Papa Francisco critica queimadas: “Queimar o diferente para uniformizar tudo e todos”

"O fogo aplicado pelos interesses que destroem, como o que recentemente devastou a Amazônia, não é o do Evangelho", disse Francisco e pelos povos originários

Para Francisco na missa que abriu o Sínodo da Amazônia.
Para Francisco na missa que abriu o Sínodo da Amazônia.GIUSEPPE LAMI (EFE)

O Papa Francisco abriu este domingo o sínodo em defesa da Amazônia condenando os incêndios florestais que atingem a região e criticando os interesses dos “novos colonialismos”. "O fogo aplicado pelos interesses que destroem, como o que recentemente devastou a Amazônia, não é o do Evangelho", declarou o líder dos católicos durante uma missa na Basílica de São Pedro, no Vaticano.

MAIS INFORMAÇÕES

A região amazônica tem sido tomada por queimadas acima da média neste ano, especialmente até o mês de agosto, o que já gerou crises especialmente no Brasil e na Bolívia. Como exemplo de “novos colonialismos", o Papa afirmou que são os que "querem levar à frente apenas as próprias ideias, fazer o próprio grupo, queimar o diferente para uniformizar tudo e todos" — no que parece ser também uma defesa à maneira de viver dos povos originários.

O encontro, que vai até 26 de outubro, foi pensado como um debate sobre os novos caminhos de evangelização do catolicismo. Acabou também se transformando em um fórum tão crucial quanto incômodo para a Igreja, por abordar assuntos como o celibato, os direitos dos indígenas e por explorar o irrelevante papel da mulher na tomada de decisões. O Governo Bolsonaro acompanha de perto o sínodo e suas repercussões políticas. Um dos ministros mais influentes da atual gestão, o general da reserva Augusto Heleno, do GSI (Gabinete de Segurança Institucional), chegou a dizer que o encontro queria se imiscuir em assuntos soberanos brasileiros.[O Sínodo] quer falar de terra indígena, quer falar de exploração, de plantação, quer falar de distribuição de terra. Isso são assuntos do Brasil”, disse à Folha em fevereiro.

A cerimônia de abertura deste domingo contou com cerca de 200 representantes da Igreja Católica e com indígenas da região amazônica, alguns vestindo seus trajes tradicionais. “Quantas vezes o dom de Deus no foi oferecido sem imposição, quantas vezes houve colonização ao invés de evangelização”, reconheceu o pontífice.

Considerado o Papa mais sensível às questões ambientais, depois de publicar em 2015 a encíclica Laudato Sí, o pontífice quer mobilizar os dirigentes do mundo sobre os grandes problemas enfrentados por esse território, com mais de 30 milhões de habitantes distribuídos por nove países, um terreno estratégico também para a religião.

Na sua fala, o Papa ainda pediu para que os católicos “não apaguem seu fogo missionário”, o que para ele deve ser o “fogo do amor que ilumina, esquenta, da vida e não o fogo que se espalha e devora”. “Ajudem-nos a defender nossa Mãe Terra, não temos outra”, pediu a missionária indígena brasileira Laura Vicuña.

Deter o desmatamento e a devastação das comunidades indígenas são chaves para o movimento católico da Amazônia e são os dois pontos de partida dos debates que se iniciarão na segunda-feira no Vaticano.

Arquivado Em: