Entre a Casa Branca e a casa arrasada, a diplomacia do tiro no pé

O ministro Ernesto Araújo, que fez analogia entre isolamento social e campos de concentração, planta obstáculos sérios ao trabalho de seus sucessores. Para alguns temas, a ordem de Brasília é consultar o Departamento de Estado americano, e acompanhar Washington

O ministro das Relações Exteriores, Ernesto Araújo.
O ministro das Relações Exteriores, Ernesto Araújo.EVARISTO SA / AFP

Impassível, o ministro das Relações Exteriores, Ernesto Araújo, postou-se ao lado do Presidente da República no pronunciamento que se seguiu à queda do ministro Sérgio Moro, um dos aliados que deram corpo à vitória eleitoral de Jair Bolsonaro. Os desencontros sobre os rumos da economia também

Mais informações