_
_
_
_

Hillary Clinton defendeu o ataque a bases aéreas sírias horas antes da ordem de Trump

“Esse massacre não pode continuar”, disse a ex-secretária de Estado dos EUA

Tu suscripción se está usando en otro dispositivo

¿Quieres añadir otro usuario a tu suscripción?

Si continúas leyendo en este dispositivo, no se podrá leer en el otro.

¿Por qué estás viendo esto?

Flecha

Tu suscripción se está usando en otro dispositivo y solo puedes acceder a EL PAÍS desde un dispositivo a la vez.

Si quieres compartir tu cuenta, cambia tu suscripción a la modalidad Premium, así podrás añadir otro usuario. Cada uno accederá con su propia cuenta de email, lo que os permitirá personalizar vuestra experiencia en EL PAÍS.

En el caso de no saber quién está usando tu cuenta, te recomendamos cambiar tu contraseña aquí.

Si decides continuar compartiendo tu cuenta, este mensaje se mostrará en tu dispositivo y en el de la otra persona que está usando tu cuenta de forma indefinida, afectando a tu experiencia de lectura. Puedes consultar aquí los términos y condiciones de la suscripción digital.

Hillary Clinton, durante sua intervenção na Cúpula Mundial das Mulheres
Hillary Clinton, durante sua intervenção na Cúpula Mundial das MulheresSHANNON STAPLETON (REUTERS)
Mais informações
EUA bombardeia a Síria. Acompanhe as últimas notícias
O bombardeio dos Estados Unidos contra a Síria, em imagens
Ataque químico causa matança na zona rebelde síria
Republicanos e democratas respaldam o ataque de Trump à Síria

A ex-secretária de Estado e ex-candidata democrata, Hillary Clinton, voltou a aparecer em público na quinta-feira, cinco meses depois de ser derrotada por Donald Trump na eleição presidencial dos EUA. A candidata democrata admite que foi duro assimilar a derrota na eleição e, embora assegure que está bem pessoalmente, como norte-americana, reconhece, “há muitas coisas” que a “preocupam”. Uma é o conflito na Síria.

Clinton fez essas declarações durante sua intervenção na Cúpula Mundial das Mulheres, realizada em Nova York, depois de ficar sabendo que o Pentágono estava contemplando uma resposta militar após o último ataque químico na província de Idlib. Horas depois foi dada a ordem do presidente Trump de bombardear a base aérea de Shayrat (Homs).

A ex-secretária de Estado no Governo de Barack Obama admitiu que deveriam ter sido mais “agressivos” com o regime de Bashar al-Assad. Citou, concretamente, que deveria ter sido estabelecida uma zona restrita de voos e ter tomado medidas de represália contra as bases aéreas sírias que usaram armas químicas no norte do país. “São a causa da maior parte de mortes de civis”.

“Vimos isso durante anos e novamente há poucos dias”, lamentou Clinton, que continua pensando que a intervenção militar é necessária “para evitar que sejam capazes de usar estas bases aéreas para bombardear pessoas inocentes e com agentes químicos”. “Esse massacre não pode continuar”, concluiu. Mas qualquer ação neste sentido é complicada pela presença da Rússia, que defende o regime sírio. Clinton diz que é preciso evitar o confronto.

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS
_
_