O desafio de secessão da Catalunha

Protestos tomam a Catalunha após condenação de líderes separatistas

Manifestantes bloquearam o aeroporto de Barcelona, após resultado de julgamento que condenou nove pessoas a penas de até 13 anos

Polícias catalães retêm a um homem no Aeroporto do Prat.
Polícias catalães retêm a um homem no Aeroporto do Prat.ALBERT GARCIA

A condenação de líderes separatistas da Catalunha nesta segunda-feira gerou uma série de protestos na comunidade autônoma, com o epicentro em Barcelona, onde os atos bloqueiam o El Prat, o principal aeroporto da cidade. Os Mossos (polícia catalã) atacaram uma parte dos manifestantes, que tentaram ultrapassar uma barreira policial. A ação foi convocada pela plataforma Tsunami Democrático, que distribuiu no aeroporto cartões de embarque falsos e convocou a população a ir até o local. Nesta manhã, o Tribunal Supremo da Espanha decidiu impor penas de 9 a 13 anos de prisão a nove líderes separatistas por, no final de 2017, realizarem um referendo separatista considerado ilegal pela Espanha, seguido de um declaração de independência. Eles acabaram afastados do poder e, em seguida, alguns foram presos —enquanto outros fugiram para outros países.

A ação no aeroporto de Barcelona após o resultado da sentença provoca dificuldades de acesso. A empresa de trens espanhola, Renfe, cortou, por ordem dos Mossos, o serviço de trens que leva até o local, entre as 13h40 e 14h30 (8h40 e 9h40, no horário de Brasília). A circulação da linha de metrô também sofreu interferências e todos os acessos agora são vigiados pela polícia. Também houve interrupção no sistema de trem de alta velocidade (AVE) em Girona (a 100 quilômetros de Barcelona), depois de uma centena de manifestantes ocupar as vias de fora da estação, que agora se encontra protegida por um forte aparato policial.

Mais informações

A sentença foi recebida como um balde de água fria pelas dezenas de pessoas que se concentravam pela manhã na porta do centro penitenciário de Lledoners, onde se encontram sete dos condenados. "Não acho justo porque todos fomos votar [pelo separatismo]. Eu só quero viver em um país onde exista democracia", lamenta, entre lágrimas, a jovem Maite. É a mesma opinião de Concepció, que se aproximou da prisão com meia dúzia de pessoas. "A sentença é uma injustiça total porque todos nós desobedecemos. Eles só fizeram o que o povo pediu, que era votar", lamenta.

Logo no início do dia, centenas de empregados e deputados independentistas do Parlament (o parlamento catalão) se concentraram para expressar o descontentamento com a sentença. O ato, liderado pelo presidente da Câmara, Roger Torrent, foi celebrado em silêncio. Ao final, as pessoas se abraçaram e, alguns, emocionados, choraram.

Os Comitês de Defesa da República (CDR), grupos que defendem a independência catalã, fizeram um apelo à "desobediência" nas redes sociais.  "É a hora da revolta popular". "Esta sentença será sua condenação. É a hora de nos lançarmos contra o fascismo autoritário do Estado espanhol e de seus cúmplices", proclamaram no Twitter. A primeira convocação de protestos desde a publicação da sentença foi uma concentração diante da sede do Tribunal Superior de Justiça da Catalunha (TSJC), em Barcelona.

Manifestantes protestam contra condenação de líderes separatistas catalães, e bloqueiam acesso do aeroporto de Barcelona.
Manifestantes protestam contra condenação de líderes separatistas catalães, e bloqueiam acesso do aeroporto de Barcelona.

Logo após o resultado do julgamento, diversas turmas universitárias suspenderam as aulas e os estudantes se dirigiram ao centro de Barcelona. No campus da Universidade Autônoma de Barcelona, centenas de estudantes concentraram-se para ler um manifesto antes de se dirigir ao centro. Chamam a sentença de “injusta”. “A única sentença possível era a absolvição. É uma forma de fazer com que a gente tenha medo”, acrescenta Anna, trabalhadora da biblioteca, que com cinco colegas fizeram uma paralisação para se dirigir às manifestações de Barcelona. A atividade acadêmica não foi completamente suspensa, embora muitos estudantes tenham deixado as aulas. Em Girona, os estudantes também foram os primeiros a sair às ruas e protestar.

Com informação de Clara Blanchar, Alfonso L. Congostrina, Dani Borrego, Josep Catà, Javier Íñíguez, Íñigo Domínguez, Ivanna Vallespín, Àngels Piñol e Mar Rocabert.