Seleccione Edição
Entra no EL PAÍS
Login Não está cadastrado? Crie sua conta Assine

60.000 pessoas enfrentam Pequim com uma marcha em Hong Kong

"Qualquer tentativa de pôr em perigo a soberania nacional será absolutamente inadmissível”, adverte o presidente chinês na posse da nova mandatária local

Haviam se passado apenas algumas horas desde que o presidente chinês, Xi Jinping, advertira, taxativamente, que qualquer veleidade rebelde no território autônomo de Hong Kong seria “absolutamente intolerável” para Pequim. Em um firme desafio a suas palavras, cerca de 60.000 pessoas, segundo os organizadores, se lançaram às ruas pelo centro da cidade para participar da manifestação anual do 1 de julho, o aniversário da volta da ex-colônia à soberania chinesa, concretizada há 20 anos, e reivindicar mais democracia e a libertação do dissidente Liu Xiaobo, o Prêmio Nobel da Paz, condenado a onze anos de prisão e hospitalizado esta semana fora do presídio porque está doente terminal de câncer.

Milhares de pessoas saem em passeata em favor da democracia em Hong Kong.
Milhares de pessoas saem em passeata em favor da democracia em Hong Kong. AP

“Promessas falsas e uma morte lenta, 20 anos de devolução”, lia-se em um cartaz. “Primeiro assassinam Liu Xiaobo, depois matarão Hong Kong”, rezava outro. “Um País, Dois sistemas, Que Mentira!”, denunciava um outro. Mais adiante, um casal distribuía adesivos pedindo a volta de Hong Kong à soberania britânica. Os jovens do partido pró-democracia Demosisto instavam à resistência contra as pressões da China. Mais à frente, um grupo da Falun Gong, a seita religiosa proibida na China, tocava a Maselhesa. Bandeiras taiwanesas, do movimento LGBT, guarda-chuvas amarelos símbolo do movimento estudantil que paralisou o centro de Hong Kong em 2014. Todos tinham uma causa comum: expressar seu descontentamento contra Pequim e o Governo autônomo de Hong Kong.

Neste ano, a visita de Xi Jinping para comemorar o 20º aniversário da devolução foi uma das grandes motivações para que as pessoas saíssem às ruas. A China, dizem, tenta limitar cada vez mais as liberdades incluídas no princípio “um país, dois sistemas”, pelo qual Pequim se compromete a respeitar “pelo menos” até 2047 privilégios como a separação de poderes e a liberdade de imprensa no enclave. Temem que Hong Kong acabe sendo engolida pela gigantesca “mãe pátria” e se transforme em uma cidade chinesa a mais. E, contra isso, reivindicam o direito de poder votar em seus representantes e que o Governo autônomo decida por si mesmo.

“Não queremos ser parte da China. Passamos de colônia britânica a uma colônia de Pequim, e Pequim está fazendo o que pode para cortar nossas liberdades. Há coisas que se sente: a autocensura nos meios de comunicação, por exemplo. Ou o sequestro dos livreiros (que vendiam obras proibidas na China) no ano passado. Queremos ser um enclave autônomo”, explica Alex Man, um engenheiro de software, de 30 anos.

Eram muitos os retratos e as frases em favor da liberdade de Liu Xiaobo. O anúncio da doença do Prêmio Nobel, diagnosticada tarde demais na prisão, abalou muitos, que veem no destino do dissidente paralelismos inquietantes com o que poderá ocorrer a Hong Kong.

“Liu Xiaobo é uma pessoa que disse a verdade, que falou segundo sua consciência. Vemos como a China trata quem diz a verdade. E assim tratará Hong Kong”, declarava Steve, um especialista em tecnologia, de 35 anos, que, contundente, proclamava que “Hong Kong também está morrendo”.

Mas em outros casos o tom era de resignação. “Temos que elevar a voz, mas não podemos fazer muito. A esperança é muito pequena. Ainda assim, espero que cada vez mais gente pense no futuro da cidade”, se lamentava Kara Losinying, de 30 anos e funcionária de uma ONG.

Leung Chun-yin, o mandatário anterior da cidade, foi novamente motivo de críticas de seus concidadãos. Sua foto impressa sobre um grande fundo branco era o alvo para que os participantes colassem em sua cara emoticons de caveiras ou o típico “cocô” do WhatsApp, mas, se não ficassem satisfeitos com isso, ainda podiam dar socos em um boneco de ar com sua imagem e assim descarregar sua ira.

A nova chefa do Governo autônomo de Hong Kong, Carrie Lam, é empossada diante do presidente chinês, Xi Jinping, neste sábado. ampliar foto
A nova chefa do Governo autônomo de Hong Kong, Carrie Lam, é empossada diante do presidente chinês, Xi Jinping, neste sábado. Getty Images

O protesto da tarde deste sábado era o último ato de desafio que os moradores de Hong Kong tentavam em torno da visita de três dias de Xi Jinping para comemorar o aniversário. Durante a estadia do presidente chinês proliferaram os episódios de violência, completos ou bloqueados. Vários ativistas foram detidos em duas ocasiões.

Embora Xi nunca tenha chegado a ter diante de si os ativistas que tentaram atrair sua atenção, não deixou de lhes enviar uma mensagem no último dia. A eles e a todos aqueles que queiram resistir à autoridade do Governo chinês.

“Qualquer desafio que tente pôr em perigo a soberania nacional, desafiar a autoridade do Governo central e a Lei Básica de Hong Kong cruzará a linha e será absolutamente inadmissível”, declarou Xi em seu discurso na posse da nova chefa do Governo autônomo, Carrie Lam. “A soberania nacional está acima de qualquer negociação.”

A própria cerimônia de posse deste sábado reiterava essa mensagem. Foi realizada integralmente em mandarim, o idioma oficial da China, sem espaço para o cantonês, a língua falada em Hong Kong. Presidiam o evento as duas bandeiras, a da República Popular e a do território autônomo; mas a vermelha das cinco estrelas amarelas tinha um tamanho maior que a vermelha da flor branca.

Xi insistiu em que o Governo autônomo tem a obrigação de proteger melhor “a segurança nacional” –na linguagem do Governo chinês, “evitar qualquer dissidência que ponha em dúvida o controle do regime”– e adotar um sistema educacional que enfatize o patriotismo e a “história nacional”.

É algo que encaminha Lam para um possível choque com seus cidadãos: seu antecessor já tentara pôr em marcha uma nova lei de segurança nacional e um currículo educacional que enfatizasse os “valores nacionais”. A pressão popular o obrigou a descartar ambos.

MAIS INFORMAÇÕES