Turquia

Turquia inunda 10.000 anos de história

O imenso reservatório de Ilisu ocupará mais de 300 quilômetros quadrados e inundará a cidade histórica de Hasankeyf, apesar dos protestos de moradores e conservacionistas

Restos da ponte de Hasankeyf recobertos de cimento.
Restos da ponte de Hasankeyf recobertos de cimento.Sertac Kayar (REUTERS)

Não está muito claro quando nasceu a cidade de Hasankeyf. Alguns dizem que há 10.000 anos, outros afirmam que são 12.000. Há menos dúvidas sobre seu atestado de óbito: 2019. No máximo, no ano que vem, quando a água de um novo reservatório cobrir tudo em favor da produção hidrelétrica.

A localidade, no sudeste da Turquia, aparece depois de dobrar um meandro do Tigre, um rio que conheceu tempos melhores e de algumas décadas para cá corre com uma vazão ínfima comparada ao que era: uma via fluvial navegável. O vale se alarga nesse ponto e surge um castelo natural, um rochedo que se eleva 100 metros acima da água, atravessado por túneis medievais e cavernas ainda mais antigas. Da cidadela sobre esse rochedo até o rio se espalha pela encosta uma cidade heterogênea, que mistura velhas construções de pedra com modestas casas de cimento coloridas, na qual sobressaem minaretes árabes e turcos, restos de igrejas armênias e siríacas, casas de banho. Há, havia, também um mausoléu erigido pela dinastia turcomana dos Akkoyunlu, cuja fina decoração de azulejos lembra a arquitetura de Samarcanda.

MAIS INFORMAÇÕES

Em suma, um patrimônio cultural que provocaria inveja em qualquer prefeitura, mas que nunca foi suficientemente explorado (embora o Governo o tenha declarado área de conservação em 1981, nunca pediu para incluí-lo na lista do Patrimônio da Humanidade da Unesco). E nunca será: nos próximos meses estará coberto pelas águas do reservatório de Ilisu.

A hidrelétrica, que custou mais de 1,5 bilhão de euros (cerca de 6,67 bilhões de reais) e terá capacidade de 1.200 megawatts, já fechou suas comportas dezenas de quilômetros rio abaixo e começou a encher. Esse movimento foi descoberto pelos ativistas da iniciativa Manter Viva Hasankeyf examinando imagens de satélite. O Governo mantém isso em segredo. “Há quem diga que a represa já começou a inundar, outros dizem que são apenas testes. Acredite se eu lhe disser que eu mesmo perguntei e não quiseram me responder”, confessa um funcionário do ministério encarregado de construir a represa. “Parece que sobre esse assunto não se quer dar informação. Só estão a par os mais altos escalões da presidência, do nosso ministério e do das Relações Exteriores, porque a barragem afeta outros países”, acrescenta.

Nas Relações Exteriores não confirmam nem desmentem o início do enchimento e se limitam a enviar uma nota informativa publicada pelo ministério da Agricultura e das Florestas que diz que “todas as obras relacionadas à propriedade cultural são gerenciadas em conjunto com especialistas nacionais e internacionais” e “de acordo com princípios internacionais de conservação”. “A barragem de Ilisu fará reviver a história e Hasankeyf herdará um grande legado... (...) se tornará um destino cultural e turístico”, afirma. O ministério da Cultura e do Turismo e nem a prefeitura de Hasankeyf responderam às perguntas do EL PAÍS.

É verdade que alguns dos principais monumentos, como os mausoléus de Zeynel Bey e do imam Abdullah, bem como o estabelecimento de banhos das Artúquidas, foram levados à Nova Hasankeyf, que se levanta na outra margem do rio, a dois quilômetros de sua localização original. Mas em toda Hasankeyf existem listados 550 edifícios, monumentos e locais de interesse cultural, metade dos quais será inundada (a cidadela permanecerá justo acima das águas e também aparecerá parte de alguns minaretes). “É um desastre. Existem inúmeras casas, tumbas, mesquitas, igrejas que ficarão submersas. Também os jardins. Eles são um dos poucos exemplos de jardim islâmico medieval e urbanos que restam no mundo”, diz John Crofoot, um jornalista norte-americano envolvido durante anos na defesa de Hasankeyf. “Alguns restos, por exemplo, a ponte [do século XII], foram recobertos de cimento para preservá-los da água. O castelo também foi preenchido com cimento e uma parede de proteção foi colocada porque [o castelo] é de rocha calcária e, em contato com a água, sofrerá erosão. É uma intervenção horrível. Dizem que é para proteger os monumentos, mas, na realidade, é a destruição deles”, conta.

