Homem voa sobre África do Sul suspenso por 100 balões de hélio

O empresário britânico Tom Morgan percorre 25 quilômetros e atinge 2.500 metros de altitude

O britânico Tom Morgan sobe no céu da África do Sul.
O britânico Tom Morgan sobe no céu da África do Sul.REUTERS

O cinema de animação pode alimentar os sonhos não realizados de muitas pessoas com desejo aventureiro. Um exemplo disso é Tom Morgan, um britânico de 38 anos nascido em Bristol. Na sexta-feira, este empresário decidiu emular a história de animação Up –Altas Aventuras, em que os dois protagonistas sobem ao céu ajudados por um grande número de balões amarrados a uma casa como se fosse um balão aerostático. Na vida real, Morgan sobrevoou as terras sul-africanas por 25 quilômetros, suspenso por 100 balões de festa cheios de hélio, atingindo 2.500 metros de altitude. “A experiência foi absolutamente genial”, declarou assim que tocou o chão.

Mais informações
Hawking: “Não acredito que viveremos mais 1.000 anos sem ter que deixar a Terra”
O futuro da humanidade nas mãos de um filósofo obcecado pelo tempo

Obrigado a mudar de itinerário  - fracassou várias vezes na vizinha Botsuana -, ele levou dois dias para inflar os balões. Estes, por sua vez, foram amarrados à estrutura de uma cadeira de camping. “Foi necessário encontrar boas condições meteorológicas, pois seria difícil manter os balões protegidos quando estourassem”. Consciente de que só tinham uma última oportunidade, Morgan e sua equipe foram para o norte de Johannesburgo, a maior e mais populosa cidade da África do Sul, para realizar o sonho. “Em algum momento senti uma mistura de medo e euforia enquanto subia”, admitiu.

A subida se acelerou à medida que os balões o levavam à camada de inversão térmica da atmosfera, onde se produz um aumento da temperatura. “Mantive a calma e me dediquei a cortar gradualmente os balões”. Morgan, que morou em Bristol durante 15 anos, planeja criar uma corrida de “balões de hélio” no continente africano dentro de algum tempo. Por enquanto, continuará a dirigir a empresa de aventura que criou anos atrás, mas segue pensando em sua nova ideia. “Para as próximas vezes, teremos de evitar lugares com muitos arbustos pontiagudos”, brinca.

No Brasil o padre Adelir Antônio de Carli, conhecido como o padre baloeiro, tentou uma façanha semelhante em abril de 2008, mas desapareceu no oceano Atlântico ao tentar quebrar seu recorde de permanência no ar.

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS