Uma biblioteca pioneira para a fotografia no Brasil

O IMS Paulista chega em julho de 2017 com foco em artes visuais, música e tecnologia digital

O que já era bom fica melhor. Abre as portas em julho de 2017 mais um centro cultural na avenida Paulista, que abriga uma das maiores ofertas em cultura e entretenimento de São Paulo e – palco emblemático dos vários protestos ao longo do ano –, se consolida como um dos espaços mais pulsantes da cidade. É o novo endereço paulistano do Instituto Moreira Salles, entidade privada especializada em literatura, música e artes visuais que detém um dos maiores acervos fotográficos do país. Seguindo o talento da casa, a novidade inclui uma biblioteca dedicada a publicações sobre fotografia e com acesso livre ao público que é a primeira do país, com 230 m² e 30.000 itens.

Imagem de projeto do IMS Paulista, que será inaugurado em 2017.
Imagem de projeto do IMS Paulista, que será inaugurado em 2017.

Mais informações

Além da biblioteca, o novo IMS Paulista chega prometendo uma ampla oferta de atividades ligadas sobretudo a foto, cinema, vídeos e tecnologias digitais. Serão sete andares, dos quais três se voltam exclusivamente às exposições, com um auditório para exibição de filmes, palestras e shows, salas de aula para cursos, um café e um restaurante. “Será um museu 100% voltado ao público, que atraia as pessoas e crie uma relação franca com a rua”, afirmou o diretor do IMS, Flávio Pinheiro, na coletiva de imprensa no início do mês.

O prédio estreito, que ficará na Paulista a poucos metros do cruzamento com a rua Consolação, deseja ser uma atração à parte: todo espelhado e iluminado naturalmente, foi pensado para ser autossustentável e gerar uma continuidade entre a calçada e o espaço interior que convide os pedestres a entrar. Quem assina o projeto arquitetônico é o escritório Andrade Morettin, vencedor de um concurso realizado no final de 2011, no qual foi escolhido por um júri entre outras cinco empresas brasileiras de destaque na área. Todo a obra representa um investimento de 80 milhões de reais, levantados sem incentivos fiscais – como o resto dos projetos do instituto.

Estreia contada no relógio

A primeira exposição a ocupar o IMS Paulista será a videoinstalação The Clock (2010), que deu ao artista Christian Marclay, um suíço-americano, o Leão de Ouro na Bienal de Veneza de 2011.

A complexa obra (veja um teaser aqui) é uma experiência cinematográfica com duração de 24 horas, composta por trechos de filmes icônicos da história do cinema mostrando imagens de relógios, tudo em sincronia com o tempo real.

Os organizadores do IMS adiantam que, na estreia, haverá dias em que o museu ficará aberto o dia inteiro, inclusive de madrugada, para exibições sem interrupção.

Segundo Lorenzo Mammì, que será o diretor do museu, a curadoria de conteúdo seguirá quatro eixos principais: “Teremos a fotografia como principal objeto, o investimento na realização de exposições próprias, a articulação para diferentes usos do espaço e a integração com o entorno territorial onde a nova sede estará instalada”, adiantou o músico, filósofo e crítico de arte que organizou, entre outros, o livro de ensaios 8X fotografia.

Dos hits da biblioteca, comprados do acervo pessoal do fotógrafo húngaro Thomas Farkas (1924-2011), fazem parte os 135 números da revista Novidades Fotoptica e os 100 da Revista de Fotografia, entre outros títulos. Também as mais de 1.000 obras que pertenceram à fotógrafa polonesa Stefania Bril. Tanto Farkas como Bril, que se radicaram no Brasil, são nomes centrais para a fotografia nacional.

Na área de cinema, uma novidade de peso: Kleber Mendonça, diretor de Aquarius e O som ao redor, será o responsável pela programação do IMS, tanto de São Paulo como do Rio. Kleber, que foi coordenador de cinema da Fundaj (Fundação Joaquim Nabuco) de 1998 a 2016, em Recife, substituirá o programador José Carlos Avellar, morto este ano.

O Instituto Moreira Salles foi criado em 1992 pelo embaixador e banqueiro Walther Moreira Salles (1912-2001), que abriu a primeira sede em Poços de Caldas, no interior mineiro. No Rio de Janeiro, funciona desde 1999 a que era até o momento a principal unidade da rede. Agora esse lugar passa ao IMS de São Paulo, que deixa o pequeno espaço que ocupava em Higienópolis há quase 21 anos para se integrar à flamante cena da avenida Paulista.

Debido a las excepcionales circunstancias, EL PAÍS está ofreciendo gratuitamente todos sus contenidos digitales. La información relativa al coronavirus seguirá en abierto mientras persista la gravedad de la crisis.

Decenas de periodistas trabajan sin descanso para llevarte la cobertura más rigurosa y cumplir con su misión de servicio público. Si quieres apoyar nuestro periodismo puedes hacerlo aquí por 1 euro el primer mes (a partir de junio 10 euros). Suscríbete a los hechos.

Suscríbete