América do Sul acompanha com desconforto o afastamento de Dilma

Forma como foi tratado o processo de destituição de Dilma Rousseff gerou série de reações na região

Presidentes Tabare Vazquez, Uruguai, Mauricio Macri, Argentina, Dilma Rousseff, Brasil, e Michelle Bachelet, Chile.
Presidentes Tabare Vazquez, Uruguai, Mauricio Macri, Argentina, Dilma Rousseff, Brasil, e Michelle Bachelet, Chile.NORBERTO DUARTE (AFP)

A convulsão política por que passa o Brasil não é algo alheio ao sul do continente americano. Embora os dirigentes da região sempre tenham tido mais simpatia por Lula do que por Dilma Rousseff, em boa medida pelo fato de o ex-presidente ter uma visão mais integracionista, a forma como foi tratado o processo de destituição de sua sucessora gerou uma série de reações: o apoio incondicional do eixo bolivariano, que sempre viu no gigante brasileiro um fiel aliado econômico, mas acima de tudo político da revolução bolivariana; a inquietação que paira nestes dias na Argentina, o grande parceiro e cliente do Brasil; ao mesmo tempo em que outros países, como a Colômbia, não quiseram se pronunciar publicamente, embora, internamente, ninguém negue a preocupação existente com as consequências do que se decidirá nesta quarta-feira.

“Se o Brasil espirra, a Argentina pega uma pneumonia. Estamos ligados eternamente”, costuma repetir a ministra das Relações Exteriores argentina, Susana Malcorra. O presidente, Mauricio Macri, observa como a indústria argentina, em especial a automobilística –ele hoje visita uma grande fábrica da General Motors em Rosário--, sofre com o Brasil. A Argentina e Macri precisam que o Brasil solucione o quanto antes a sua crise, caso contrário, a recuperação será muito mais difícil. O Governo de Macri está ansioso para encontrar uma saída, mas se move com cautela. Malcorra admite ao EL PAÍS que alguns países –ela não mencionou nenhum nome, mas é evidente a posição da Bolívia, por exemplo—tentaram aplicar a cláusula democrática no Unasul ou no Mercosul para impedir o impeachment de Rousseff. Mas não é essa a posição argentina, e, de fato, sua resistência a que se chegasse a esse ponto acabou por conter as manobras do chamado eixo bolivariano. “Devemos fazer coisas que ajudem e não que compliquem ainda mais a situação”, afirma Malcorra, que acredita que assumir uma posição tão forte levaria ao agravamento da crise interna. Macri conversou várias vezes com Rousseff e tem lhe dado apoio, embora sem avançar demais nem falar em “golpe”, como faz Evo Morales.

Mais informações

Em termos ideológicos, Macri estaria mais próximo do vice-presidente Michel Temer, mas o Governo argentino também não vê essa alternativa como ideal, pois acredita que um governo não eleito pelas urnas seria frágil e prolongaria a dramática crise brasileira. A Argentina, que se encontra, assim, entre dois caminhos negativos, decidiu aguardar, mas nutrindo uma grande inquietação. Publicamente, Macri pede calma e aposta no respeito aos procedimentos constitucionais brasileiros. Reservadamente, admite que, se o Brasil afundar, levará junto a Argentina, ou no mínimo fará com que se atrase muito a recuperação de sua economia. Tudo o que acontece no Brasil é, para os argentinos, assunto de política interna, e os veículos de comunicação do país contam cada detalhe, diariamente, quase como se fosse a sua própria presidência que estivesse em jogo.

O eixo bolivariano, o mais atingido pelos novos ventos que sopram para a direita na região, tentou buscar oxigênio na crise brasileira. O caso mais evidente é o da Venezuela. A enérgica defesa do Governo do Brasil é a contrapartida de Caracas dentro dos fortes laços que unem os dois governos desde a presidência do antecessor de Rousseff, Luís Inácio Lula da Silva, informa Alfredo Meza, de Caracas. Lula foi um grande apoio nos momentos mais críticos de Hugo Chávez, o ideólogo do Socialismo do Século XXI, e defendeu a revolução bolivariana em várias oportunidades em encontros internacionais. Desde que os protestos contra Rousseff começaram, o presidente venezuelano, Nicolás Maduro, sugeriu de forma reiterada que estava em curso no Brasil um golpe de Estado contra a esquerda latino-americana. Crítico ferrenho do processo contra a sua colega brasileira, o governante, que, desde que perdeu as eleições parlamentares de dezembro passado, procura solapar o poder da Assembleia Nacional em seu país, chegou a dizer: ”A direita, no continente, desconhece a soberania popular. Querem acabar conosco?”. Na mesma linha, a ministra das Relações Exteriores, Delcy Rodriguez, avalia que o processo contra Rousseff pretende “desconsiderar a vontade do povo brasileiro”.

Evo Morales, a quem os bolivianos deram as costas em fevereiro ao rejeitar a possibilidade de que ele se apresentasse novamente às eleições –o que ele acatou sem concessões--, procurou obter, em vão, um repúdio do Unasul ao processo contra Rousseff. O secretário-geral da instituição, Ernesto Samper, criticou, com efeito, o impeachment –“está ocorrendo um linchamento da presidenta”, disse--, mas a organização de integração sul-americana impulsionada por Chávez, com o inquestionável apoio de Lula, não se pronunciou como tal a respeito da crise.

Para que isso ocorra, é preciso que haja uma posição unânime de seus membros. E se isso não ocorre, é, em parte, por causa do posicionamento neutro de países como a Colômbia. O Governo de Juan Manuel Santos preferiu se manter publicamente à parte, embora na chancelaria haja dúvidas sobre as consequências de uma saída de Dilma da presidência. O Brasil sempre apoiou a Colômbia no processo de paz com as FARC e é um de seus aliados nas conversações com a segunda guerrilha, o Exército de Libertação Nacional (ELN). O Governo de Dilma acompanhou todo o começo dessas iniciativas, e é uma das opções previstas para sediar as negociações formais quando estas se iniciarem.

Se em outros momentos, como na crise política da Venezuela, a presidenta do Chile, Michelle Bachelet, manteve uma posição mais discreta, no caso brasileiro, ela foi taxativa em seu apoio a Rousseff. “Creio que é uma mulher honesta e responsável, que está fazendo o melhor possível para o Brasil”, afirmou a dirigente, que não negou ter “admiração” pela colega brasileira.

Nesta quarta-feira, os olhos da América do Sul estão voltados para o Brasil. O antecedente mais recente que se assemelha ao processo de destituição de Rousseff foi o que se viveu com Fernando Lugo no Paraguai, quatro anos atrás. De um respaldo maciço, antes do julgamento político, passou-se, com a saída do governante, a tímidos protestos. O Brasil é um outro mundo. Suas dimensões gigantescas, os laços importantes com os países vizinhos e seu peso político na região pressagiam um outro tipo de reação.

Regras

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS
Logo elpais

Você não pode ler mais textos gratuitos este mês.

Assine para continuar lendo

Aproveite o acesso ilimitado com a sua assinatura

ASSINAR

Já sou assinante

Se quiser acompanhar todas as notícias sem limite, assine o EL PAÍS por 30 dias por 1 US$
Assine agora
Siga-nos em: