Seleccione Edição
Login

O brasileiro Julián Fuks ganha o prêmio José Saramago

‘A resistência’ retrata a história de uma família argentina exilada no Brasil durante o golpe de 1976

Julián Fuks
O brasileiro Julián Fuks, vencedor do prêmio José Saramago

O romance A resistência do escritor brasileiro Julián Fuks é o vencedor da 18a edição do prêmio José Saramago, reservado para autores de língua portuguesa com menos de 35 anos.

A resistência, publicado no Brasil no ano passado, venceu o prêmio Jabuti, o mais importante das letras brasileiras, e a Menção Honrosa do prêmio Rio. O romance retrata a história de uma família argentina exilada no Brasil durante o golpe de estado de 1976.

Nascido em São Paulo em 1981 em uma família de exilados argentinos, as perguntas e vivências de Fuks também se materializam na obra premiada. “Mergulhar no passado é como olhar de frente para a resistência em oposição às forças que não são porosas à memória e aos campos da história”, explicou a integrante do júri Ana Paula Tavares ao exaltar a obra.

Fuks agradeceu o prêmio Saramago destacando que o Nobel é o único autor que o faz chorar e rir em momentos diferentes. “E agora, ao mesmo tempo, está me fazendo rir e chorar.” O premiado explicou que seu livro fala das múltiplas formas que a resistência pode assumir. “É um livro muito pessoal; trata de uma vivencia própria e familiar, mas que tenta pensar o pessoal como coletivo, como político”.

O brasileiro reconheceu a importância do diálogo entre literatura e política, “mas não no sentido panfletário, para que a literatura possa contribuir para as múltiplas resistências que o mundo exige”.

Criado em 1999, o prêmio José Saramago, instituído pela fundação lisboeta de mesmo nome e o Círculo de Leitores, premiou em edições anteriores escritores como José Luís Peixoto, Adriana Lisboa, Gonçalo M. Tavares, Valter Hugo Mãe e João Tordo.

MAIS INFORMAÇÕES