Movimento Passe Livre

Manifestantes voltam às ruas de São Paulo e enfrentam repressão da polícia

Protesto registrou conflito entre manifestantes e policiais militares, como em 2013 Ao menos 32 pessoas foram detidas e lojas e bancos acabaram depredadas

Polícia prende manifestante.
Polícia prende manifestante.Victor Moriyama (getty images)

As ruas da região central de São Paulo se tornaram novamente o palco de confrontos entre manifestantes e policiais militares, como ocorreu há um ano e meio. Uma passeata contra o aumento da tarifa de transporte marcada pelo Movimento Passe Livre (MPL), o mesmo que em 2013 iniciou uma onda de protestos que se transformaria na maior do país desde os anos 90, acabou em meio a bombas de gás lacrimogêneo, balas de borracha e destruição de lojas.

Os manifestantes se reuniram nesta sexta-feira às 17h, em frente ao Theatro Municipal, a menos de 300 metros da sede da Prefeitura de São Paulo, um dos órgãos responsáveis pela decisão do novo aumento da tarifa. Ônibus, gerido pelo Governo municipal, e metrô e trem, administrados pelo Governo estadual, passaram de 3 para 3,50 reais na última terça. Cercados por cordões de policiais militares, eles seguiram em direção à avenida Paulista, onde terminaria o ato, mas ao chegarem à rua da Consolação, mesmo local onde houve o principal confronto entre manifestantes e polícia em 2013, começou a confusão. O ato, neste momento, contava com 5.000 integrantes, de acordo com a Polícia Militar (PM), que sobrevoava a manifestação. Segundo o MPL, 30.000 pessoas participavam.

Um grupo de adeptos da tática black bloc, ativismo que defende a prática de ações "para causar danos materiais às instituições opressivas", começou a chutar vitrines de lojas e a jogar lixo contra a PM. Os policiais atiraram balas de borracha e bombas de gás lacrimogêneo não apenas contra eles, mas também contra o restante da multidão, que correu. A grande quantidade de gás e bombas fez com que muitos manifestantes se refugiassem em estacionamentos de prédios e em agências bancárias. Lojas e as entradas das estações Paulista e Consolação do metrô chegaram a fechar. A correria se espalhou por toda a região da Consolação até a avenida Brigadeiro Luís Antônio, de um lado, e a avenida Angélica, de outro. Um ônibus foi incendiado na rua Bahia, disse a polícia. 

"Quando começou o confronto com os black blocs a marcha parou. Mas os policiais começaram a atirar bomba contra a gente", conta uma militante do MPL que não quis se identificar. "Quando vi, estava no chão de um restaurante, nem sei o que aconteceu. A polícia faz sempre a mesma coisa, aguarda qualquer motivo para acabar com o protesto", afirmou.

MAIS INFORMAÇÕES

Os manifestantes se concentraram novamente por volta de 20h15 na avenida Paulista, que foi fechada por um escudo humano formado por homens da Tropa de Choque. Os policiais lançaram bombas e gás lacrimogêneo mais uma vez. A cavalaria da PM fechou a avenida. Um socorrista de um grupo de voluntários afirmava ter atendido três manifestantes com ferimentos leves. "Enquanto tentava ajudar, um policial apontou a arma na minha cara", disse ele. Parte dos policiais que atuou na manifestação não estava com a tarja de identificação obrigatória visível. Ao ter seu nome questionado pela reportagem, um deles respondeu: "eu sou policial".  Ao menos 32 participantes acabaram detidos por depredação, segundo a polícia.

O MPL encerrou o ato às 20h45, com o recado de que um novo protesto acontecerá na próxima sexta-feira, às 17h, na Praça do Ciclista, na avenida Paulista. O movimento, que se classifica como "horizontal" e "apartidário" pretende adotar a mesma tática usada em 2013: a realização de uma série de protestos em um curto intervalo de tempo e gritava que o próximo ato seria maior.

Há um ano e meio, o grupo começou com apenas centenas de participantes as mobilizações contra o aumento da tarifa, que havia subido para 3,20 reais. As manifestações, porém, ganharam uma enorme proporção por conta da violência com que a polícia atuou. No quarto ato, em 13 de junho de 2013, que também havia começado nas escadarias do Theatro Municipal, os tiros indiscriminados de balas de borracha e gás lacrimogêneo pela rua da Consolação contra os manifestantes deixaram 200 feridos -entre eles 15 jornalistas, como a repórter da Folha de S.Paulo, Giuliana Vallone, atingida por uma bala de borracha no olho.

As cenas causaram indignação e quatro dias depois 215.000 pessoas tomaram as ruas de 12 das principais capitais do país, 65.000 deles em São Paulo, na maior onda de protestos políticos no Brasil desde os atos pelo impeachment do então presidente Fernando Collor, em 1992. O teto do Congresso Nacional, em Brasília, foi ocupado. Manifestantes gritavam não mais contra a alta nas tarifas, mas contra a violência policial, a corrupção e problemas políticos variados, numa ação que intrigou cientistas sociais e políticos. Vários prefeitos e governadores revogaram a alta da tarifa, mas os protestos já tinham ganhado vida própria e continuaram até quase a Copa do Mundo.  

