Seleccione Edição
Login

Confiante nas pesquisas, Lula ressalta inocência e já anuncia medidas de governo

Pesquisa Ipsos desta quarta mostra nova alta no apoio ao ex-presidente, que afirma:

“Não serei preso. Preso só pode ir quem cometeu crime e contra mim não há uma vírgula”

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva em protesto contra o Governo em outubro.
O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva em protesto contra o Governo em outubro. AP

A maioria dos analistas, bem como lideranças políticas e econômicas do Brasil – incluindo o mercado financeiro —, estão convencidos de que a Justiça impedirá o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva de participar das eleições de outubro do ano que vem. Mas há uma pessoa que defende o contrário: o próprio Lula. “Não vou ser preso. Preso só pode ir quem cometeu um crime e não tem uma vírgula contra mim. Duvido que neste país tenha alguém com a consciência mais tranquila do a que minha”, proclamou com grande veemência o ex-presidente nesta quarta-feira em São Paulo em um encontro com a imprensa. “Muito otimista” sobre seu futuro, com as pesquisas cada vez mais favoráveis, Lula se apresenta como o provável vencedor da eleição do próximo ano e até se permite anunciar algumas das medidas que tomaria se voltasse ao Governo.

Lula não quer falar nem como hipótese sobre uma possível decisão desfavorável do Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF-4), que marcou para o dia 24 de janeiro em Porto Alegre o julgamento de seu recurso contra a sentença de nove anos de prisão do juiz Sérgio Moro. A condenação, alega, seria simplesmente “uma negação da Justiça”, por isso espera que daqui até o dia do julgamento se abra caminho para um “consenso” sobre sua inocência no caso do triplex do Guarujá. Insistiu que não há uma única prova de que o apartamento seja dele e até brincou: “Leiam a sentença e se encontrem alguma coisa, me liguem”. “Se não acreditar na democracia e na Justiça, em que vou acreditar na minha idade, na luta armada?”, acrescentou.

A estratégia de Lula antes do decisivo encontro de Porto Alegre, que pode marcar não apenas seu futuro, mas o rumo da disputa eleitoral do próximo ano, ficou clara em um longo encontro de duas horas com um grupo de jornalistas. O ex-presidente apresenta como fato evidente que será absolvido –“tenho certeza absoluta”– e seu interesse é aparecer perante o público não apenas como candidato, mas como se estivesse prestes a retornar ao Palácio do Planalto. Por isso, desconversou diante de todas as perguntas sobre qual seria a reação do PT a uma hipotética condenação. Não entrou em considerações se a encarava como fraude eleitoral ou a culminação do “golpe”, como dizem alguns líderes de seu partido. Da mesma forma, não quis alimentar especulações sobre possíveis planos B, mesmo que o único membro do PT presente ao evento fosse um dos mais citados como alternativa a Lula, o ex-prefeito de São Paulo, Fernando Haddad, coordenador do programa eleitoral.

Com essa ideia, o líder petista preferiu falar sobre economia, política externa, programas sociais ou possíveis alianças políticas. E aproveitou a oportunidade para anunciar algumas medidas governamentais voltadas para os setores mais pobres da sociedade. Prometeu uma reforma tributária para que os ricos paguem mais e aqueles com rendimentos inferiores a 5.000 reais mensais sejam isentos do imposto de renda. Também prometeu uma nova “valorização do salário mínimo” e mais gastos em educação. Disse que deseja se candidatar novamente para “fazer o que não fiz”, porque desta vez seu objetivo é “distribuir a riqueza, não só a renda”.

Lula chegou estimulado pelas pesquisas de intenção de voto que lhe são cada vez mais favoráveis. Nos últimos meses, a popularidade do ex-presidente não parou de crescer até atingir os níveis mais altos desde o impeachment; A última pesquisa foi divulgada nesta quarta-feira, feita pelo Instituto Ipsos para o jornal O Estado de S. Paulo, e traz resultados espetaculares para o líder do PT. Sua popularidade cresceu 16 pontos percentuais desde junho, até atingir 45%, mais do dobro de seus adversários potenciais, o ultradireitista Jair Bolsonaro e o governador de São Paulo, o centrista Geraldo Alckmin, que, além disso, caíram nas últimas semanas

O líder do PT aludiu diretamente a esse vento favorável das pesquisas e se esforçou tanto em aparentar que não está preocupado com sua situação judicial que explicou que está preparando uma nova Carta ao povo brasileiro. Embora desta vez o destinatário “será o povo e não o mercado”. O ex-presidente confessou que está magoado com reação contra ele do setor financeiro: “Nunca me agradeceram pelo que ganharam comigo”. Mas, ao mesmo tempo, quis deixar claro que não é verdade, como se comenta, que tenha dado uma guinada à esquerda. “Não estou mais radical, estou mais sabido”, disse. “E responsabilidade fiscal eu tenho de sobra, porque aprendi com uma mulher em uma favela”.

Os petistas já começaram a se mobilizar para organizar um protesto no próximo dia 24 em Porto Alegre, diante do Tribunal que julgará o caso. Lula revelou que não comparecerá porque tem uma viagem à África. Mas não evitou críticas muito duras à Justiça de Curitiba que dirigiu em primeira instância a maioria dos processos contra ele. Acusou-a de atuar “como partido político”, com o apoio da “grande imprensa brasileira”, e personalizou tudo isso muito claramente no procurador Deltan Dallagnol, dizendo que “deveria ser exonerado” pelo famoso powerpoint que apresentou há algum tempo à imprensa, colocando Lula como chefe de uma organização criminosa.

Para além dos ataques ao que ele mesmo tinha chamado de “República de Curitiba”, o ex-presidente evitou desqualificar a Lava Jato globalmente. Tampouco fez qualquer autocrítica em relação ao envolvimento de seu partido em casos de corrupção. E também lembrou que foi nos governos petistas que foram tomadas medidas para favorecer a luta contra a corrupção, como a independência do Ministério Público e da polícia, a criação de vários órgãos de controle ou a regulamentação das delações premiadas. “Não houve na história do Brasil um presidente ou um partido político que tenha tomado as medidas contra a corrupção que tomei”, afirmou.

MAIS INFORMAÇÕES