Assembleia Geral da ONU

Com discurso isolacionista na ONU, Bolsonaro estende ponte apenas a Trump

Presidente diz que qualquer iniciativa para proteger o pulmão verde “deve incluir um total respeito à soberania” do seu país

Bolsonaro durante seu discurso na Assembleia Geral da ONU.
Bolsonaro durante seu discurso na Assembleia Geral da ONU.Drew Angerer (AFP)

Mais informações

Na abertura da Assembleia Geral da ONU, honra que desde 1955 a tradição reserva ao presidente do Brasil, Jair Bolsonaro defendeu que a Amazônia não é “patrimônio da humanidade”, mas sim dos países que ela abrange. O controvertido presidente do gigante sul-americano defende assim seu direito a explorar as reservas naturais, incluindo as terras indígenas, de um território assolado nos últimos meses por incêndios que destruíram milhões de hectares de natureza.

“É uma falácia dizer que a Amazônia é patrimônio da humanidade e um equívoco, como atestam os cientistas, afirmar que a nossa floresta é o pulmão do mundo”, declarou o líder ultradireitista, que arremeteu contra "um ou outro país" e os meios de comunicação internacionais, aos quais acusou de estarem guiados por um “espírito colonialista”.

Em alusão à França, Bolsonaro denunciou que um país, “por ocasião do encontro do G7, ousou sugerir aplicar sanções ao Brasil, sem sequer nos ouvir”. E agradeceu ao presidente dos Estados Unidos, Donald Trump — líder que representa um modelo de conduta para o brasileiro — por recusar essa “absurda proposta” e por simbolizar “o respeito à liberdade e à soberania”. “Qualquer iniciativa de ajuda ou apoio à preservação da floresta amazônica, ou de outros biomas, deve ser tratada em pleno respeito à soberania brasileira”, acrescentou.

Bolsonaro chegou a Nova York com uma agenda reduzida ao mínimo e rodeado por uma aura quase de apestado, devido a suas tendências autoritárias, sua nostalgia pela ditadura e por sua política ambiental. Longe de se esforçar em romper o crescente isolamento internacional ao qual o Brasil se viu submetido em seus nove meses de mandato, o presidente evitou estender pontes em seu discurso, seja a investidores ou a outros líderes além de Trump.

Frente às críticas por sua gestão dos devastadores incêndios na Amazônia, Bolsonaro defendeu que seu Governo “tem um compromisso solene com a preservação do meio ambiente e do desenvolvimento sustentável”. Atribuiu as queimadas ao “clima seco e os ventos”, e recordou que “existem também queimadas praticadas por indígenas e populações locais, como parte de sua respectiva cultura e forma de sobrevivência”.

Bolsonaro defendeu que a preservação das terras indígenas, que ocupam 14% do território nacional, só aumenta a pobreza e o isolamento dessas comunidades. E rejeitou “tentativas de instrumentalizar a questão ambiental ou a política indigenista, em prol de interesses políticos e econômicos externos, em especial os disfarçados de boas intenções”. “Infelizmente, algumas pessoas, de dentro e de fora do Brasil, apoiadas em ONGs, teimam em tratar e manter nossos índios como verdadeiros homens das cavernas”, denunciou.

As críticas ao socialismo dominaram boa parte do discurso de Bolsonaro, assim como ocorreria em seguida com o discurso do presidente Trump. O militar reformado apresentou “um novo Brasil que ressurge depois de estar à beira do socialismo”. Uma ideologia que, segundo o presidente, mergulhou o país em “numa situação de corrupção generalizada, grave recessão econômica, altas taxas de criminalidade e de ataques ininterruptos aos valores familiares e religiosos que formam nossas tradições”.

O socialismo, insistiu Bolsonaro, “continua vivo e tem que ser combatido”. E recorreu ao exemplo da Venezuela, “outrora um país pujante e democrático, [que] hoje experimenta a crueldade do socialismo”. O presidente rejeitou o “politicamente correto” e disse que “a ONU pode ajudar a derrotar o ambiente materialista e ideológico que compromete alguns princípios básicos da dignidade humana”.