_
_
_
_

Gases tóxicos causados por lava do vulcão de La Palma forçam confinamento de 3.000 pessoas

Medida é adotada para proteger população depois da chegada da lava a áreas industriais. O primeiro-ministro espanhol, Pedro Sánchez, visitará a ilha na quarta-feira

Foto de satélite da erupção em La Palma tirada no domingo.Foto: COPERNICUS
Guillermo Vega

Tu suscripción se está usando en otro dispositivo

¿Quieres añadir otro usuario a tu suscripción?

Si continúas leyendo en este dispositivo, no se podrá leer en el otro.

¿Por qué estás viendo esto?

Flecha

Tu suscripción se está usando en otro dispositivo y solo puedes acceder a EL PAÍS desde un dispositivo a la vez.

Si quieres compartir tu cuenta, cambia tu suscripción a la modalidad Premium, así podrás añadir otro usuario. Cada uno accederá con su propia cuenta de email, lo que os permitirá personalizar vuestra experiencia en EL PAÍS.

En el caso de no saber quién está usando tu cuenta, te recomendamos cambiar tu contraseña aquí.

Si decides continuar compartiendo tu cuenta, este mensaje se mostrará en tu dispositivo y en el de la otra persona que está usando tu cuenta de forma indefinida, afectando a tu experiencia de lectura. Puedes consultar aquí los términos y condiciones de la suscripción digital.

O lento (mas inevitável) avanço da lava por áreas industriais, incluindo fábricas de cimento, gerou gases tóxicos que obrigaram o Plano de Emergências Vulcânicas das Canárias (Pevolca, o comitê de crise que lida com a erupção) a determinar novos confinamentos na ilha de La Palma pela terceira vez desde a erupção. A medida afeta uma área em forma de losango que inclui várias localidades de El Paso e de Los Llanos de Aridane, regiões nas quais vivem entre 2.500 e 3.000 pessoas, segundo o porta-voz do Pevolca, Miguel Ángel Morcuende. O prefeito (administração insular) de La Palma, além disso, proibiu a partir desta segunda-feira que as áreas evacuadas sejam acessadas através do município de Tazacorte até que seja estudada a evolução da emergência vulcânica ao norte da montanha de Todoque.

Desde o meio-dia local desta segunda-feira, vários veículos da Guarda Civil circulam pela área lembrando, por alto-falantes, que os moradores não devem sair de casa, a não ser que seja estritamente necessário. O maior perigo agora está relacionado à constante atividade efusiva (saída de lava) e explosiva que ocorre desde o desmoronamento, no sábado, do lado norte do cone vulcânico. Atualmente, existem duas línguas de lava que escorrem pelo norte dessa montanha: a do sul, que se uniu ao fluxo anterior e avança mais rapidamente em direção ao mar; e a do norte, que está no polígono industrial de Los Llanos de Aridane há dois dias e é a que forçou o confinamento.

“A lava está avançando”, alertou Morcuende. “Lentamente, mas está avançando.” O Pevolca considera “provável” que a primeira dessas duas línguas chegue ao litoral, desemboque na praia do Perdido (500 metros ao norte da primeira desembocadura) e crie nessa área um novo delta de lava. Essa língua está, no momento, a 300 metros de distância da costa, segundo a vulcanologista do Instituto Geográfico Nacional da Espanha e porta-voz do comitê científico do Pevolca, María José Blanco.

Os últimos dois dias foram especialmente destrutivos “em consequência da fluidez das línguas de lava”. Com isso, a superfície afetada chegou a 591,1 hectares, 65,33 a mais que no domingo —um dos maiores aumentos diários desde o início da erupção, em 19 de setembro.

Foram registradas 753 edificações afetadas, das quais 620 são moradias, 70 são depósitos, 29 têm uso industrial, 19 correspondem a lazer e hotelaria e 15 têm outros usos, como escolas e centros assistenciais. Além disso, 150 hectares de cultivos foram atingidos: 74,82 de bananeiras, 45,16 de vinhas e 8,78 de abacateiros.

Vista da nova língua de lava a partir da montanha de La Laguna.
Vista da nova língua de lava a partir da montanha de La Laguna.PACO PUENTES

O primeiro-ministro espanhol, Pedro Sánchez, viajará pela quarta vez a La Palma na quarta-feira, anunciou a porta-voz do Executivo, Isabel Rodríguez, em entrevista coletiva após a reunião do Conselho de Ministros. A visita foi confirmada pelo presidente do Governo das Canárias, Ángel Víctor Torres.

Torres participou por teleconferência da reunião da Comissão Mista, que reúne o Governo da Espanha, o das Canárias, o prefeito de La Palma e as administrações municipais envolvidas. “O vulcão ainda está muito ativo”, disse. “Este fenômeno não tem nada a ver com outros, como um incêndio”, enfatizou. “Ele tem parâmetros próprios e os cientistas não se atrevem a estimar quando acabará.”

“O vulcão não dá sinais de que vá parar amanhã, nem depois e nem em uma semana”, disse ao EL PAÍS Nieves Sánchez, pesquisadora do Instituto Geológico e Minerador da Espanha (IGME). “A atividade muda muito a cada dia, o cone se constrói primeiro e depois se destrói. Nos últimos dias estamos voltando a ver uma atividade sísmica mais profunda. [...]. Ele pode estar se reativando, embora seja algo que é preciso esperar para confirmar com observação do exterior. Minha opinião é que vai continuar em erupção durante um tempo, não sabemos quanto nem teremos como dizer enquanto não mudarem os padrões de terremotos e deformação do terreno.”

Avanço da ajuda

A reunião da Comissão Mista permitiu detalhar a ajuda de mais de 200 milhões de euros (1,3 bilhão de reais), valor que será destinado à compra de equipamentos, a programas de geração de emprego, ao auxílio para a compra de moradia e também ao Parque Nacional da Caldeira de Taburiente. Ángel Víctor Torres lembrou, em declarações à imprensa, que o Executivo já adquiriu 18 moradias, e nas próximas sessões da empresa pública de habitações sociais Visocan será comprado outro conjunto de imóveis. Anunciou, além disso, que na quarta-feira serão definidos os critérios de alocação e que na próxima semana serão entregues as primeiras casas.

Inscreva-se aqui para receber a newsletter diária do EL PAÍS Brasil: reportagens, análises, entrevistas exclusivas e as principais informações do dia no seu e-mail, de segunda a sexta. Inscreva-se também para receber nossa newsletter semanal aos sábados, com os destaques da cobertura na semana.

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS
_
_