventado a Coca-Cola

A cidade de Aielo de Malferit, na região de Valência, pede à empresa para que possa usar a história segundo a qual o refrigerante surgiu por lá, com o nome de Kola-Coca

Juan Juan Micó, proprietário das Destilerías Ayelo, com antigas garrafas de Kola-Coca
Juan Juan Micó, proprietário das Destilerías Ayelo, com antigas garrafas de Kola-CocaMònica Torres
Mais informações

Depois de ter obtido o compromisso de que as anotações não seriam fotografadas nem filmadas, Juan Juan Micó, de 79 anos, último proprietário das Destilerías Ayelo, um negócio de estética fascinante e decadente fundado em 1880, levanta-se, gira as rodas da velha caixa-forte que tem em seu escritório e extrai o caderno onde está escrita a autêntica fórmula da Kola-Coca. Não se trata da versão contracultural do refrigerante mais famoso do mundo, e sim da bebida que Juan, a Prefeitura do pequeno município de Aielo de Malferit (província de Valência, leste da Espanha) e a maioria de seus 4.706 habitantes consideram ser o precursor da Coca-Cola.

A Prefeitura solicitou, por carta, a permissão da multinacional norte-americana para usar esse suposto vínculo. A história transmitida de pai para filho, apesar de não haver provas materiais, diz que o xarope em que John Pemberton baseou sua Coca-Cola foi inventado aqui. “Todos os indícios apontam para isso”, afirma o prefeito, José Luis Pinter, do PP, que esclarece: “Nosso objetivo é que os responsáveis pela Coca-cola vejam este projeto de bom grado, para que a aldeia seja conhecida, não estamos buscando nada além disso.”

A história de Aielo caminha entre a realidade e o mito, mas alguns dados alimentam a lenda. Há 138 anos, três empreendedores locais – Enrique Ortiz, Ricardo Sanz e Bautista Aparici – abriram uma destilaria na cidade. Aielo tinha então metade dos habitantes, mas uma reputação notável como produtor de videiras americanas que ainda hoje são cultivadas em seus campos e vendidas para áreas vinícolas, como La Rioja – e licores. Juan mostra um certificado emoldurado com data de 1892, no qual a rainha regente da Espanha, María Cristina de Austria, concede à empresa o título de fornecedora da Casa Real, permitindo-lhe usar seu brasão em rótulos e faturas.

As paredes ainda têm partes do papel suntuoso que as decorava e estão cheias de outros exemplos dos tempos de glória: certificados de participação em competições realizadas mais de 100 anos atrás, em Alexandria, Roma, Turim, Bruxelas, Paris, Bordéus e Chicago.

Aparici, um dos três proprietários originais, atuava como diretor comercial. Corria o mundo no final do século XIX com uma mala cheia de amostras que distribuía para abrir mercados. Entre eles, o Xarope Superior da Kola-coca. A história contada em Aielo é que, em 1885, o empresário apresentou seu produto na Filadélfia. Um ano depois, o farmacêutico norte-americano John Stith Pemberton lançou sua bebida no mercado de Atlanta, na Geórgia, estado que acabava de aprovar sua lei seca.

Os ingredientes básicos da Coca-Cola eram folhas de coca, noz-de-cola e água gaseificada. A única diferença da bebida de Aielo é que era misturada com “água fresca”, diz Juan. “Era um xarope, como os que eram feitos e ainda fazemos de limão, romã e abacaxi.”

O xarope Kola-coca, por outro lado, deixou de ser produzido. A explicação popular é que, em algum momento, entre o início do século XX e os anos 1950, representantes da empresa visitaram Aielo e compraram a marca para evitar problemas comerciais na Espanha, mas não há provas dessa suposta transação.

A vetusta destilaria, que produz o licor de noz-de-cola, uma versão alcoólica com um sabor que lembra o do ponche, mudou de mãos várias vezes, foi coletivizada durante a Guerra Civil e, em 1971, um de seus funcionários, Juan Juan Micó, comprou-a de seu antigo dono, que planejava fechá-la. A empresa hoje é formada por ele, seu filho e sua sobrinha. O mercado que atendem é local. Sentado em seu escritório, o proprietário não pode deixar de acalentar a ideia do que teria acontecido se a história fosse verdadeira e seus antecessores não tivessem vendido a marca por uma quantia – fala-se de 30.000 ou 50.000 pesetas –, mas por uma pequena porcentagem das vendas.

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS
Logo elpais

Você não pode ler mais textos gratuitos este mês.

Assine para continuar lendo

Aproveite o acesso ilimitado com a sua assinatura

ASSINAR

Já sou assinante

Se quiser acompanhar todas as notícias sem limite, assine o EL PAÍS por 30 dias por 1 US$
Assine agora
Siga-nos em: