Seleccione Edição
Entra no EL PAÍS
Login Não está cadastrado? Crie sua conta Assine

China inaugura primeira base militar no exterior

Abertura de instalações no Djibuti, no nordeste da África, faz parte da estratégia de Pequim para aumentar seu poderio naval

O Exército Popular de Libertação chinês inaugurou na terça-feira a primeira base naval fora do seu território, no Djibuti, um pequeno país localizado no nordeste da África. As autoridades chinesas descrevem essas instalações como um “centro de logística” que servirá às tropas mobilizadas no continente, mas a iniciativa também reflete a vontade de Pequim de desenvolver uma frota naval capaz de operar em águas profundas e defender os numerosos interesses que o gigante asiático tem longe de casa.

Militares chineses na base de Djibuti nesta terça-feira.
Militares chineses na base de Djibuti nesta terça-feira. QUALITY

Cerca de 300 pessoas participaram da cerimônia de inauguração do complexo, de acordo com meios de comunicação estatais. Pouco se sabe sobre o tamanho ou a quantidade de pessoal destinado à base, situada a mais de 7.000 quilômetros da costa chinesa e cuja construção foi acordada no início de 2016 pelos Governos de ambos os países. Sua finalidade, de acordo com Pequim, é dar apoio logístico aos contingentes chineses que participam de várias missões das Nações Unidas na região, principalmente as tropas que fazem parte dos capacetes azuis no Mali e no Sudão do Sul e às que realizam operações contra a pirataria no golfo de Áden e na costa da Somália. Estados Unidos, França e Japão também têm bases militares nesse pequeno país africano.

Essa instalação permitirá que a China ganhe presença em um enclave estratégico, pois o Djibuti faz fronteira com a Somália, a Etiópia e a Eritreia e fica entre o mar Vermelho e o golfo de Áden, uma das rotas marítimas e de abastecimento de energia mais importantes do planeta e essencial para o comércio chinês. O gigante asiático, além disso, já é o maior parceiro comercial do continente africano e investiu bilhões de dólares em infraestruturas, sendo que uma deles é a linha ferroviária que liga exatamente o Djibuti a Adis Abeba, capital da vizinha Etiópia.

A abertura dessa base está em consonância com a vontade de Pequim de que seu Exército tenha maior protagonismo em escala global. A China afirma que não busca o expansionismo militar e tampouco pretende entrar em corridas armamentistas, mas Pequim endureceu nos últimos anos suas reivindicações territoriais no mar do Sul da China e teve desentendimentos com vários de seus vizinhos. O Exército Popular de Libertação, que comemora 90 anos nesta terça-feira – a inauguração da base no Djibuti foi programada para coincidir com a efeméride –, está passando por um processo de modernização cujo objetivo é reduzir as tropas do Exército terrestre e dar prioridade às melhores tecnologias, à Força Aérea e à Marinha. Neste ano, Pequim apresentou seu primeiro porta-aviões de fabricação totalmente nacional.

“A China não esconde que está em um processo de desenvolvimento de uma Marinha moderna capaz de operar em mares distantes, como as patrulhas antipirataria no golfo de Áden ou em outros lugares, como o mar Báltico. A China carece de experiência em águas profundas, razão pela qual essas implantações no exterior servem para acumular conhecimentos com base nas lições aprendidas”, diz Carl Thayer, professor emérito da Universidade de Nova Gales do Sul, em Sydney (Austrália).

China inaugura primeira base militar no exterior

O presidente chinês, Xi Jinping, disse na terça-feira em um discurso de comemoração do aniversário do Exército que este “deve ser corajoso o suficiente para mudar e inovar”. As Forças Armadas também têm sido alvo da campanha anticorrupção do líder chinês, que substituiu vários altos comandantes desde que chegou ao poder e garantiu o controle sobre o ainda poderosíssimo estamento militar. Nesse sentido, no domingo passado e depois de um desfile militar gigantesco, Xi – que também é o comandante-chefe das forças militares – conclamou o Exército a respeitar “a direção absoluta” do Partido Comunista Chinês.

Na terça-feira, depois de vários dias de homenagens às Forças Armadas e demonstrações de força militar, Xi fez indiretamente uma advertência às formações independentistas de Hong Kong, ao partido no poder em Taiwan e a uma série de países vizinhos com os quais Pequim tem disputas de soberania: “A China ama a paz, mas não permitiremos que nenhum grupo de pessoas, organização ou partido político divida nenhuma parte do território chinês”.

MAIS INFORMAÇÕES