Seleccione Edição
Login
TRIBUNA

Um protesto contra todo o sistema político?

Baixa confiança nos partidos; baixa confiança nas ONGs e movimentos sociais; baixa confiança na imprensa: pilares da democracia liberal colocados em xeque

Protesto na avenida Paulista, no dia 12.
Protesto na avenida Paulista, no dia 12. AP

Durante a manifestação do dia 12 de abril, realizamos uma pesquisa de opinião com 571 manifestantes. Queríamos testar duas hipóteses. A desconfiança partidária constatada por outras pesquisas, no protesto de 15 de março, se limitaria ao PT ou se estenderia a todo o sistema político? As novas mídias e um comentarismo polemista estão emergindo como fontes centrais de formação da opinião política?

Com relação aos partidos e aos políticos, constatamos, entre os manifestantes, uma aguardada desconfiança na presidenta Dilma e no PT (96%). A oposição, no entanto, não se saiu muito melhor. O Datafolha havia mostrado que a maioria dos manifestantes de março se colocava entre o centro e a direita e tinha votado em Aécio Neves no segundo turno. Significaria isso maior confiança no PSDB? No domingo, apenas 23% confiavam muito em Aécio e 11% no PSDB como partido. Constatamos ainda um nível baixíssimo de confiança no PMDB (apenas 1% confiava muito) e na sua principal liderança, Eduardo Cunha (apenas 3%). Na lista dos políticos, Jair Bolsonaro despontou como nova liderança (19% confiavam muito), à frente de Marina Silva, com 15%. Os dados mostram que a desconfiança não se reduz ao PT, mas chega à oposição.

O nível de crédito ainda é baixo, mas maior nas organizações não governamentais e nos movimentos sociais (20% e 30%, respectivamente, confiam muito) sugerindo uma relação inversamente proporcional entre o grau de institucionalização e o grau de confiança. Os grupos liberais, convocantes das manifestações pelo Brasil, tem o maior índice de confiança: 71% confiam muito no Vem Pra Rua e 53% no Movimento Brasil Livre. Com 25%, surpreende que o Movimento Passe Livre, de esquerda e associado aos protestos de junho de 2013, esteja à frente do convocante conservador Revoltados On Line (com 19%).

A desconfiança na imprensa também é grande entre os manifestantes (apenas 21% confiam muito). Surpreende a baixa confiança no influente Jornal Nacional (apenas 16% confiam muito), mas já era esperada uma confiança mais elevada na revista Veja (52% confiam muito) e nos comentaristas conservadores e polemistas como Raquel Sherazade (49%) e Reinaldo Azevedo (40%). Paulo Henrique Amorin, considerado mais à esquerda, mas com um estilo confrontativo, aparece em destaque também (28% confiam muito), sugerindo que o estilo pode ser mais importante que a ideologia.

Por fim, testamos a concordância dos manifestantes com boatos muito difundidos na Internet, alguns flagrantemente inverídicos. 71% dos manifestantes concordam que o filho de Lula é sócio da Friboi e 53% que o PCC é um braço armado do PT. Uma combinação entre a desconfiança na imprensa, a ascendência de fontes de informação sem verificação e a proeminência de comentaristas políticos que provocam controvérsia pode estar baixando a qualidade da informação que orienta o comportamento político.

Baixa confiança nos partidos; baixa confiança nas ONGs e movimentos sociais; baixa confiança na imprensa: pilares da democracia liberal colocados em xeque.

Pablo Ortellado é professor do curso de Gestão de Políticas Públicas da EACH-USP; Esther Solano é professora de Relações Internacionais da UNIFESP; Lucia Nader é cientista política pela Sciences Po-Paris e fellow da Open Society Foundations.

MAIS INFORMAÇÕES