Sergio Mattarella, o homem que construiu um Governo na Itália em 20 dias

Presidente da República foi crucial em um agosto vertiginoso que mudou radicalmente o rumo da política italiana

O presidente Sergio Mattarella o passado 22 de agosto no palácio do Quirinal, em Roma.
O presidente Sergio Mattarella o passado 22 de agosto no palácio do Quirinal, em Roma.PAOLO GIANDOTTI QUIRINALE PALACE (EFE)

Precisaria estar pronto na quarta-feira. Na noite anterior, prometeram que restavam somente alguns pontos em aberto. Mas na hora do almoço, o Partido Democrático (PD) e o Movimento 5 Estrelas (M5S) da Itália continuavam discutindo fervorosamente. Luigi di Maio, líder dos seguidores de Beppe Grillo (comediante e fundador do M5S), havia se tornado um personagem incômodo e a disputa interna para um dos postos importantes da agremiação era cada vez mais áspera.

Por volta das 13h, tudo iria pelos ares. Sergio Mattarella, presidente da República, um homem habitualmente flexível e aberto ao diálogo, disse basta. “Hoje acaba minha tutela, não podem ir além”, alertou. Ou entravam em acordo, ou formaria um Governo técnico e convocaria eleições. A ameaça desbloqueou uma negociação relâmpago e acabou com 20 dias vertiginosos em que Mattarella marcou de forma implacável o ritmo da crise política mais psicodélica dos últimos tempos na Itália.

Sergio Mattarella (78 anos), décimo-segundo presidente da República, se transformou na última fronteira política do Estado em tempos conturbados. Irmão de Piersanti Mattarella —histórico líder da Democracia Cristã assassinado pela Cosa Nostra em Palermo no Dia de Reis de 1980— pertence a uma classe política em extinção. Juiz constitucional, duas vezes vice-presidente do Conselho de Ministros, três vezes ministro, foi eleito em quarta votação em 2015 durante o Governo de Matteo Renzi. Homem de poucas palavras e muito trabalho, é o líder mais valorizado da Itália. Também é o mais discreto. “Fala pouco e quando o faz tem muito peso. Invoca sempre princípios gerais, não é um presidente retórico. É seco, esse tipo de siciliano austero nas formas, nem um pouco barroco”, diz o cientista político Piero Ignazi. Até mesmo quando, como nesse verão europeu, precisa navegar na tempestade.

Mais informações

Em 8 de agosto, quando Matteo Salvini, o maior expoente da extrema direita do país, rompeu sua aliança com o M5S enquanto descansava em um quiosque de praia, Mattarella acabava de começar as férias com sua família na Sardenha. Nem ele nem ninguém no Palácio do Quirinal esperavam a bomba. Não havia plano B, contam em seu entorno, afastando-o de uma operação paralela. “Aquilo dava a impressão de ser o final de uma época, a chegada de eleições. Parecia impossível um acordo entre o PD [uma agremiação de centro-esquerda, rival de Salvini] e o M5S, mas algumas coisas se moveram. A única condição colocada pelo presidente foi que tudo fosse feito velozmente. Escutou sinais do Parlamento e, como é seu dever, deixou que as coisas acontecessem”, dizem as fontes.

A figura do presidente da República na Itália não tem comparação nos grandes países da Europa. É o chefe de Estado não eleito através do sufrágio universal —é eleito pelo Parlamento— com mais atribuições e flexibilidade. Seu mandato dura sete anos, em parte, para evitar a coincidência com os ciclos eleitorais (a cada cinco anos) e garantir sua independência. O presidente, que nomeia o primeiro-ministro e sua equipe, possui grande margem de oscilação dentro da Constituição para navegar na diabólica fragmentação parlamentar. Giuliano Amato, duas vezes premiê, costumava dizer que é “um poder sanfona” que permite expandir e dissimular o nível de intervenção de acordo com a situação. Giorgio Napolitano (presidente entre 2006 e 2015), asa negra de Silvio Berlusconi, gostava de frisar seu intervencionismo. Mattarella, um democrata-cristão de manual, prefere a sutileza. Mas precisa de interlocutores confiáveis, e Di Maio e Salvini nunca o foram.

Giuseppe Conte, um advogado que aprendeu a se mover dentro do próprio esquema jurídico, ganhou sua confiança. Hoje se falam praticamente todos os dias, conta uma pessoa que lida com ambos, e  disso surgiu uma boa relação (ainda que se tratem por senhor, como Mattarella sempre faz com os que conheceu já sendo presidente). Houve momentos de aproximação, como quando fizeram desembarcar os 137 imigrantes do navio de imigrantes Diciotti [a operação conjunta, em agosto de 2018, provocou a ira de Salvini]. “Mas o momento mais intenso foi quando trabalharam para evitar o procedimento de infração da União Europeia. Sempre existiu estima, mas talvez aí tenha ido a um estado diferente”, dizem as mesmas fontes.

Mattarella sempre esteve inteirado de uma negociação que teve três fases e um acordo de fundo: chegar a janeiro de 2022 para pilotar a eleição do próximo presidente da República. Os membros do M5S controlariam o Palácio Chigi (sede do conselho de ministros), e o PD a interlocução com a Europa [teriam um comissário europeu, o ministro da Economia e o de Assuntos Europeus]. Mas as últimas 36 horas foram uma montanha-russa, conta um deputado socialdemocrata próximo à negociação. “Foi acertado atribuir ao M5S uma ligeira maioria em número de ministros. Foi ponderado o peso do resultado de março de 2018 e o estado atual dos dois partidos, em que o PD superaria o M5S. Aceitamos que Conte fosse primeiro-ministro, entregamos a ação de ouro (Direito de controle sobre determinadas decisões que o Estado se reserva ao privatizar uma empresa pública.) Mas para conservar o equilíbrio, Di Maio não poderia ser o vice-primeiro-ministro. Dario Franceschini [um dos negociadores do PD citado para o outro posto de vice-primeiro-ministro] deu um passo atrás e desativou esse esquema”. Mas abriu outra rachadura.

A divisão estava clara: nove ministros do PD, 10 do M5S e dois independentes. Mas os chefes políticos, visto que Conte ficava no comando e não teria nenhum deles abaixo de si, quiseram ficar com alguns postos fundamentais, como o Ministério do Interior. Mattarella intervém pouco, mas dessa vez exigiu que essa pasta não estivesse em poder de um político que pudesse utilizá-la de novo com finalidades eleitorais. Surgiu um nome (não veio do PD e do M5S). Não precisou insistir. Luciana Lamorgese, uma técnica independente que trabalhou como chefa de gabinete dos predecessores de Salvini, Marco Minniti e Angelino Alfano, e chefa de departamento em várias regiões, foi aceita imediatamente, evitando outra guerra.

A substituta de Salvini, talvez a maior ruptura emocional com o Executivo anterior, não tem redes sociais e foi muito apreciada por todos os partidos em que trabalhou. Longe de uma aproximação benevolente à questão migratória, fica a sensação de que manterá certa dureza e permitirá o envio de uma mensagem mais humana. Justamente o que Mattarella queria, entre outras coisas, para pacificar o que lhe resta de mandato. Pelo papel que desempenhou, a eleição de seu sucessor será a verdadeira batalha dos próximos anos.