Especial Mulheres

Rosalind Franklin ajudou a desvendar o DNA, mas ficou sem o Nobel

Estudos do qual ela participou renderam a cientistas homens prêmios Nobel de Química e Medicina.

Rosalind Franklin (1920-1958) é uma dessas cientistas cujo trabalho não obteve o reconhecimento que merecia: ela capturou a foto que demonstrou que o DNA era uma dupla hélice. Foram James Watson, Francis Crick e Maurice Wilkins, entretanto, que ganharam o Nobel de Medicina em 1962 por seus descobrimentos sobre a estrutura molecular dos ácidos nucleicos, quatro anos após a morte da cientista britânica por um câncer nos ovários. Sua pesquisa também serviu como base para compreender o RNA, o carvão, o grafite e os vírus.

Mais informações

A vida de Rosalind Franklin foi recheada de obstáculos que foi superando para dedicar-se à ciência. Educada em uma família judaica, passou sempre com honras pelo colégio e os estudos superiores, mas precisou do apoio de algumas das mulheres de sua família para poder ir à universidade: seu pai não concordava que estudasse e lhe pediu que desse a bolsa que havia conseguido a algum estudante que a merecesse. Franklin continuou seu caminho e se doutorou na Universidade de Cambridge em 1945; e fez parte de diversas equipes de pesquisa: na Associação Britânica para a Pesquisa do Uso do Carvão, no Laboratório Central de Serviços Químicos do Estado em Paris, no King’s College e, por último, no Birkbeck College, onde contou com equipe própria e onde desenvolveu um importante trabalho com a estrutura molecular dos vírus, cuja continuação levaria seu colega Aaron Klug a ganhar o Nobel de Química em 1982.

Biofísica britânica é a segunda cientista retratada numa série sobre Mulheres na Ciência publicada pelo EL PAÍS até 8 de março

"A ciência, para mim, explica parte da vida. Até onde chega, se baseia em acontecimentos, experiências e experimentos", afirmou, certa vez.

A biofísica britânica é a segunda cientista retratada pela série sobre Mulheres na Ciência publicada pelo EL PAÍS até o dia 8 de março, quando é celebrado o Dia Internacional da Mulher. Assim como a cientista que ajudou a desvendar o DNA (e cujos estudos foram a base para a premiação de colegas homens), as mulheres sempre estiveram presentes em todos os níveis do universo científico, embora a importância da maioria delas tenha sido relegada a segundo plano pela história. Este especial é inspirado no livro As Cientistas: 50 Mulheres que Mudaram o Mundo, de Rachel Ignotofsky (lançado no Brasil pela editora Blucher).

Debido a las excepcionales circunstancias, EL PAÍS está ofreciendo gratuitamente todos sus contenidos digitales. La información relativa al coronavirus seguirá en abierto mientras persista la gravedad de la crisis.

Decenas de periodistas trabajan sin descanso para llevarte la cobertura más rigurosa y cumplir con su misión de servicio público. Si quieres apoyar nuestro periodismo puedes hacerlo aquí por 1 euro el primer mes (a partir de junio 10 euros). Suscríbete a los hechos.

Suscríbete