Joe Biden chama a evacuação do Afeganistão de “sucesso extraordinário”

O presidente dos Estados Unidos defende saída como a única opção possível e avisa aos terroristas do Estado Islâmico que ainda não acabou com eles

O presidente Joe Biden cumprimenta militares no domingo na base de Dover (Delaware).
O presidente Joe Biden cumprimenta militares no domingo na base de Dover (Delaware).SAUL LOEB (AFP)
Mais informações

Sem cerimônia alguma, nem mesmo o hasteamento da bandeira ou a formação regulamentar para se despedir do último comando de uma missão que durou 20 anos. A saída dos últimos militares norte-americanos do Afeganistão na segunda-feira foi um momento histórico silencioso que mal amenizou o caos e a violência que cercaram a retirada. O toque de clarim usual do quartel foi substituído por mensagens de Washington, onde o presidente Joe Biden e o secretário de Estado Antony Blinken confirmaram a retirada minutos após o Pentágono.

O presidente prometeu explicar à nação por que não estendeu a missão militar no Afeganistão. E assim o fez nesta terça-feira, com um discurso que sela formalmente uma intervenção com 2.400 soldados mortos —os últimos 13, na quinta-feira em um atentado suicida— e mais de dois bilhões de dólares de investimento. Biden qualificou a evacuação de mais de 124.000 pessoas como “um sucesso extraordinário”, embora tenha indicado que restam de 100 a 200 americanos no país, que seu Governo ainda está determinado a remover. “Noventa por cento dos americanos que queriam ir embora puderam fazê-lo; [agora] não há prazo para sair“, destacou. Ele também chamou a evacuação de uma “missão de misericórdia e não de guerra”, em favor de milhares de afegãos vulneráveis e “em meio a uma situação cheia de riscos”.

Mas, principalmente, destacou por que terminou a guerra. “Havia apenas uma opção, sair do país ou uma escalada militar (...) A decisão de se retirar foi o resultado da recomendação unânime dos altos comandantes militares e altos funcionários do Governo, bem como dos comandantes em campo”, enfatizou Biden. “Deixar o Afeganistão foi a melhor decisão possível para os Estados Unidos.”

“Não acredito que a segurança e as salvaguardas dos Estados Unidos seriam reforçadas pela presença contínua de nossas tropas. Os EUA conseguiram fazer no Afeganistão o que pretendíamos fazer [neutralizar a Al Qaeda e Osama Bin Laden]. A decisão sobre o Afeganistão também significa o fim de uma era de grandes operações militares para reconstruir outros países... Recuso-me a continuar uma guerra que não contribui para o interesse geral dos americanos“, disse, ao emitir um claro alerta aos grupo terrorista Estado Islâmico (ISIS-K, na sigla em inglês), autor do atentado de quinta-feira: “Ainda não acabamos com vocês”. “Minha decisão é garantir que o Afeganistão não seja usado novamente como plataforma para lançar um ataque contra os Estados Unidos”, concluiu.

Do militar à diplomacia, a administração de Joe Biden deu uma guinada em sua política no Afeganistão na segunda-feira, com um claro compromisso com os canais diplomáticos para evacuar os remanescentes cidadãos norte-americanos, afegãos e de outros países —incluindo algumas centenas de britânicos— após a tomada final do controle do país pelo Talibã. A transferência da embaixada de Cabul para Doha, anunciada poucos minutos após a decolagem do último avião, é apenas o símbolo desta nova fase, marcada pela desconfiança em relação aos novos governantes afegãos.

Em duas mensagens divulgadas logo após o Pentágono ter confirmado a saída dos últimos C-17 de Cabul, com o mais alto comando militar e o embaixador a bordo, Biden e Blinken destacaram a necessária colaboração dos talibãs e seu compromisso de permitir a saída do país para aqueles que quiserem fazer isso de agora em diante. “Pedi ao secretário de Estado uma coordenação contínua com nossos parceiros internacionais para garantir a partida segura de americanos, parceiros afegãos e estrangeiros que desejam deixar o Afeganistão”, disse Biden em um comunicado na segunda-feira.

Em relação aos retardatários, assegurou, “os talibãs deram a sua palavra de que permitirão uma saída segura e que a comunidade internacional providenciará para que cumpram o que prometeram”, sublinhou; “Isso inclui a reabertura do aeroporto para permitir a saída, bem como para a chegada de ajuda humanitária”. O Talibã estuda com Catar e Turquia, prontos para dar suporte técnico, a retomada antecipada dos voos. Blinken discorreu sobre o compromisso do Talibã. “Eles terão que conquistar a legitimidade e o apoio da comunidade internacional”, declarou. Com a continuação da ajuda internacional pendente de um tópico, os Estados Unidos recomendaram nesta terça-feira aos seus cidadãos que não viajem ao país da Ásia Central, emitindo um alerta de nível 4.

Se o Talibã cumprir seus compromissos, Washington não descarta a possibilidade de conceder ajuda de longo prazo, embora por enquanto continue prestando assistência humanitária à população por meio de organizações internacionais e ONGs. Mas tudo o que envolve a interlocução e o contato com os barbudos é cercado de condicionais. Jake Sullivan, o conselheiro de segurança nacional da Casa Branca, condicionou essa possível ajuda ao comportamento correto do novo regime de Cabul, como Biden e Blinken haviam feito na véspera.

“Depende do cumprimento de seus compromissos: seus compromissos de uma saída segura para os aliados americanos e afegãos, seus compromissos de não permitir que o Afeganistão se torne uma base a partir da qual terroristas possam atacar os Estados Unidos ou qualquer outro país, seus compromissos em relação à observância de suas obrigações internacionais“, disse Sullivan à ABC News na terça-feira.

Assim, impõe-se um compasso de espera, o tradicional wait and see (esperar para ver), que em ocasiões menos turbulentas tem sido o fio condutor da política externa de muitos países diante de conflitos imprevistos. Agora o será pela primeira vez de uma relação desigual: uma superpotência forçada a esperar, quase como um ato de fé, que um grupo insurgente faça a coisa certa.

Inscreva-se aqui para receber a newsletter diária do EL PAÍS Brasil: reportagens, análises, entrevistas exclusivas e as principais informações do dia no seu e-mail, de segunda a sexta. Inscreva-se também para receber nossa newsletter semanal aos sábados, com os destaques da cobertura na semana.

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Logo elpais

Você não pode ler mais textos gratuitos este mês.

Assine para continuar lendo

Aproveite o acesso ilimitado com a sua assinatura

ASSINAR

Já sou assinante

Se quiser acompanhar todas as notícias sem limite, assine o EL PAÍS por 30 dias por 1 US$
Assine agora
Siga-nos em: