Pandemia de coronavírus

EUA acusam ‘hackers’ chineses de tentarem roubar informações sobre o coronavírus

Embaixada da China em Washington qualifica de “mentirosas” as suspeitas apresentadas por órgãos oficiais

Agente realiza teste de coronavírus em Wuhan, na China, primeiro foco da doença.
Agente realiza teste de coronavírus em Wuhan, na China, primeiro foco da doença.HECTOR RETAMAL / AFP

O FBI e a Agência de Segurança de Infraestruturas e Segurança Cibernética (CISA, na sigla em inglês) dos Estados Unidos emitiram nesta quarta-feira um alerta acusando hackers chineses de tentarem roubar dados de propriedade intelectual e de saúde pública relativos a vacinas, tratamentos e testes para o combate ao coronavírus. “O possível roubo desta informação põe em risco a descoberta de opções de tratamento seguras, efetivas e eficientes”, afirma o comunicado conjunto enviado pelas agências, que não revela a identidade dos hackers nem como se chegou a essa conclusão. A Embaixada da China em Washington condenou as acusações e as qualificou de “mentirosas”.

Em um novo ingrediente para a escalada de tensões entre os Estados Unidos e a China com relação à pandemia, o FBI e a CISA advertiram aos cientistas e funcionários de saúde pública dos EUA que estejam atentos a violações cibernéticas, depois de terem identificado ataques digitais provenientes do gigante asiático. Funcionários citados pelo The Wall Street Journal acreditam que o Governo de Donald Trump poderia ver a suposta ação ilícita como um ataque direto à saúde pública dos EUA. Pelo menos desde 2 de janeiro, hackers chineses estariam mirando universidades, companhias farmacêuticas e outras empresas de atendimento médica que trabalham para encontrar uma vacina contra a pandemia, acrescentaram essas fontes.

“O FBI emitiu uma advertência baseada na presunção de culpabilidade e sem nenhuma evidência”, criticou a Embaixada chinesa em Washington, em uma nota citada pela imprensa local. O texto acrescentava que a suspeita levantada “solapa a cooperação internacional em andamento contra a pandemia”. O alerta indicou que nos próximos dias as agências poderão divulgar novas informações técnicas sobre as operações de pirataria.

Há menos de duas semanas, o Governo norte-americano publicou um relatório acusando o regime comandado por Xi Jinping de ter “ocultado intencionalmente a gravidade” da pandemia, que surgiu na cidade chinesa de Wuhan, enquanto reforçava suas provisões de material sanitário. “Minha opinião é que cometeram um erro, tentaram acobertá-lo, é como um incêndio”, afirmou Trump numa entrevista recente ao canal Fox.

Embora a origem do novo coronavírus não esteja esclarecida, o secretário de Estado dos EUA, Mike Pompeo, disse haver “enormes indícios” de que a covid-19 saiu de um laboratório de Wuhan. Conhecer a origem da doença é “verdadeiramente importante”, afirmou nesta terça-feira a Organização Mundial da Saúde, que mantém negociação com Pequim sobre a possibilidade de enviar uma nova missão a Wuhan, depois da que mandou em fevereiro, para tentar descobrir onde e como se originou a pandemia que já causou quase 300.000 mortes no mundo.

Informações sobre o coronavírus:

- Clique para seguir a cobertura em tempo real, minuto a minuto, da crise da covid-19;

- O mapa do coronavírus no Brasil e no mundo: assim crescem os casos dia a dia, país por país;

- O que fazer para se proteger? Perguntas e respostas sobre o coronavírus;

- Guia para viver com uma pessoa infectada pelo coronavírus;

- Clique para assinar a newsletter e seguir a cobertura diária.

Mais informações

O mais visto em ...

Top 50