Referendo da Catalunha

Governo catalão anuncia 90% de ‘sim’, 2,2 milhões de votantes e participação de 42% em referendo

Ida às urnas é inferior à anunciada pelo Governo regional no plebiscito de 2014, que teve 2,3 milhões de votantes

Turull, Junqueras e Romeva durante entrevista coletiva neste domingo.
Turull, Junqueras e Romeva durante entrevista coletiva neste domingo.Quique García / EFE

A Generalitat (Governo regional catalão) divulgou no final da noite deste domingo os resultados do referendo suspenso pelo Tribunal Constitucional. Seu porta-voz, Jordi Turull, afirmou que foram registrados 2.262.424 votos, equivalentes a 42% do total de eleitores habilitados (5.343.358). Turull ressaltou as circunstâncias difíceis sob as quais se realizou a votação e defendeu a realização do referendo. A participação, assim, terá sido inferior à registrada na consulta de 9 de novembro de 2014, que contou com 2,3 milhões de votantes. A abstenção seria de 58%, portanto majoritária, segundo os números da própria Generalitat.

Mais informações

Não é possível, porém, tirar muitas conclusões a partir desses números. O referendo deste domingo carecia de garantias legais (houve inúmeros exemplos de pessoas que votaram várias vezes ou sem qualquer controle nem identificação), e o Governo regional não conseguiu explicar a origem dos dados de participação (que não puderam ser averiguados) nem o método utilizado na apuração, que também não se deu com garantias legais. Além disso, em 2014 o Estado não agiu no sentido de tentar impedir a votação, que na ocasião foi apresentada como não sendo de aplicação imediata, independentemente do resultado. Nos dois casos, os partidos constitucionalistas defenderam que o referendo fosse simplesmente ignorado.

Ainda de acordo com esses resultados, o sim à independência obteve neste domingo uma vitória acachapante entre a minoria que compareceu às urnas. A separação obteve 90% (2.020.144 votos), mas isso representa apenas 37,8% do suposto total de eleitores (um percentual que é até mesmo inferior, de 36,6%, se se considera o último censo eleitoral registrado legalmente na Catalunha, e menos de 27% da população, considerando que estrangeiros e menores de idade não têm direito de voto). O não obteve 176.666 votos (7% do total), segundo a apuração do Governo regional. Os votos nulos atingiram 0,89% e os brancos, 2% (45.686).

“Queremos agradecer à população da Catalunha, que tornou possível esta jornada tão difícil e tão dolorosa. Cumprimos com o mandato do Parlamento e tiraremos as consequências que os resultados impõem”, disse o vice-presidente catalão, Oriol Junqueras.

Turull afirmou que o fechamento de várias seções eleitorais por diferentes forças policiais impediu que 670.000 pessoas registradas nesses locais de votação fossem às urnas, embora esses eleitores pudessem também comparecer, sem controle, a quaisquer outras seções e embora a Generalitat tenha ao mesmo tempo declarado que praticamente a totalidade das seções (96%) puderam permanecer abertas.

Os números da apuração foram divulgados de forma global, sem detalhamento por províncias, comarcas ou municípios. Também não foram sendo divulgados à medida que avançava a contagem, como ocorre normalmente nos pleitos legais e homologados oficialmente. Neste caso, o anúncio do registro de pouco mais de dois milhões de votos foi feito de uma só vez, com 95% da apuração, embora os percentuais de votos publicados já superavam os 100%. Isso se deve, aparentemente, ao fato de a Generalitat ter esquecido de observar que os percentuais de sim, de não e de votos em branco são calculados sobre o total de votos válidos, ou seja, excluindo-se os nulos. Nas dez horas seguintes, não se divulgou mais nenhum dado da apuração.

O ex-presidente da Generalitat Artur Mas afirmou em junho último que seria muito importante que o comparecimento às urnas neste domingo fosse maior do que o de novembro de 2014. “É o que lhe conferirá todo o sentido e total legitimidade”, disse na ocasião. Os dados divulgados agora pela própria Generalitat mostram que, no fim das contas, esse desafio não foi vencido.

Debido a las excepcionales circunstancias, EL PAÍS está ofreciendo gratuitamente todos sus contenidos digitales. La información relativa al coronavirus seguirá en abierto mientras persista la gravedad de la crisis.

Decenas de periodistas trabajan sin descanso para llevarte la cobertura más rigurosa y cumplir con su misión de servicio público. Si quieres apoyar nuestro periodismo puedes hacerlo aquí por 1 euro el primer mes (a partir de junio 10 euros). Suscríbete a los hechos.

Suscríbete
O mais visto em ...Top 50