Seleccione Edição
Login

Porto Alegre se prepara para o ‘BBB Lula’: 150 câmeras e segurança reforçada

O julgamento de Lula começará às 8h30 na quarta e está previsto para durar até, no máximo, 16h

Julgamento Lula Porto Alegre
Manifestantes em Porto Alegre nesta segunda-feira. AFP

Na sala de sessão quatro onde acontecerá o julgamento em segunda instância do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva as três togas dos desembargadores já estão penduradas. Se na última semana o espaço recebeu uma série de cinegrafistas de TV e fotógrafos, na próxima quarta-feira ele se tornará o lugar mais preservado do prédio mais resguardado de toda Porto Alegre. O corredor do terceiro andar do Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF4), onde haverá a sessão, será bloqueado. Além dos julgadores, de funcionários essenciais e dos advogados, ninguém poderá acessá-lo. Pela imensa janela da sala também devem chegar apenas sons distantes de protestos: todo o entorno do prédio e o enorme parque que fica em frente a ele estarão isolados.

O julgamento começará às 8h30 na quarta-feira e está previsto para durar até, no máximo, 16h. Os desembargadores deverão decidir se acatam o recurso da defesa de Lula contra a sentença do juiz Sérgio Moro, que considerou que ele é culpado pelos crimes de corrupção passiva e lavagem de dinheiro. Para o juiz da Lava Jato, o ex-presidente recebeu da construtora OAS dinheiro ilícito de corrupção dissimulado na compra e reforma de um triplex no Guarujá (litoral de São Paulo). Caso a condenação seja confirmada, ele corre o risco de ficar de fora da corrida presidencial.

A rotina da cidade começa a mudar já nesta terça-feira, quando se inicia a movimentação de militantes favoráveis e e contrários à condenação do ex-presidente. A partir de 12h, o trânsito já será modificado e todos os órgãos públicos do entorno do tribunal terão suas atividades encerradas, assim como os comércios da redondeza. Os responsáveis pela segurança —um gabinete integrado por diversas áreas que se reúne desde dezembro passado — temem que os dois grupos se enfrentem. Por isso, houve um reforço de policiais na capital: toda a força que estava deslocada para o litoral do Estado por conta da Operação Verão retornou. O número total do efetivo não é divulgado. Para garantir a segurança do prédio, atiradores de elite estarão a postos. Também haverá 150 câmeras de monitoramento e o espaço aéreo do local será fechado.

O município de pouco mais de 1,4 milhão de habitantes no sul do Brasil não terá comente sua rotina alterada, mas concentrará a atenção de todo o mundo. A cobertura do julgamento contará com 250 jornalistas brasileiros e 43 estrangeiros. Haverá profissionais da Inglaterra, Estados Unidos, China, Japão, Alemanha, França, Espanha, Dinamarca, Catar e Argentina, segundo o TRF4.

Credenciados na semana passada, eles serão colocados em um anfiteatro no térreo do prédio com 11 mesas e um enorme telão, que transmitirá a decisão dos desembargadores em tempo real. A mesma imagem será transmitida pelo YouTube e pelo Periscope do órgão, algo inédito na história do TRF4, que já julgou também Eduardo Cunha e José Dirceu. E para evitar as dificuldades de transmissão, tanto para os jornalistas da sala quanto para os usuários das redes sociais, o tribunal contratou um engenheiro de telecomunicações.

MAIS INFORMAÇÕES