Por esse motivo foram apresentadas queixas no Parlamento Europeu e a organização Europa Nostra, que mantém Hasankeyf há anos como um dos sete patrimônios mais ameaçados do continente, denunciou os “danos irreparáveis” que o Governo turco está causando em “um dos os sítios arqueológicos e arquitetônicos mais importantes da Europa”.

Uma década atrás, protestos de conservacionistas e moradores levaram organizações da Áustria, Alemanha e Suíça a se retirarem do projeto Ilisu como avalistas dos empréstimos. O mesmo aconteceu com várias empresas. Mas então, o ministro responsável, Veysel Eroglu, respondeu: “Não precisamos do seu dinheiro. Construiremos a represa a qualquer custo”. A obra foi realizada com empréstimos concedidos pelos bancos turcos Akbank e Garanti, este último propriedade do espanhol BBVA.

Mas, além da questão do patrimônio que será perdido, existe o problema social e humano que representa um reservatório que submergirá mais de 300 quilômetros quadrados de território e cerca de 200 vilarejos, deslocando de 15.000 a 20.000 pessoas, começando pelos 7.000 habitantes de Hasankeyf. “Na nova cidade, apenas 700 residências foram autorizadas. Somente para aqueles que eram casados, tinham família e moravam em casas antigas. O resto das famílias recebeu 100.000 liras de indenização, e as novas casas custam em média 150.000 liras”, reclama por telefone Ridvan Ayhan, morador de Hasankeyf e membro da câmara municipal. Além disso, alega, o novo local é “seco”, há problemas de abastecimento de água –“nos poços que fizeram se mistura com petróleo e cheira muito mal”– e não há áreas verdes, enquanto as casas da velha Hasankeyf tinham todas o seu pequeno jardim ou pomar.

As autoridades prometeram que em Nova Hasankeyf será construído um porto para abrigar os barcos que levarão os visitantes às ruínas da antiga cidadela,e haverá esportes aquáticos para atrair os turistas. “O que os turistas virão ver? Tudo estará debaixo d’água!”, reclama Ayhan. “Esta é uma cidade pobre. As pessoas vivem daquilo que plantam, de seus pomares e de seus animais. Agora os jovens irão embora, porque aqui não há futuro”, vaticina.

No entanto, Ercan Ayboga, engenheiro ambiental e ativista, acredita que ainda não é tarde demais: “Por enquanto, apenas 1% do patrimônio cultural do Vale do Tigre foi danificado. A represa levará entre seis e 24 meses para ser preenchida, dependendo da vazão do rio. Que isso seja feito completamente é uma decisão política. Se houver protestos na Turquia e no resto do mundo, ainda podemos salvar Hasankeyf”.

Protestos do Iraque e da Síria

Nos últimos anos foram vistas imagens pouco frequentes: peixes mortos nas margens dos rios iraquianos, crianças cruzando o rio Tigre a pé, a dessecação dos pântanos da Mesopotâmia, as antiquíssimas rodas d’água do rio Orontes, na Síria, deixando de funcionar... Boa parte disso tem a ver com a prolongada seca que o Mediterrâneo Oriental enfrenta desde 1998 e com a má gestão dos recursos hídricos pelos países imersos em conflitos violentos. No entanto, uma parte também se deve à construção de reservatórios mais ao norte.

A Turquia possui a torneira na Mesopotâmia: os grandes rios da região, Tigre e Eufrates, nascem nesse território. E desde o final do século passado, no âmbito de um programa para desenvolver a região pobre do sudeste da Anatólia –onde a minoria curda está concentrada–, Ancara construiu cerca de vinte barragens para geração de eletricidade e irrigação. Os Governos de Damasco e Bagdá protestaram repetidamente alegando que essas obras reduziram a vazão dos rios. Em 1987, a Turquia e a Síria assinaram um protocolo segundo o qual o Eufrates deve ter uma vazão de ao menos 500 metros cúbicos de água por segundo ao entrar no país árabe, embora Ancara tenha se aproveitado do vácuo de poder provocado pela guerra civil para ignorar esse compromisso em várias ocasiões. Não há acordo semelhante com o Iraque em relação ao rio Tigre, mas a grave seca do ano passado levou à criação de um órgão consultivo.

De fato, como gesto de boa vontade, em 2018 o fechamento das comportas de Ilisu foi adiado até este ano a pedido das autoridades iraquianas. Uma vez inundada, e sendo uma barragem hidrelétrica, não significará uma redução da vazão do Tigre, mas sim durante o período de enchimento.

“O reservatório de Ilisu servirá como sistema de regulação, mantendo a vazão durante as cheias de inverno para liberá-la durante as secas de verão”, diz o ministério das Relações Exteriores turco em uma nota: “As barragens são a principal infraestrutura para evitar que os países situados rio abaixo sejam afetados pelos efeitos destruidores das inundações”.