Com Ernesto Araújo, a pátria amada se rende ao temor servil

O vídeo da reunião ministerial revela que, em seus delírios, o chanceler se vê servindo a mesa em que as grandes potências desenham os contornos da ordem internacional pós-pandemia

Ernesto Araujo ao lado de Bolsonaro em reunião por vídeo dos líderes do G20, em 26 de março.
Ernesto Araujo ao lado de Bolsonaro em reunião por vídeo dos líderes do G20, em 26 de março.HANDOUT / Reuters
Paulo Esteves|Monica Herz

O Brasil vê diminuir a sua capacidade de influenciar a política internacional. Pior, perde o respeito da comunidade internacional. É claro que a política doméstica e a infame resposta à covid-19 afastam os demais países. Mas o dano se torna irremediável com o soberanismo, uma orientação para a política externa que paradoxalmente combina soberania e servilismo....

Mais informações