Por isso, o ocorrido em São Paulo nesta sexta levanta dúvidas de quais serão as consequências desta mobilização. A expectativa era de que o ato teria uma menor participação, devido as medidas tomadas pelo Governo para tentar amenizar o anúncio da alta tarifa, que havia se tornado um tabu: gratuidade para estudantes pobres da rede pública e privada e congelamento da passagem para os que usam os bilhetes mensais, semanais e diários. Parte da esquerda, que geralmente ajuda nas mobilizações, viu as medidas como um aceno positivo do Governo.

Assim como em junho de 2013, neste ano outras cidades além de São Paulo também convocaram a militância às ruas. No Rio de Janeiro e em Belo horizonte também aconteceram protestos nesta sexta, mas não foram registradas confusões. No Rio, os participantes não chegavam a 1.000. A atmosfera era pacífica, com ostensiva vigilância policial, informou Pedro Cifuentes.

"Não é só por 50 centavos"

Marina Rossi

A carta de princípios do MPL afirma que “a luta pela Tarifa Zero não tem um fim em si mesma. Ela é o instrumento inicial de debate sobre a transformação da atual concepção de transporte coletivo urbano (...)”. O grupo que incendiou o país em 2013 defende que ônibus, metrô e trem deveriam ser um direito constitucional e, portanto, gratuito.

O grupo enfrenta um debate de convicções com a Prefeitura, que diz que não tem dinheiro para implantar o passe livre. “De onde eu vou tirar seis bilhões de reais?”, perguntou o prefeito Fernando Haddad, em entrevista a esse jornal. “É como se eu tirasse todo o dinheiro arrecadado com o IPTU e investisse em transporte e em mais nada”. O MPL, por sua vez, não propõe como se daria a viabilidade da implantação da tarifa zero para toda a população. “Não falamos em número”, disse a militante Luíze Tavares.

Para Andrea Matarazzo, vereador e líder do oposicionista PSDB na Câmara dos Vereadores, a falta de viabilidade econômica para a implantação do passe livre é o grande x da questão. Segundo ele, a manifestação deveria ser por mais qualidade no transporte público e não contra o aumento da tarifa. "O transporte público tem um custo alemão para as empresas e para a Prefeitura, e qualidade africana para o usuário", afirmou. Em 2013, Matarazzo, que já ocupou diversos cargos como secretário na Prefeitura durante o Governo de José Serra (PSDB) e Gilberto Kassab (PSD), afirmou que Haddad estava provando do próprio veneno ao ter que enfrentar as manifestações nas ruas. "As manifestações ocorreram por uma insatisfação geral. É diferente de hoje. Mas a Prefeitura tem dado demonstrações de que não sabe conduzir questões fundamentais para a cidade", disse. Ele é a favor do aumento da tarifa.

No início da década de 90, durante o Governo da ex-prefeita Luiza Erundina (PT), a proposta de um transporte público livre de catracas quase virou realidade. O então secretário de Transportes, Lúcio Gregori, explica que o projeto foi formulado e era economicamente viável, mas não foi aprovado na Câmara dos Vereadores e acabou engavetado. “Naquela oportunidade, a Prefeitura propunha uma reforma tributária centrada no IPTU”, diz Gregori. “Aumentava-se bastante o IPTU de imóveis de luxo, grandes empreendimentos, bancos, enquanto imóveis com até 60 metros quadrados ficavam isentos”. Com mais dinheiro em caixa, a Prefeitura subsidiaria 100% do transporte público.

Segundo Gregori essa era uma medida de grande aceitação entre a população na época. “Uma pesquisa feita então mostrou que 76% aprovavam a reforma tributária e 68% queriam que a Câmara aprovasse a Tarifa Zero. Mas a Câmara sequer votou”.

Foi em Salvador e Florianópolis que o MPL teve origem. Após uma série de manifestações contra o aumento da tarifa na capital baiana em 2003 – chamada “Revolta do Buzu” – e na capital catarinense, no ano seguinte - a “Revolta da Catraca”, o movimento foi tomando forma. A maioria dos seus integrantes, que diz fazer parte de um movimento “horizontal, apartidário e não anti-partidário”, costuma desconfiar da imprensa, dificilmente sai em fotos e tampouco se identifica como dirigente do movimento. “Todos nós somos militantes, não temos dirigentes”, disse a estudante Luíze Tavares, de 18 anos.

A estratégia do movimento neste último ano tem sido se concentrar na periferia, onde, segundo os militantes, há uma militância mais orgânica. As maiores manifestações, porém, acontecem na região central da cidade. Além dos atos, o MPL organiza aulas públicas sobre o transporte, reuniões e festas populares com cunho politizador. Há comitês do Movimento Passe Livre por outras cidades do país, além de São Paulo.

Arquivado Em: