_
_
_
_

Eleições abrem um cenário político inédito na Espanha

Quatro partidos chegam às eleições em condições de provocar uma reviravolta política

Tu suscripción se está usando en otro dispositivo

¿Quieres añadir otro usuario a tu suscripción?

Si continúas leyendo en este dispositivo, no se podrá leer en el otro.

¿Por qué estás viendo esto?

Flecha

Tu suscripción se está usando en otro dispositivo y solo puedes acceder a EL PAÍS desde un dispositivo a la vez.

Si quieres compartir tu cuenta, cambia tu suscripción a la modalidad Premium, así podrás añadir otro usuario. Cada uno accederá con su propia cuenta de email, lo que os permitirá personalizar vuestra experiencia en EL PAÍS.

En el caso de no saber quién está usando tu cuenta, te recomendamos cambiar tu contraseña aquí.

Si decides continuar compartiendo tu cuenta, este mensaje se mostrará en tu dispositivo y en el de la otra persona que está usando tu cuenta de forma indefinida, afectando a tu experiencia de lectura. Puedes consultar aquí los términos y condiciones de la suscripción digital.

O premiê Mariano Rajoy vota neste domingo, cercado por jornalistas.
O premiê Mariano Rajoy vota neste domingo, cercado por jornalistas.EL PAÍS

A Espanha entra a partir de domingo, dia 20 de dezembro, em uma nova etapa política. Nada será igual porque, segundo todas as previsões, haverá um Parlamento muito mais fragmentado, com o surgimento de dois novos partidos, o que tornará novos pactos necessários. Começa uma nova etapa para colocar em dia a democracia constitucional. De uma legislatura que se iniciou com maioria absoluta hegemônica do Partido Popular (PP) em todas as instituições a Espanha chega hoje às eleições gerais com presença plural em municípios e comunidades autônomas e a previsão de um futuro Governo que terá de ser consequência de acordos. O diálogo e o consenso abrem caminho.

Quatro partidos —PP, PSOE, Ciudadanos e Podemos— têm condições de provocar uma reviravolta política no país. O bipartidarismo, entendido como o poder amplamente majoritário de dois partidos no Congresso que, além disso, se alternam no Governo, abre espaço a um cenário com novos atores.

Mais informações
Eleições gerais colocam a velha e a nova Espanha frente a frente
Pablo Iglesias: “Relações com a América Latina são estratégicas”
Premiê espanhol leva soco durante um ato de campanha na Galícia

A campanha e os últimos meses de mandato do premiê Mariano Rajoy se caracterizaram por um novo marco de debate político no qual o eixo da discussão já não foi a esquerda e a direita, mas a briga entre o novo e o velho. O que se aprecia como um enorme salto geracional se concretiza na aparição de novos aspirantes à presidência do Governo, como Pablo Iglesias (Podemos) e Albert Rivera (Ciudadanos). Da mesma forma que há alguns meses apareceram outros líderes com lideranças dessa nova política e agora estão à frente dos Ayuntamientos (prefeituras) de Madri, Barcelona, Valência ou Cádiz, entre outros, essa opção de mudança e de fim de ciclo chega às Cortes e talvez ao Palácio de La Moncloa (sede da presidência do Governo espanhol).

Rajoy concorre pela quarta vez como cabeça da lista nas eleições gerais. Perdeu em 2004 e 2008 para José Luis Rodríguez Zapatero e ganhou em 2011 de Alfredo Pérez Rubalcaba. É o presidente do Governo (primeiro-ministro) que mais poder acumulou desde 1978, tanto no Executivo central como em poder regional, através de seu partido, o PP. Agora aspira ser o mais votado e poder governar, mas com uma queda notável de cadeiras, consequência da aparição de outros partidos e de seu próprio desgaste pela crise e a corrupção.

A agenda da reforma constitucional

Além da pressão dos eleitores com seu voto, a previsível matemática parlamentar fará os acordos necessários para propor mudanças constitucionais e provavelmente os dois grandes partidos já não terão maioria suficiente para bloqueá-las. Todos, exceto o PP, incluem reformas constitucionais em seu programa, as quais exigiram um referendo no final da legislatura.

Isso também torna diferente a fase que se inicia, porque coloca no centro do debate da legislatura a modificação da lei fundamental. O novo Parlamento e o futuro Governo terão de abordar o papel da Catalunha no Estado.

Junto com Rajoy, Iglesias e Rivera, o outro ator principal é Pedro Sánchez, que tenta diferenciar o PSOE da velha política, dar demonstração de renovação em seu partido e, ao mesmo tempo, fazer valer a experiência de gestão dos socialistas como a formação que mais anos governou a Espanha constitucional.

Nesse novo Parlamento, que deve ser constituído em 14 de janeiro, espera-se dos 350 deputados que eleitos no domingo uma agenda que inclui as propostas de reforma da Constituição, mudanças na lei eleitoral e, de modo geral, a renovação de instituições democráticas que, 37 anos depois do início da fase constitucional, demonstraram-se afastadas das novas gerações de espanhóis.

O número das próximas semanas é 176, que é o número de cadeiras necessárias para levar adiante o mandato com maioria absoluta no Congresso. O único meio de chegar a esse número será, com toda segurança, a soma dos votos de dois ou mais partidos, porque o que ganhar pode fazê-lo abaixo dos 30% dos votos, a menor porcentagem com a qual já se venceu as eleições.

Agora o PP aparece como favorito em todas as pesquisas, mas com dúvidas sobre como reuniria os votos necessários para o mandato. A maioria absoluta de que desfrutou até agora o levou a não ter praticamente relações com outros partidos e a falta de afinidades ideológicas com os demais indica o Ciudadanos como única hipótese de aliado parlamentar. No entanto, Rivera repetiu de todas as formas possíveis que não apoiará Rajoy, nem Sánchez. Só admitiu no último minuto a possibilidade de ceder o mandato com sua abstenção, mas para isso é necessário que o PP ultrapasse os 140 deputados.

Outras batalhas

Os outros três partidos lutam pelo segundo lugar, pela liderança da oposição. Sánchez tentou explorar a tese do voto útil como única opção para tirar Rajoy de La Moncloa e seu objetivo é ter o número suficiente de cadeiras para uma maioria alternativa à do PP, com várias opções políticas.

O PSOE permaneceu com 110 cadeiras em 2011, em seu pior resultado na democracia, mas que agora os socialistas assumem como objetivo, devido à fragmentação do voto. Para Sánchez a linha entre o fracasso e o sucesso está melhor em ser segundo, porque isso garante liderar a oposição e um número de cadeiras próximo a uma centena.

Podemos e Ciudadanos chegam ao Congresso com a expectativa de, no máximo do otimismo, chegar ao Governo e, no pior dos casos, a mais realista de ser a liderança da oposição. Ambos chegam com a bandeira da profunda reconstrução, em graus diferentes, do sistema democrático.

A Unidad Popular-Izquierda Unida, de Alberto Garzón, espera formar um grupo parlamentar e a UPyD, de Andrés Herzog, resiste a ficar fora do Parlamento.

Segundo turno do mandato e outras fórmulas

Existe uma possibilidade, caso os 176 votos favoráveis não sejam atingidos, que é a de chegar ao mandato no segundo turno com maioria simples, ou seja, mais votos a favor do que contra, mas exige que pelo menos outro grupo se abstenha. O que conseguir formar Governo terá alguns meses de relativa tranquilidade, porque os Orçamentos para 2016 já foram aprovados e não será necessário negociar novas contas até setembro.
Abrem-se outras opções não admitidas por ninguém, como a de que Mariano Rajoy desse um passo atrás e fosse outro o candidato apoiado por Ciudadanos. A da grande coalizão com PP e o PSOE parece mais do que remota.
O PP, em todo caso, assume que perderá cadeiras em relação às 185 conquistadas em 2011, em um contexto que o levou a um resultado recorde para a centro-direita.

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS
_
_