Cerveja

Cerveja para salvar os rios e os mares

Depositar na água os restos da fabricação da bebida e de podas de plantas eliminaria 40% dos nitratos expelidos pelas estações de tratamento, segundo um estudo científico

Efluente de una estação de tratamento.
Efluente de una estação de tratamento.CSIC

Restos do preparo da cerveja e de podas, assim fácil. Um grupo de pesquisadores do CEAB-CSIC (Centro de Estudos Avançados de Blanes-Conselho Superior de Pesquisas Científicas) encontrou uma "potencial solução sustentável, barata, simples e de aplicação imediata", para acabar com o principal problema de poluição de rios, represas, lagoas e outros mananciais: o excesso de nitratos que os asfixiam com a redução de oxigênio e a proliferação de microalgas.

O método é simples: deixar na água os restos orgânicos da poda das plantas aquáticas utilizadas nos sistemas naturais de limpeza das estações de tratamento ou despejar os resíduos da fabricação de cerveja que as empresas jogam fora. "É possível aumentar em até 40% as taxas de desnitrificação bacteriana, a principal responsável pela remoção de nitratos na água no ambiente natural ", dizem os cientistas. Um porcentual que "poderia dobrar". Trata-se de aproveitar o serviço de autopurificação que "o rio dá de graça", diz Albert Sorolla, diretor técnico de Natureza da CEAB e membro da equipe. Os cientistas dizem que pode ser aplicado de forma imediata e já está sendo usado experimentalmente em parques urbanos em Barcelona, onde há lagoas e reservatórios.

Mais informações

Os dados do estudo, publicado na revista Environmental Science and Technology, foram obtidos a partir de um experimento em laboratório, mas os resultados dos testes nas instalações do Urban River Lab (um laboratório ao ar livre construído na estação de tratamento Montornès del Vallès) e no rio "sugerem que os porcentuais de redução de nitratos poderiam dobrar." A melhor opção seria que os jardineiros que podam as plantas que algumas estações de tratamento têm nas suas instalações "deixem os restos alguns dias na água", explica Miquel Ribot, chefe técnico do Urban River Lab e principal autor do estudo, em um comunicado. Essa matéria orgânica deixada na água proporciona um carbono de muito boa qualidade, que faz disparar "a desnitrificação natural do rio ", complementando o trabalho das estações de tratamento.

O problema das águas está aumentando no contexto das atuais mudanças climáticas e da falta de chuvas, alertam os pesquisadores. Um cenário que impede que os rios mediterrâneos diluam os nitratos que chegam a eles das estações de tratamento, mesmo que estas cumpram a legislação europeia. "Não podem porque não têm água suficiente. De fato, no verão alguns rios estão completamente secos e a água que eles contêm vem inteiramente dos efluentes. Por outro lado, é eliminada parte dos poluentes da água, como fósforo, nitrogênio e matéria orgânica, provenientes do esgoto, "mas há limitações tecnológicas e econômicas para expeli-los por completo". Para complicar, em rios pouco caudalosos, esses nutrientes extras se ligam aos fertilizantes usados na agricultura, causando "excesso de nitratos em nosso país".