A Polícia Federal sai da sede da Camargo Corrêa em São Paulo (Brasil) em novembro de 2014 depois de uma revista no âmbito da operação 'Lava Jato'.

Camargo Corrêa ocultou 365 milhões de reais em Andorra

Juíza do pequeno país europeu investiga construtora por usar o antigo paraíso fiscal para pagar subornos

Sede do BPA em Andorra em março de 2015.

Chefe dos espiões de Hugo Chávez escondeu 6,5 milhões de dólares em banco de Andorra

Andorra embarga por lavagem de dinheiro três contas do antigo responsável pela Inteligência da Venezuela que movimentaram 22,5 milhões de reais

O ex-presidente da Venezuela Hugo Chávez com seu à época homólogo chinês Hu Jintao, no Grande Palácio do Povo em Pequim, em abril de 2009.

Os obscuros negócios do chavismo com a China

Primo de um ex-ministro da Venezuela escondeu em Andorra 163 milhões de reais pagos por empresas asiáticas

Rafael Lacava, de punho erguido ao lado de Nicolás Maduro, na sua posse como governador de Carabobo, na Venezuela.

Governador venezuelano ocultou dinheiro em Andorra e na Suíça

Rafael Lacava, líder do Estado de Carabobo, recebeu propina por “intermediar” construção de refinaria, segundo documentos bancários

O subsecretário-geral da presidência da Argentina, Valentín Díaz Gilligan, em Buenos Aires, em novembro de 2016

Alto funcionário do Governo Macri escondeu um milhão em paraíso fiscal

Banco rejeitou cinco milhões de um ex-governador argentino suspeitando que proviessem de um suborno

Fachada da sede em Caracas de PDVSA em fevereiro de 2012 com uma imagem do ex-presidente do Governo de Venezuela Hugo Chávez

Ex-ministros de Chávez planejaram comprar policiais e juízes na Europa

Objetivo era frear investigação sobre desvios na PDVSA: “Na Venezuela a gente pode dar grana a um juiz”

Partidários do ex-presidente venezuelano Hugo Chávez e trabalhadores de PDVSA em maio de 2011.

A vida de ostentação da trama chavista: 39 milhões de reais em luxo

Contas em Andorra de ex-ministros e empresários venezuelanos revelam gastos extravagantes Relógios, vinhos e hotéis surgem em investigação sobre recebimento de comissoes

O ex-ministro de Energia e Petróleo Rafael Ramírez (primeiro pela esquerda) e o ex-presidente de Venezuela Hugo Chávez em Caracas em outubro de 2008.

Ex-ministros de Chávez esconderam 2 bilhões de euros em Andorra

Ex-dirigentes venezuelanos, empresários e laranjas receberam comissões de até 15% para facilitar contratos da PDVSA

Sede da BPA em Andorra, em março de 2015.

Conheça o banco que ajudou a Odebrecht a lavar dinheiro em Andorra

BPA relaxou sua vigilância sobre políticos que receberam subornos da construtora, segundo a Polícia

Sede da construtora Odebrecht em São Paulo (Brasil) em dezembro de 2016.

O secreto propinoduto da Odebrecht na Europa

Por meio de banco em Andorra, empresa pagou o equivalente a 650 milhões a 145 políticos e servidores Papéis aos que o EL PAÍS teve acesso mostram os documentos usados para abrir as contas no principado

Sede da construtora Odebrecht em Lima (Peru) em fevereiro de 2016.

Odebrecht pagou 15 milhões de dólares em subornos no Peru via banco em Andorra

Relatório confidencial da polícia analisa o rastro dos milhões de dólares pagos a funcionários do Governo

Sede da Petroperú em Lima (Peru), em julho de 2016.

Documentos revelam novo nome na folha de pagamento de propinas da Odebrecht na Europa

Ex-executivo da estatal peruana de petróleo, Atala Herrera, ocultou 900.000 dólares no principado de Andorra

Da esquerda para a direita: o ex-presidente do Panamá Ricardo Martinelli com os ex-ministros José Raúl Mulino (Governo e Justiça) e Demetrio Papadimitriu (Presidência)

Odebrecht abriu conta milionária em Andorra para os pais de um ex-ministro panamenho

A família de Papadimitriu, ministro da Presidência do governo Martinelli, escondeu 10 milhões de dólares no Principado

Trecho do relatório do Sepblac sobre o Banco Madrid.

Empresas espanholas pagaram propinas para dirigentes chavistas

Relatório sobre o Banco de Madrid menciona comissões milionárias para venezuelanos