Incêndios destroem povoados no oeste dos EUA

Pelo menos seis pessoas morreram no Oregon e na Califórnia, enquanto o céu de San Francisco se tinge de um vermelho intenso por causa das chamas nos arredores

O céu vermelho de San Francisco, na quarta.
O céu vermelho de San Francisco, na quarta.HAROLD POSTIC (AFP)
Mais informações

Uma temporada de incêndios sem precedentes no Oregon (oeste dos EUA) destruiu cinco povoados do sul desse Estado. A governadora Kate Brown disse nesta quarta-feira que teme haver muitos mortos. “Esta poderia ser a maior perda de vidas e propriedades por causa do fogo em nossa história”, disse Brown, enquanto as equipes de emergência continuam fazendo resgates e as famílias começam a informar sobre seus desaparecidos.

Os incêndios abrangem todo o Estado, de norte a sul. Segundo Brown, as localidades que mais sofreram e estão praticamente destruídas são Detroit (no norte, próxima a Portland), Blue River, Vida, Phoenix e Talent. O prefeito de Phoenix (não confundir com a capital do Arizona) disse ao The New York Times que cerca de 1.000 casas foram destruídas.

Uma combinação de altas temperaturas prolongadas e ventos fortes transformou esse Estado da Costa Oeste no epicentro dos incêndios deste verão. A governadora Brown alertou que milhares de pessoas podem ser retiradas de suas casas nas próximas horas, já que o vento não cessa e “continua empurrando o fogo para os povoados”. Até o momento foram confirmadas três mortes nos quase 130.000 hectares que estão ardendo simultaneamente no Oregon. Brown pediu à população de todo o Estado que se mantenha “em alerta”, pois o perigo vai se prolongar por toda a semana.

O Governo estadual pediu à Casa Branca que declare emergência nacional, o que permitiria mobilizar recursos federais nas operações contra o fogo. Os recursos do Oregon, segundo Brown, estão ao limite. Até a noite de quarta ainda não havia resposta do Governo Donald Trump.

Enquanto isso, a Califórnia mandou fechar seus 18 espaços naturais nacionais protegidos, devido às condições extraordinárias de secura, calor e vento que estão alimentando mais de duas dúzias de incêndios em todo o Estado e que já bateram o recorde histórico de hectares queimados. A cifra supera um milhão de hectares, 20 vezes mais do que queimou no ano passado, quando a luta contra o fogo foi relativamente bem-sucedida.

Bombeiros trabalham no incêndio florestal de Oroville, na Califórnia.
Bombeiros trabalham no incêndio florestal de Oroville, na Califórnia. JOSH EDELSON (AFP)

Em Sierra Nevada, a nordeste de Fresno, continua queimando descontroladamente o chamado Creek Fire, que já consumiu 66.000 hectares de uma área muito arborizada. Calcula-se que 360 moradias tenham sido queimadas, e mais de 5.000 outras estejam ameaçadas. As estradas estão interrompidas em muitos pontos numa grande área ao redor de Fresno, e os moradores de muitas casas receberam ordens de desocupá-las. A Guarda Nacional precisou fazer vários resgates em helicóptero de grupos de dezenas de pessoas retidas pelo fogo quando passavam o fim de semana do Dia do Trabalho na área. Na noite de segunda para terça-feira foram feitas até oito missões de resgate.

Na quarta-feira, a maior preocupação das autoridades era um novo incêndio surgido no dia anterior ao redor de Oroville, a nordeste de Sacramento. A agência de combate a incêndios estima que cerca de 100.000 hectares queimaram a toda velocidade e que o fogo ameaça as localidades de Paradise e Concow, que foram arrasadas no incêndio de 2018 e onde se registrou o maior número de mortos (85) num incêndio na Califórnia. Na noite da quarta-feira, o xerife do condado, Kory Honea, que já teve que lutar com aquela tragédia, confirmou que foram encontrados três cadáveres relacionados com o incêndio em dois lugares.

Outro incêndio que ameaça populações é o da Floresta Nacional de Los Angeles, a nordeste da cidade, e na terça-feira à noite toda a população dos arredores foi alertada para se preparar para o caso de precisarem deixar suas casas às pressas. Entretanto, o vento deu uma trégua durante a noite e o fogo avançou pouco na quarta.

Os 28 focos ativos na Califórnia deixaram 64.000 pessoas desabrigadas em algum momento, disse um porta-voz do CalFire ao Los Angeles Times. Nesta quarta-feira, o céu da baía de San Francisco contribuiu à sensação de apocalipse ao amanhecer com uma cor vermelha intensa, como registrado em fotos compartilhadas abundantemente nas redes sociais. Na terça-feira, o governador da Califórnia recordou que a situação dos incêndios no seu Estado piora a cada ano devido ao endurecimento das condições climáticas na última década. “Não tenho nenhuma paciência para os negacionistas da mudança climática”, afirmou Gavin Newsom.

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS
Logo elpais

Você não pode ler mais textos gratuitos este mês.

Assine para continuar lendo

Aproveite o acesso ilimitado com a sua assinatura

ASSINAR

Já sou assinante

Se quiser acompanhar todas as notícias sem limite, assine o EL PAÍS por 30 dias por 1 US$
Assine agora
Siga-nos em: