Seleccione Edição
Entra no EL PAÍS
Login Não está cadastrado? Crie sua conta Assine

O mundo reage ao primeiro ataque militar de Donald Trump

Presidente dos EUA recebeu, pela primeira vez na presidência, forte apoio dentro e fora de seu país

Ataque de Trump na Síria
REUTERS

Os Estados Unidos atacaram de surpresa, na madrugada desta sexta-feira (noite de quinta no Brasil),  uma base do exército da Síria, controlado pelo regime de Bashar al Assad. O Governo de Donald Trump utilizou 59 mísseis Tomahawk  contra a base aérea de Shayrat, em Homs, no norte do país, em represália pelo bombardeio com armas químicas que matou 86 pessoas na terça-feira, incluindo 30 crianças. Uma intervenção direta no país era rejeitada até poucos dias atrás pela atual Administração. Assim, o ataque desta quinta representa uma guinada completa na política de Washington com relação à Guerra Civil da Síria e abre uma possível via de conflito com Moscou, principal protetor do regime. Líderes democratas e republicanos apoiam a ofensiva, assim como a OTAN e países como Israel, Arábia Saudita e o Reino Unido. Já a Rússia condenou a operação, afirmando tratar-se de uma agressão contra um país soberano.

Veja como foi o dia posterior ao ataque dos Estados Unidos na Síria.

MAIS INFORMAÇÕES