Retorno de Meng Wanzhou à China e libertação de canadenses detidos põem fim ao ‘caso Huawei’

O incidente era um dos principais obstáculos nas deterioradas relações entre Pequim, por um lado, e Washington e Ottawa, por outro

Os canadenses Michael Spavor (esquerda) e Michael Kovrig (direita).
Os canadenses Michael Spavor (esquerda) e Michael Kovrig (direita).WANG ZHAO JULIE DAVID DE LOSSY (AFP)
Mais informações

A saga do caso Huawei acabou, e com ela um dos principais obstáculos nas relações entre Washington e Ottawa, por um lado, e Pequim, por outro. Ao mesmo tempo em que a diretora financeira da gigante da tecnologia chinesa, Meng Wanzhou, viaja para a China depois que os Estados Unidos retiraram as acusações contra ela, os canadenses Michael Kovrig e Michael Spavor também foram libertados e estão em um avião de volta para casa.

“Doze minutos atrás, Michael Kovrig e Michael Spavor deixaram o espaço aéreo chinês, a caminho de casa”, anunciou o primeiro-ministro canadense Justin Trudeau, sem dar mais detalhes sobre a libertação de seus dois compatriotas. É “uma operação em andamento”, destacou. Ambos pousarão no Canadá neste sábado. “Esses dois homens passaram por uma provação horrível por mais de mil dias. Eles mostraram determinação, graça e resistência em cada momento e são uma fonte de inspiração para todos nós “, disse Trudeau.

O regresso de Meng, por um lado, e dos “dois Michaels”, como eram popularmente conhecidos, por outro, põe fim a quase três anos de negociações de bastidores entre a China, por um lado, e os Estados Unidos e Canadá, de outro, em um caso que deteriorou as relações entre os dois lados a níveis que não se registravam há décadas.

O caso explodiu em 1º de dezembro de 2018, quando Meng, filha do fundador da Huawei, Ren Zhengfei, foi detida pelas autoridades canadenses a pedido dos Estados Unidos, enquanto fazia escala na cidade de Vancouver a caminho do México. O Departamento de Justiça de Washington a acusou de violar as sanções dos EUA ao Irã e exigiu de Ottawa sua extradição.

Pequim ficou furiosa com o que considerou um ataque politizado contra uma de suas empresas protagonistas no setor de tecnologia e líder no campo do 5G. Apenas dois dias depois, em retaliação, os dois canadenses foram presos sob suspeita de espionagem. Kovrig, um ex-diplomata que no momento de sua prisão trabalhava para a ONG especializada em resolução de conflitos Grupo de Crise, estava preso em Pequim. Spavor, empresário especializado em intercâmbio cultural com a Coreia do Norte, foi preso em sua casa em Dandong, na fronteira daquele país com a China.

Spavor foi sentenciado em agosto a 11 anos de prisão por espionar e entregar segredos de Estado a forças estrangeiras. Kovrig havia sido julgado em março, mas ainda aguardava a sentença.

Canadá e Estados Unidos sempre descreveram as prisões dos dois canadenses como “arbitrárias”. Diplomatas chineses sempre declararam, até o último momento, que os casos não tinham relação com a detenção de Meng, mantida em prisão domiciliar em uma de suas mansões em Vancouver. Em 3 de setembro, o Ministério das Relações Exteriores em Pequim insistiu que “o incidente de Meng Wanzhou e os casos de Michael Spavor e Michael Kovrig são de natureza totalmente diferente. Casos isolados de cidadãos canadenses foram espetacularizados e a China foi falsamente acusada de detenção arbitrária“.

O nó górdio foi desfeito quando o Departamento de Justiça dos Estados Unidos chegou a um acordo com Meng, pelo qual a executiva foi libertada em troca de reconhecer publicamente o cometimento de delitos menores. A libertação do CFO e dos dois canadenses representa um ramo de oliveira entre Washington e Pequim. Abre, talvez, a porta para um certo recomeço nas relações entre os dois rivais, após uma deterioração geral dos laços durante os quatro anos do mandato de Donald Trump e que não melhorou após a chegada à Casa Branca de Joe Biden.

O acordo, e seu rápido desfecho, foram anunciados precisamente no dia em que Biden estava realizando uma cúpula na Casa Branca com membros do Quad, a associação de segurança informal formada por Estados Unidos, Japão, Austrália e Índia. E que Pequim percebe como uma aliança para limitar sua influência na região do Indo-Pacífico. Também ocorreu uma semana após o anúncio de um pacto de defesa entre os Estados Unidos, Austrália e Reino Unido que incluirá, entre outras coisas, o fornecimento de submarinos nucleares para Camberra. O acordo, conhecido como Aukus, fortalecerá a influência dos EUA na região da Ásia-Pacífico e recebeu duras críticas da China, que o considera um novo ato hostil.

O pacto entre o Ministério Público dos Estados Unidos e Meng vigorará até dezembro de 2022, sendo que até lá os Estados Unidos poderão reativar o processo judicial, se julgarem necessário. Se até essa data não houver denúncia do acordo, o caso será considerado definitivamente encerrado. Poucas horas depois que as acusações foram retiradas, os juízes canadenses encerraram formalmente o processo de extradição da executiva chinesa.

Apoie a produção de notícias como esta. Assine o EL PAÍS por 30 dias por 1 US$

Clique aqui

Inscreva-se aqui para receber a newsletter diária do EL PAÍS Brasil: reportagens, análises, entrevistas exclusivas e as principais informações do dia no seu e-mail, de segunda a sexta. Inscreva-se também para receber nossa newsletter semanal aos sábados, com os destaques da cobertura na semana.

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS
Logo elpais

Você não pode ler mais textos gratuitos este mês.

Assine para continuar lendo

Aproveite o acesso ilimitado com a sua assinatura

ASSINAR

Já sou assinante

Se quiser acompanhar todas as notícias sem limite, assine o EL PAÍS por 30 dias por 1 US$
Assine agora
Siga-nos em: