_
_
_
_

Coronavírus ameaça elevar em até 22 milhões as pessoas em pobreza extrema na América Latina

Pandemia faz a região se afastar ainda mais da meta de erradicar problema. No horizonte mais pessimista, 11,9% da população estará nessa situação em 2030

Sem-teto espera em fila de abrigo na Cidade da Guatemala.
Sem-teto espera em fila de abrigo na Cidade da Guatemala.Moises Castillo (AP)
Ignacio Fariza

Do baixo crescimento à recessão sem solução de continuidade. O coronavírus transformou o sombrio horizonte econômico da América Latina no pior em mais de meio século, como lembra ao EL PAÍS o chefe do Fundo Monetário Internacional (FMI) para a região, Alejandro Werner. O braço econômico das Nações Unidas para o desenvolvimento da América Latina e do Caribe, a Cepal, somou-se na sexta-feira ao pessimismo sobre a freada da atividade em escala global e sobre o baque que isso provocará em uma região sempre exposta aos vaivéns das matérias-primas, da manufatura, do turismo e das remessas. O choque será particularmente forte em uma métrica-chave do desenvolvimento social: a pobreza extrema. Segundo os dados do organismo, se o avanço da pandemia provocar uma queda de 5% na renda média da população ativa, o número de latino-americanos em extrema pobreza passará dos 67,5 milhões atuais para 82 milhões. Se a diminuição da renda da população economicamente ativa for de 10%, o número disparará para 90 milhões de pessoas (ou seja, 22 milhões de pessoas a mais em relação ao número atual).

Mais informações
People walk at Recreio dos Bandeirantes beach, amid the coronavirus disease (COVID-19) outbreak, in Rio de Janeiro, Brazil April 4, 2020. REUTERS/Sergio Moraes
AO VIVO | As últimas notícias sobre o coronavírus
El director del Departamento del Hemisferio Occidental del FMI, Alejandro Werner, durante la entrevista con EL PAÍS.
Alejandro Werner, do FMI: “A América Latina enfrenta a recessão mais profunda em mais de meio século
El Consejo de Derechos Humanos de la ONU en la apertura de su reunión anual en Ginebra, el 24 de febrero pasado, bajo la cúpula pintada por Miquel Barceló
Crises globais exigem soluções globais: é hora de criar uma Constituição mundial?

Mesmo antes da chegada da Covid-19, a região não estava num bom caminho para acabar com o flagelo da pobreza extrema em uma década, como propunha um plano da ONU. Depois de uma longa década de melhoria, a taxa de população em situação de pobreza extrema na América Latina —a região mais desigual do mundo— já acumula mais de cinco anos de aumento sobre bases já muito altas: depois do mínimo de 2012 (8,2%), essa porcentagem cresceu até chegar aos dois dígitos. O baixo crescimento e a menor pujança redistributiva de muitos Governos da região já vinham sendo sentidos nos últimos tempos nesse indicador-chave do avanço social, mas a pandemia é o pior golpe: sem o efeito da Covid-19, esse indicador alcançaria 10,7% no final deste ano; com o coronavírus já no mapa de risco, disparará para 13,3%.

Para 2030, antes do novo cenário, os cálculos mais otimistas (que contemplavam uma redução de 1,5% na desigualdade e um aumento de 5% no PIB per capita) apontavam para uma pobreza extrema em torno de 2,9% em 2030; os mais pessimistas (sem alteração no padrão distributivo e com um crescimento per capita de 1%), para quase 9%. Mas o abalo causado pelo vírus nas próprias bases da economia é, mais uma vez, a pior estocada: hoje o cálculo mais otimista aponta para uma pobreza extrema de 5,7% da população em 2030 e o mais pessimista, de 11,9%.

“O mundo enfrenta uma crise sanitária e humanitária sem precedentes no último século”, ressaltou na sexta-feira a secretária executiva da Cepal, Alicia Bárcena, na apresentação de um estudo sobre as sequelas econômicas e sociais do vírus na região. “O mundo não será o mesmo depois desta pandemia e a reativação econômica levará tempo. Não é uma crise financeira, mas de saúde e bem-estar. E será imprescindível o papel do Estado, não o do mercado: é o Estado, o público, que vai nos tirar desta crise. Não podemos voltar a transitar pelos mesmos caminhos que não trouxeram a estes grandes abismos”, disse Bárcena em Santiago. “Estamos diante de uma mudança de era, de paradigma. E temos de mudar nosso modelo de desenvolvimento.”

No plano macroeconômico, a Cepal prevê um golpe múltiplo para a América Latina, basicamente através de seis canais: diminuição da atividade econômica em seus principais parceiros (Estados Unidos, Europa e China), barateamento das matérias-primas, interrupção das cadeias globais de valor, menor atividade turística, redução das remessas e intensificação da aversão ao risco nos mercados mundiais. “Estamos diante de uma profunda recessão”, alertou. Ainda é cedo para falar em números, mas a Cepal acredita que a previsão inicial de impacto, de 1,8% do PIB, já ficou obsoleta. “Se somarmos o impacto que está tendo nos EUA e na Europa, além da China, já falamos de 3% ou 4%.” Embora a mordida econômica das medidas de distanciamento social vá ser forte, Bárcena fez um apelo para que sejam mantidas ou ampliadas essas medidas: “Se não cumprirmos as quarentenas na América Latina e no Caribe, o impacto econômico será muito maior”, sentenciou.

Como resposta a este novo panorama econômico, “a integração regional é crucial para enfrentar a crise, independentemente das diferenças políticas”, afirmou a chefa da Cepal. “O mais urgente é reconstituir as cadeias regionais de valor para diminuir a volatilidade externa. É, talvez, uma oportunidade de olharmos para dentro.” Desta vez, “o salva-vidas não serão as matérias-primas: o impulso virá dos pacotes fiscais”, assinalou. E a América Latina “não tem espaço suficiente" para responder à conjuntura com o mesmo vigor que as economias avançadas. Diante dessa situação, segundo Bárcena, a opção mais conveniente seria a comunidade internacional apoiar os países de renda média por meio de “uma redução ou um reperfilamento” de sua dívida. “Precisamos de medidas de fora da caixa, inovadoras: precisamos que o FMI e o Banco Mundial nos ajudem.”

No plano estritamente sanitário, Bárcena lembrou que o nível de leitos hospitalares disponíveis na América Latina e no Caribe está muito longe do da Europa, onde o coronavírus está causando estragos e mostrando que nenhum sistema de saúde é suficientemente forte para resistir a um choque desta magnitude. Na região, os únicos países que têm um nível de disponibilidade de leitos semelhante ao da União Europeia são, segundo os dados da Cepal, Cuba e duas pequenas nações caribenhas: Barbados e São Cristóvão e Névis. E o gasto público médio de saúde na América Latina e no Caribe mal passa de 2,2%, um terço do recomendado pela Organização Pan-Americana da Saúde (Opas).

Informações sobre o coronavírus:

- Clique para seguir a cobertura em tempo real, minuto a minuto, da crise da Covid-19;

- O mapa do coronavírus no Brasil e no mundo: assim crescem os casos dia a dia, país por país;

- O que fazer para se proteger? Perguntas e respostas sobre o coronavírus;

- Guia para viver com uma pessoa infectada pelo coronavírus;

- Clique para assinar a newsletter e seguir a cobertura diária.

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS
_
_