China acusa EUA, Reino Unido e Austrália de fomentar “corrida armamentista” com pacto de defesa

Pequim adverte que o acordo, que visa a conter o crescente poderio militar chinês na região do Indo-Pacífico, prejudicará a “paz e estabilidade regionais”

O porta-voz do Ministério das Relações Exteriores da China, Zhao Lijian, em uma foto de arquivo.
O porta-voz do Ministério das Relações Exteriores da China, Zhao Lijian, em uma foto de arquivo.ROMAN PILIPEY (EFE)
Mais informações

A China reagiu com indignação ao anúncio da nova aliança de segurança entre os Estados Unidos, o Reino Unido e a Austrália, que equipará este último país com submarinos nucleares. Na entrevista coletiva diária do Ministério das Relações Exteriores em Pequim, o porta-voz Zhao Lijian garantiu que a iniciativa servirá apenas para estimular uma “corrida armamentista” na Ásia-Pacífico e “prejudicará a paz e a estabilidade regionais”.

O acordo, conhecido como AUKUS, incluirá a Austrália no clube exclusivo dos países com submarinos de propulsão nuclear, tipo que permite viagens muito mais longas sem a necessidade de emergir. Até agora, apenas seis outras nações têm esses navios: Estados Unidos, China, Rússia, Reino Unido, Índia e França. A Austrália será o único membro que não tem seu próprio programa nuclear, seja militar ou civil.

Embora, no anúncio do pacto, nenhum dos líderes signatários tenha mencionado a China pelo nome, a iniciativa nasceu para neutralizar o crescente poder militar de Pequim e servir de dissuasor contra possíveis ataques contra Taiwan e Japão, além de conter sua assertividade no Mar do Sul da China e a região da Ásia-Pacífico. O presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, mencionou na apresentação da associação a necessidade de manter uma região do Indo-Pacífico “livre e aberta” e enfrentar o “ambiente estratégico atual”.

A iniciativa caiu como uma bomba em Pequim. O acordo não veio à tona na conversa telefônica que Biden teve 48 horas antes com o presidente chinês Xi Jinping, realizada para tentar controlar uma relação cada vez mais deteriorada entre as duas grandes potências e evitar que um desacordo desemboque em conflito. O anúncio do pacto também ocorre antes de uma cúpula em Washintgon da associação informal de defesa conhecida como Quad —Índia, Austrália, Japão e Estados Unidos—, que Pequim enxerga como uma tentativa de conter sua influência na região do Indo -Pacífico.

Em sua entrevista coletiva, o porta-voz Zhao —o mais emblemático dos “lobos guerreiros”, a nova geração da diplomacia chinesa mais agressiva e nacionalista em suas declarações públicas— não poupou palavras de condenação. Em sua opinião, o acordo entre os três países “mina fortemente a estabilidade regional e a paz, agrava a corrida armamentista e mina os esforços internacionais contra a proliferação”.

Zhao também acusou os três aliados de “usar as exportações nucleares como uma ferramenta geopolítica. É algo extremamente irresponsável “. Os parceiros do AUKUS “devem abandonar sua mentalidade de Guerra Fria e trabalhar mais duro pela paz e estabilidade, ou eles acabarão se prejudicando.”

O porta-voz chegou a questionar o compromisso de Camberra contra a proliferação nuclear após o acordo, que vai equipar a Austrália com pelo menos oito submarinos nucleares e que implicou na rescisão do contrato com a empresa francesa Naval para a aquisição de uma dezena de submarinos motorizados. “Se a Austrália, como signatária do Tratado de Não-Proliferação Nuclear e do Tratado do Pacífico Sul como Zona Livre de Armas Nucleares, importar esse tipo de tecnologia de submarino nuclear, seus vizinhos e toda a comunidade internacional terão motivos para questionar sua sinceridade para com o hora de cumprir esses pactos“, destacou.

O primeiro-ministro australiano, Scott Morrison, se ofereceu para falar com Xi sobre o novo pacto, mas o porta-voz estrangeiro chinês disse não ter conhecimento desse gesto. Em vez disso, ele acusou Camberra, com quem Pequim já tinha um relacionamento difícil desde que o Governo pediu explicações à China no ano passado sobre a origem da pandemia do coronavírus, de ser o único culpado da deterioração das relações bilaterais. “A Austrália precisa pensar se quer ver a China como parceira ou como uma ameaça”, disse.

Inscreva-se aqui para receber a newsletter diária do EL PAÍS Brasil: reportagens, análises, entrevistas exclusivas e as principais informações do dia no seu e-mail, de segunda a sexta. Inscreva-se também para receber nossa newsletter semanal aos sábados, com os destaques da cobertura na semana.

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Logo elpais

Você não pode ler mais textos gratuitos este mês.

Assine para continuar lendo

Aproveite o acesso ilimitado com a sua assinatura

ASSINAR

Já sou assinante

Se quiser acompanhar todas as notícias sem limite, assine o EL PAÍS por 30 dias por 1 US$
Assine agora
Siga-nos em: