Bolsonaro mente na TV sobre vacina enquanto capitais como Curitiba já vivem colapso da terceira onda

Presidente celebra Copa América no Brasil, volta a atacar isolamento social e ignora lentidão da imunização e a nova onda de contágios. Capital do Paraná voltou à fase vermelha e já tem UTIs com mais de 100% de leitos ocupados

Mulher grita "Fora, Bolsonaro" enquanto presidente brasileiro discursa na TV.
Mulher grita "Fora, Bolsonaro" enquanto presidente brasileiro discursa na TV.Joédson Alves (EFE)

Aviso aos leitores: o EL PAÍS mantém abertas as informações essenciais sobre o coronavírus durante a crise. Se você quer apoiar nosso jornalismo, clique aqui para assinar.

O presidente Jair Bolsonaro foi à TV nesta quarta-feira comemorar o marco da distribuição de 100 milhões de doses de vacina contra a covid-19 no país. Além de omitir que seu Governo passou boa parte de 2020 ignorando ofertas de dois fabricantes de imunizantes, o presidente mentiu mais uma vez ao dizer que o país é o quarto do mundo que mais vacina, já que não considerou um aspecto: a porcentagem da população já vacinada, crucial para a imunização coletiva. Nesta contabilidade, o Brasil está atrás de pelo menos 77 países, segundo dados compilados pela Universidade de Oxford. Há apenas cerca de 10% dos brasileiros imunizados completamente (duas doses). Este cenário aliado ao fim da maioria das medidas de restrição de circulação ―o presidente fez questão de atacar o isolamento social no pronunciamento― mostram que a provável e bem-vinda aceleração da vacinação em junho, após uma série de atrasos, deve ser acompanhada por uma severa terceira onda de contágios da doença.

Mais informações

“O nosso Governo não obrigou ninguém a ficar em casa, não fechou o comércio, não fechou igrejas ou escolas e não tirou o sustento de milhões de trabalhadores informais”, repetiu Bolsonaro, enquanto enfrentava panelaço de protesto em várias cidades do país, em mais uma provocação direta a governadores que têm de voltar a restringir as atividades públicas para tentar ao menos minimizar a pressão sobre o sistema de saúde pública. Nesta quarta-feira, os novos casos registrados de covid-19 no Brasil chegaram a 95.601, de novo um patamar alto que indica aceleração dos contágios, com os mortos na pandemia se aproximando de 468.000.

Em Curitiba, no entanto, a situação já é de colapso. A capital do Paraná voltou à fase vermelha, a mais dura de restrições, e já tem UTIs com mais de 100% de leitos ocupados. No Estado a situação é apenas um pouco melhor. Até primeiro de junho, havia 1.212 pacientes suspeitos ou com confirmação de estarem com covid-19 aguardando internação em leito exclusivo ― lotação de 95% para vagas de terapia intensiva. A situação de 100% de ocupação de leitos de UTI também já acontece em ao menos mais duas capitais, Aracaju e Campo Grande, segundo a Folha de S. Paulo. Na TV, Bolsonaro também anunciou que o país vai receber a Copa América, entre junho e julho, uma decisão criticada por especialistas, que veem no torneio continental de futebol mais um superdifusor do vírus. “Nero incendeia Roma tropical e autoriza futebol no Coliseu”, criticou o neurocientista Miguel Nicolelis em seu podcast no EL PAÍS.

Volta às restrições no Paraná e mais oposição do presidente

No Paraná, o governador Carlos Massa Ratinho Jr. (PSD) aumentou as restrições de circulação e do funcionamento do comércio em todo o Estado desde a semana passada, em 25 de maio. Dois dias depois, Bolsonaro acionou o Supremo Tribunal Federal contra os decretos do Paraná, de Pernambuco e Rio Grande do Norte, adotados para frear o contágio da doença. Desde o último sábado, a capital Curitiba voltou para a bandeira vermelha, alerta máximo para pandemia, pouco mais de dois meses após a decretação de uma espécie de lockdown.

O roteiro da terceira onda em Curitiba percorre o que já havia sido descrito pelos epidemiologistas. Enquanto nas últimas semanas de abril as estatísticas indicavam uma média de 400 novos infectados por dia, no dia 28 de maio a cidade voltou a superar 1.000 casos diários. O pico ocorreu 19 dias após o domingo de Dia das Mães, em 9 de maio. Na data, Curitiba flexibilizou a chamada “quarentena de domingo” e permitiu que o comércio abrisse. Desde setembro de 2020, a cidade adotou o fechamento dos serviços não essenciais aos domingos como medida de controle. A situação no sistema de saúde ―seja público ou privado― é alarmante: além da ocupação de leitos de UTI SUS exclusivos para covid-19 superarem os 100%, e as Unidades de Pronto Atendimento (UPAs) viraram unidades de internamento para abrigar mais pacientes da doença.

Ala do Hospital do Trabalhador, em Curitiba.
Ala do Hospital do Trabalhador, em Curitiba.Américo Antonio/SESA

Gestores de saúde afirmam que esse é o pior momento da pandemia de coronavírus no Paraná. “É triste conviver com um número de óbitos três vezes maior do que pré-covid-19. A verdade é que não existem mais leitos em Curitiba. Pedimos que a sociedade nos ajude”, disse Geci Labres, diretor do Hospital do Trabalhador, ainda na sexta-feira passada. Também há temor que faltem medicamentos do chamado “kit intubação” ―as autoridades negam que exista risco de escassez, mas esperam que o novo período de lockdown contribua para a “preservação” dos estoques.

A permanência prolongada em ventilação mecânica e a tolerância de pacientes aos medicamentos são alguns fatores preocupantes, explica o médico intensivista do Hospital Cajuru, Juliano Gasparetto. “Hoje os pacientes ficam de quatro a oito semanas em ventilação mecânica, e há uma grande necessidade de sedativos e bloqueadores neuromusculares”.

O esgotamento das equipes médicas com o dia a dia puxado é outro aspecto cruel após um ano e meio de emergência sanitária. “O que não é acostumável é a quantidade de pessoas que a gente vê morrer todos os dias. Para aguentar é escitalopram [um antidepressivo] e terapia duas vezes na semana. Difícil entre os colegas ver alguém que não esteja na terapia e tomando ansiolítico ou antidepressivo”, relata o chefe do serviço de clínica médica do Hospital do Trabalhador, Diego Schuster Paes.

Na manhã de domingo, 30 de maio, quando conversou com o EL PAÍS após seu plantão no HT, Paes contou que precisou entubar a mãe de uma colega de trabalho, e teve de informá-la sobre a gravidade do quadro. “Isso é muito desgastante.” Também tem sido comum, relata o médico, a mudança no perfil dos pacientes: a média de idade atual de internados em UTI é de menos de 40 anos. Fila de ambulâncias na porta do hospital e gestantes graves também passaram a integrar a rotina do atendimento em 2021. “Uma gestante de 30 semanas chegou com insuficiência respiratória. Entubamos para evitar parada cardíaca, fizemos cesariana para poupar o nenem, mas ela acabou morrendo. A mulher entra no hospital para um momento que seria feliz, e o pai sai com a criança no colo e a mãe no caixão”. O médico relata que a superlotação vem exigindo que as equipes lidem com “carteiradas”, ou seja, pedidos para atendimento de pessoas próximas a funcionários do governador do Estado. “Acredite, temos que aguentar esse tipo de desaforo todos os dias.”

“Vida normal” e terceira onda

A retomada de atividades de maneira precoce é uma das causas centrais para o novo aumento de casos de covid-19 no Brasil, segundo mais recente boletim InfoGripe divulgado pela Fundação Oswaldo Cruz. “Tal situação manterá o número de hospitalizações e óbitos em patamares altos, com tendência de agravamento nas próximas semanas”, disse no informativo o coordenador do InfoGripe, Marcelo Gomes. Das 27 capitais brasileiras, 11 apresentam sinal de crescimento, de acordo com os pesquisadores.

A bandeira vermelha em Curitiba seguirá pelo menos até 9 de junho. Quando reaberto o comércio, estratégias como testagem em massa dos trabalhadores do segmento serão adotadas, segundo a secretária municipal de saúde, Márcia Huçulak. Questionada pelo EL PAÍS sobre o uso de máscaras do modelo PFF2, apontadas em pesquisas recentes da Universidade de São Paulo e Universidade Federal do Paraná como as mais efetivas na proteção (filtra até 98% das partículas), a secretária falou que a medida não integra os planos.

A distribuição de máscaras PFF2, citada em março na carta dos economistas e banqueiros cobrando o Governo federal sobre medidas de combate à pandemia, nunca integrou uma campanha ou política pública nacional ou de Estados. A medida seria essencial para diminuir a contaminação, que ocorre principalmente pelo ar, com os chamados aerossóis, que são expelidos quando falamos e se acumulam sobretudo em lugares fechados. “Desde o começo da pandemia houve um erro grosseiro sobre como o vírus é transmitido. Se deu muito foco a superfícies e gotículas maiores, e pouco aos aerossóis. Os gestores de saúde se apegaram a esses conceitos defasados, e por isso não tomaram essa medida como política pública”, opina Vitor Mori, físico, pesquisador da Universidade de Vermont, nos EUA, e membro do Observatório Covid-19 BR. O especialista defende que profissionais essenciais como professores, trabalhadores do transporte público e que operam em locais fechados e sem ventilação têm de receber o tipo de proteção.

Márcia Huçulak diz ter “convicção” de que essa seja a última onda de alta de casos na capital paranaense. O médico Diego Paes acha a perspectiva pouco provável. “O fato é que os hospitais sempre estiveram cheios, o que muda é a fila para fora. Depois que as medidas de isolamento afrouxarem nós atenderemos a 4° e a 5° onda, além dos pacientes sequelados pela covid”, afirma o profissional do Hospital do Trabalhador. “O que mais me angustia não é o isolamento, a sobrecarga de trabalho. Mas a falta de perspectiva. Na prática, a gente está vivendo sem futuro.”

Inscreva-se aqui para receber a newsletter diária do EL PAÍS Brasil: reportagens, análises, entrevistas exclusivas e as principais informações do dia no seu e-mail, de segunda a sexta. Inscreva-se também para receber nossa newsletter semanal aos sábados, com os destaques da cobertura na semana.

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Logo elpais

Você não pode ler mais textos gratuitos este mês.

Assine para continuar lendo

Aproveite o acesso ilimitado com a sua assinatura

ASSINAR

Já sou assinante

Se quiser acompanhar todas as notícias sem limite, assine o EL PAÍS por 30 dias por 1 US$
Assine agora
Siga-nos em: