Biden, na Assembleia Geral da ONU: “Não estamos procurando uma nova Guerra Fria”

Além do recado político, presidente promete duplicar a ajuda econômica dos EUA aos países menos desenvolvidos no combate às mudanças climáticas

O presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, em um encontro durante a Assembleia Geral da ONU, nesta terça-feira, em Nova York.
O presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, em um encontro durante a Assembleia Geral da ONU, nesta terça-feira, em Nova York.Evan Vucci (AP)
Mais informações

Joe Biden submeteu nesta terça-feira sua agenda de política externa ao escrutínio da Assembleia Geral da ONU, em um momento em que a diplomacia norte-americana é questionada pelas crises do Afeganistão e dos submarinos nucleares. Com uma decidida aposta no multilateralismo, o presidente dos EUA defendeu a cooperação internacional para enfrentar ameaças globais como a mudança climática e a pandemia de covid-19, temas que foram destaques de abertura da sua mensagem. No entanto, o Democrata também abordou uma ampla gama de assuntos internacionais: do seu apoio à solução dos dois Estados para o conflito israelense-palestino à luta contra a fome no mundo. Apenas sete meses depois de chegar à Casa Branca, Biden fez de seu discurso uma declaração cheia de intenções que não estão isentas nem de respostas e de críticas por parte de seus aliados, ainda irritados com a debandada no Afeganistão e com o pacto feito com Reino Unido e Austrália para fazer frente à China no Pacífico. Mesmo assim, Biden buscou soar esperançoso, descartando a existência ou até o risco de uma ‘nova Guerra Fria’ entre o Ocidente e Pequim.

A mensagem mais potente, antecipada na véspera pela Casa Branca, foi justamente dirigida à China, embora sem citar a potência asiática diretamente. “Não estamos procurando uma nova Guerra Fria, nem um mundo dividido em blocos rígidos. Mesmo assim, os EUA farão frente a qualquer tentativa por parte de países poderosos de dominar os que são mais fracos”, disse. A única referência explícita a Pequim foi de passagem: “Devemos denunciar abusos como os de Xinjiang e da Etiópia”. O regime chinês está na mira da comunidade internacional pela repressão à etnia uigur, a maioria muçulmana na região. Quanto ao segundo caso mencionado, a administração de Biden adotou, na segunda-feira, novas sanções pelo conflito em curso na região etíope de Tigray.

A Casa Branca foi categórica ao rejeitar a hipótese de uma reedição do conflito entre blocos que definiu parte do século XX, um temor apontado neste fim de semana pelo secretário-geral da ONU, António Guterres. Mas a dissonância entre Washington e o chefe da diplomacia global parece persistir, a julgar pelas declarações do português nesta terça-feira: “O mundo nunca esteve tão ameaçado nem tão dividido (…). Temo que estejamos deslizando para dois conjuntos diferentes de fatores econômicos, normas comerciais, financeiras e tecnológicas, dois enfoques divergentes para o desenvolvimento da inteligência artificial e, em última instância, duas estratégias militares e geopolíticas. Uma receita para um conflito muito menos previsível que a Guerra Fria [do século XX]”, concluiu Guterres em seu discurso de abertura da 76ª Assembleia Geral.

Apoie a produção de notícias como esta. Assine o EL PAÍS por 30 dias por 1 US$

Clique aqui

Mais otimista que o português, ou pelo menos mais confiante, o tom dominante do discurso de Biden foi uma ode ao multilateralismo enquanto solução para evitar esses insondáveis perigos. “Os EUA vão recorrer a instituições multilaterais para administrar desafios como os da região do Indopacífico [em alusão ao pacto de segurança estratégica contra China], e não usará a força exceto como último recurso”, disse no início do seu discurso. Do mesmo modo, só empreenderemos ações militares no exterior que forem “claras e viáveis”, uma alusão à guerra perdida no Afeganistão após 20 anos de intervenção e elevados investimentos. Os Estados Unidos não são hoje o mesmo país que em 2001, acrescentou, quando os atentados da Al Qaeda desencadearam a intervenção no país centro-asiático, e está “muito mais bem preparado” para responder à “ameaça terrorista global”. “O terrorismo é real e nos golpeia em todas partes”, alertou, ao mesmo tempo em que fazia um pedido ao novo regime do Talibã para que respeite os direitos humanos e defenda os direitos das meninas e mulheres afegãs, em nome da sua “contribuição à sociedade em todos os níveis”. Uma flagrante ingenuidade, à vista da composição do novo Governo afegão, finalizada nesta terça-feira: nem uma só mulher presente.

Além de prometer 10 bilhões de dólares para lutar contra a fome “nos EUA e no mundo”, o Democrata disse que a população mundial precisa de novos mecanismos para garantir e financiar a segurança sanitária global em meio à pandemia e, por isso, Washington anunciará novos compromissos para avançar na luta contra a covid-19. Também trabalhará com o Congresso para duplicar a ajuda destinada à mitigação da mudança climática nos países menos desenvolvidos. “Os EUA liderarão esta reação [contra a covid-19 e a mudança climática], mas não o farão sozinhos”, afirmou. Paralelamente à grande semana de discursos no plenário da ONU ocorre um fórum, promovido pelo primeiro-ministro britânico, Boris Johnson, para preparar a próxima reunião climática global, a COP26, em Glasgow. Para o governo Biden, o desafio da mudança climática é um eixo fundamental de sua agenda doméstica.

O único anúncio concreto do seu discurso foi justamente sobre o financiamento da luta global contra a mudança climática —um “motivo de orgulho”, como definiu Biden— que implica duplicar a quantia oferecida em abril (5,6 bilhões de dólares por ano), ainda assim um montante insuficiente segundo as organizações ambientalistas. Com a promessa do Biden desta terça-feira, os EUA passariam a destinar até 11,2 bilhões de dólares por ano à causa ambiental.

Assim como o terrorismo, uma ameaça onipresente e global, “o mundo democrático está em todas as partes”, disse também Biden em homenagem aos ativistas pró-democracia de Cuba e Venezuela. “Talvez os autoritários do mundo queiram proclamar o final da era da democracia”, advertiu, em referência à repressão dos citados regimes; segundo o presidente, a democracia é mais forte. O presidente abordou em seu discurso quase todos os capítulos da agenda internacional, mas entre todos eles —como a desnuclearização da península da Coreia e o pacto nuclear com o Irã— destacou, em tentativa de agradar a plateia, a questão palestina. O democrata insistiu que a “solução de dois Estados” para o conflito entre israelenses e árabes é “a melhor opção” para assegurar a paz e a estabilidade no Oriente Médio, embora tenha admitido que ainda “estamos muito longe desse objetivo neste momento, mas nunca devemos nos permitir abandonar a possibilidade de que haja progressos”. O mandatário democrata reafirmou o compromisso de sua Administração com a segurança e a estabilidade de Israel.

Inscreva-se aqui para receber a newsletter diária do EL PAÍS Brasil: reportagens, análises, entrevistas exclusivas e as principais informações do dia no seu e-mail, de segunda a sexta. Inscreva-se também para receber nossa newsletter semanal aos sábados, com os destaques da cobertura na semana.

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Logo elpais

Você não pode ler mais textos gratuitos este mês.

Assine para continuar lendo

Aproveite o acesso ilimitado com a sua assinatura

ASSINAR

Já sou assinante

Se quiser acompanhar todas as notícias sem limite, assine o EL PAÍS por 30 dias por 1 US$
Assine agora
Siga-nos em: