China confirma o primeiro caso de zika vírus, mas descarta risco de contágio

Trata-se de um homem de 34 anos que voltou recentemente da Venezuela

Pesquisador do zika vírus em Cingapura.
Pesquisador do zika vírus em Cingapura.EDGAR SU (REUTERS)
Mais informações

A China confirmou nesta quarta-feira seu primeiro caso de infecção pelo zika vírus. Trata-se de um homem de 34 anos, natural da província de Jiangxi (sudeste), que havia viajado recentemente à Venezuela, segundo informações da Comissão de Saúde e Planejamento Familiar à agência de notícias Xinhua. O paciente está internado sob quarentena e se recupera com normalidade dos sintomas da doença, que incluem urticárias e febre.

O paciente começou a apresentar os sintomas da doença em 28 de janeiro, quando ainda estava viajando, e foi internado em 6 de fevereiro, um dia depois de regressar ao seu país via Hong Kong e Shenzhen, na província de Cantão (sul). O homem trabalha numa empresa de Dongguang, importante centro industrial nessa mesma província.

Segundo a Comissão de Saúde, o risco de contágio é “extremamente baixo”. O mosquito Aedes aegypti, vetor da doença, não está presente na província de Jiangxi, embora exista em Cantão. No entanto, as temperaturas típicas do inverno chinês impedem que o inseto se mantenha ativo.

As autoridades de Hong Kong reforçaram as inspeções nos acessos fronteiriços após a notícia de que o paciente passou por esse território autônomo. Apesar de até o momento não terem sido detectados casos do vírus na ex-colônia britânica, o mosquito é endêmico na região. O secretário de Saúde de Hong Kong, Ko Wing-man, já havia alertado nesta semana sobre a possibilidade de que os primeiros casos começassem a ser detectados.

No começo deste mês, a Organização Mundial da Saúde declarou emergência sanitária internacional por causa do zika vírus. Suspeita-se – ainda sem confirmação científica – que ele esteja relacionado a um aumento dos casos de microcefalia em recém-nascidos, uma condição que pode causar alterações no desenvolvimento normal da pessoa.

Entre os sintomas da doença, que, se contraída por adultos, desaparece sem deixar sequelas, estão a febre, erupções cutâneas, ardor nos olhos e dor de cabeça. O vírus se expandiu rapidamente pela América central e pela América do Sul. O Brasil é o país mais atingido.

A China havia anunciado na semana passada a implantação de medidas para evitar possíveis casos, entre elas a exterminação maciça de mosquitos.

A Universidade de Sun Yat-Sem de Cantão começará no próximo mês um projeto piloto que procurará diminuir a fertilidade dos mosquitos, segundo divulgou nesta quarta-feira o jornal China Daily, que cita o microbiologista do centro educacional Xi Zhiyong. Um teste semelhante realizado no ano passado para controlar um foco local de dengue, segundo o jornal, conseguiu reduzir em 90% a população desses insetos. 

Outros países asiáticos também anunciaram a adoção de medidas preventivas. O escritório da OMS para o Pacífico Ocidental, em Manila, afirmou que enquanto o mosquito Aedes estiver presente na região, “é possível prever que o vírus aparecerá”.

Até agora, foi registrado um caso neste ano na Tailândia, onde se registram, em média, cinco casos a cada ano. Também foi registrado um outro no Taiwan, um homem proveniente da Tailândia. Na Malásia, embora ainda não tenham sido registrados casos, o vírus “pode avançar rapidamente” se for introduzido, segundo admitiu o Ministério da Saúde do país. Na Austrália, foram registrados dois casos da doença.

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS
Logo elpais

Você não pode ler mais textos gratuitos este mês.

Assine para continuar lendo

Aproveite o acesso ilimitado com a sua assinatura

ASSINAR

Já sou assinante

Se quiser acompanhar todas as notícias sem limite, assine o EL PAÍS por 30 dias por 1 US$
Assine agora
Siga-nos em: