Caso Eduardo Cunha

Cassação de Eduardo Cunha é decidida nesta terça e depende de um voto

Tia Eron, ex-aliada de peemedebista deve representar o ‘voto de minerva’ no Conselho de Ética

Tia Eron, no Conselho de Ética.
Tia Eron, no Conselho de Ética.L. B. Junior (Câmara dos Deputados)

Sete meses depois do início de seu processo, Eduardo Cunha (PMDB-RJ) finalmente deve ser julgado, nesta terça-feira, pelo Conselho de Ética da Câmara dos Deputados por quebra de decoro parlamentar. A acusação é que teria mentido na CPI da Petrobras ao dizer que não tem contas no exterior. O seu futuro no colegiado está nas mãos de uma deputada, de primeiro mandato, que já foi sua aliada e que agora diz que vai votar pela preservação da moral no Legislativo.

Mais informações

Eronildes Vasconcelos Carvalho, conhecida como Tia Eron, é filiada ao Partido Republicano Brasileiro (PRB) da Bahia. Aos 44 anos de idade, tem 16 de vida pública. Antes de ser deputada federal foi vereadora em Salvador por quatro mandatos consecutivos. Criou-se na Igreja Universal do Reino de Deus e graças ao seu trabalho de evangelização de crianças ganhou o apelido de Tia. Por conta da sua atuação na congregação e no movimento negro virou política. O perfil de Tia Eron é o do típico aliado de Cunha: evangélica, de um partido do centrão, que segue as ordens de seus líderes e que votou a favor da destituição de Dilma Rousseff (PT) da presidência da República. A deputada votou no peemedebista para presidir a Casa e já o elogiou dizendo que ele botou os parlamentares para trabalhar. Se não fosse pela pressão que vem sofrendo e pela relevância de ser, praticamente, o voto de minerva seria fácil arriscar dizer que ela votaria a favor dele. Nos últimos dias, porém, a pressão tem sido imensa.

Praticamente enclausurada desde o fim de semana passado, Eron antecipou seu retorno de Salvador para Brasília para esta segunda-feira a fim de se reunir com o presidente de sua legenda, o ministro Marcos Pereira (da Indústria), e com dois caciques do partido o senador Marcelo Crivella (PRB-RJ) e o deputado federal Celso Russomanno (PRB-SP). Esses dois políticos são os que mais a pressionam para votar pela cassação de Cunha porque temem que suas candidaturas às prefeituras do Rio de Janeiro e de São Paulo, respectivamente, possam ser influenciadas pela decisão da deputada.

Até agora, ela deu poucas entrevistas. Em uma delas, elogiou o parecer de Marcos Rogério (DEM-RO), que pede a cassação do mandato do peemedebista, dizendo que ele é “cuidadoso, coerente e cirúrgico”. Em outra, afirmou que não foi diretamente pressionada pelos colegas, mas que nas redes sociais tem recebido todo tipo de pressão.

Como vota o Conselho de Ética

10 deputados votam a favor de Cunha

- Alberto Filho (PMDB-MA)

- André Fufuca (PP-MA)

- João Carlos Bacelar (PR-BA)

- Laerte Bessa (PR-DF)

- Mauro Lopes (PMDB-MG)

- Nelson Meurer (PP-PR)

- Sérgio Moraes (PTB-RS)

- Washington Reis (PMDB-RJ)

- Wellington Roberto (PR-PB)

- Wladmimir Costa (SD-PA)

9 deputados votam contra Cunha

- Betinho Gomes (PSDB-PE)

- Julio Delgado (PSB-MG)

- Leo de Brito (PT-AC)

- Marcos Rogério (DEM-RO)

- Nelson Marchezan Junior (PSDB-RS)

- Paulo Azi (DEM-BA)

- Sandro Alex (PSD-PR)

- Valmir Prascidelli (PT-SP)

- Zé Geraldo (PT-PA)

1 deputada não anunciou voto

- Tia Eron (PRB-BA)

1 deputado só vota em caso de empate

- José Carlos Araújo (PR-BA) – presidente do Conselho, deve votar pela cassação

Nesta terça-feira, horas antes da votação na Câmara, as manifestações sairão das redes sociais e seguirão para as ruas. Representantes da plataforma digital Avaaz, por exemplo, prometem fazer uma encenação na frente da Câmara para pedir que Eron vote a favor da cassação do deputado peemedebista. A peça foi intitulada de “O Dilema de Tia”. E a pergunta que o grupo faz é: salvar Cunha ou a democracia?

Acusação contra Cunha

Afastado pelo Supremo Tribunal Federal de suas funções parlamentares desde o dia 6 de maio, Eduardo Cunha continuou articulando nos bastidores. Conseguiu emplacar aliados em postos chaves de comissões permanentes, indicou outros para o Governo Michel Temer, tentou afastar adversários do Conselho de Ética e obteve um parecer que lhe é favorável na Comissão de Constituição e Justiça – caso seja cassado pelos 21 conselheiros.

Na prática, é acusado de ter mentido na CPI da Petrobras por dizer que não tinha contas bancárias no exterior. No relatório pedindo sua cassação, porém, é citado que parte dos recursos que Cunha movimentou fora do país é suspeito de ter origem em propinas. Ele nega todas as acusações e diz que o que possui, na verdade são trustes (o que na sua concepção não são contas) e que todos os valores movimentados neles (mais de 5 milhões de reais) são lícitos.

Caso ele seja cassado no conselho, o caso precisará passar pelo crivo do plenário da Câmara dos Deputados. A cassação só é efetivada se 257 dos 513 parlamentares votarem a favor dela. Mesmo aprovada no conselho, ela ainda corre o risco de não acontecer porque aliados de Cunha obtiveram um parecer da Comissão de Constituição e Justiça que permite que as punições sugeridas pelo colegiado podem ser amenizadas por meio de emendas parlamentares no plenário da Câmara. Esse parecer da CCJ ainda precisa ser aprovado pelo restante da comissão em um encontro que também deve acontecer nesta terça-feira.