Flip 2019

Cordel pede passagem na Flip com batalha de repentistas

Após ganhar título de patrimônio cultural do Brasil, feira recebe dezenas de cordelistas que vendem suas obras e organizam declamações e 'pelejas'

O cordelista Chico Feitosa, na Flip.
O cordelista Chico Feitosa, na Flip.Divulgação

MAIS INFORMAÇÕES

A ciência do peido ou O Homem que perdeu a rola são títulos que aparecem expostos em uma larga mesa ao lado de outros menos pitorescos, como Deforma da Previdência ou Tragédia em Brumadinho. Foram necessários 17 anos e um título de Patrimônio Cultural do Brasil —concedido em outubro de 2018— para que a Literatura de Cordel ganhasse um espaço próprio na Festa Literária Internacional de Paraty. Nesta edição, que vai até domingo (14/07), uma dezena de cordelistas de diversos estados brasileiros reúne-se no prédio do Iphan, no centro histórico da cidade, para vender suas obras e falar sobre a cultura do cordel. Em anos anteriores, os poetas populares circulavam pelas ruas de Paraty por conta própria, como vendedores ambulantes.

Um deles é Severino Honorato, administrador de empresas de 56 anos, natural de Mulungu (Paraíba), mas radicado há mais de três décadas no Rio de Janeiro. "Eu já nasci cordelista, mas só comecei a escrever mesmo com 14 anos, com poesia em estilo livre. Aprendi cordel com o meu pai, que era analfabeto, mas que me alfabetizou em casa com as rodas de leitura. Isso me fez entender que o cordel é um patrimônio de cada poeta, de cada família do interior do Brasil, especialmente do Nordeste", conta. Hoje, Severino dedica-se a publicar suas obras, mas também realiza oficinas de cordel e participa de eventos relacionados ao tema. É ele quem vai apresentando a quem chega à casa do cordel na Flip aos demais cordelistas. Com sua própria programação, o espaço conta com um palco improvisado, onde os autores declamam seus trabalhos e realizam pelejas —uma versão mais prosa das batalhas dos slams de poesia—.

Uma das repentistas mais experientes nas pelejas é Cleuza Santo, de 65 anos, que foi a primeira cordelista a publicar na cidade de São Paulo. "Meus pais são de Ilhéus, na Bahia, mas eu não tinha contato nenhum com essa cultura, só tinha uma vaga lembrança na infância de meu irmão lendo cordel. Um dia, fiz um curso de poesia e me apaixonei por essa literatura. Há 12 anos, me dedico a ela", conta a autora, cuja obra é inteiramente voltada para o público infantil. Na casa do cordel, Cleuza é uma das mais entusiastas em relação ao título de Patrimônio Cultural Brasileiro. "Hoje temos a proteção federal da nossa arte. Antes, lutávamos sozinhos para que ela não morresse".

Creuza Santos mostra seus cordeis na Flip.
Creuza Santos mostra seus cordeis na Flip.Divulgação

Para Francisco Feitosa —ou Chico, como gosta de ser chamado—, cearense de 65 anos e professor de Filosofia no Ensino Médio da rede pública, é importante que os autores de cordel ocupem espaços como o da Flip 2019 não só para dar visibildade a seu trabalho, mas também os dos autores que vieram antes deles. "Precisamos lembrar de nossos ancestrais culturais, como Leandro Gomes de Barros, José Camelo de Melo Rezende, Silvino Pirauá, Daniel de Almeida Filho, Sebastião Nunes Batista. Estamos aqui por causa deles. A lembrança deles é importante para a cultura nacional e para divulgar esse gênero poético, que nem todo mundo conhece", defende. O próprio Chico começou "tarde" no cordel, em 2010. "Foi quando comecei a publicar. Antes, eu já escrevia, mas geralmente era só para tirar um sarrozinho com a cara de alguém ou para me livrar do estresse do trabalho".

A literatura de cordel tem seus próprios clássicos: Boi Misterioso, Pavão Misterioso, A Donzela Teodora e A Chegada de Lampião ao Inferno são alguns deles. No entanto, os estudantes —e os brasileiros, em geral— não os conhecem. "O cordel é uma poesia que surgiu no Nordeste e logo foi interpretada como coisa de gente analfabeta ou semialfabetizada, escrita na zona rural e, por tanto, coisa de gente inferior. Toda a vida se olhou para o Nordeste de cima para baixo, os poetas de lá eram vistos como matutos que viviam na roça", explica Chico.

Para reverter essa história e fazer justiça a essa tradição da literatura popular, o cordelista acredita que "não adianta só dar títulos", mas sim apoiar e divulgar o cordel. "É preciso incentivo para que essa literatura chegue nas instituições de ensino de todos os níveis. Se ela não estiver lá, se não for adotada como instrumento de educação, ela não vai vingar. Toda a vida, o cordel foi considerado apenas uma literatura lúdica, de brincadeira, mas quando você vai escarafunchar, tem conteúdo pedagógico, político e de crítica social", afirma.

Dani Almeida, recifense de 34 anos, já faz sua parte para levar essa arte às escolas. Ela, que cresceu ouvindo o avô, um agricultor e sindicalista pernambucano, fazer cordel como forma de protesto, começou a escrever os próprios versos há uma década. Hoje, apresenta seu trabalho em rodas de leituras infantis em escolas e bibliotecas.  "Vejo os olhinhos das crianças brilhando, vejo que ali brotou alguma coisa. Se elas vão se tornar cordelistas ou não, é outra história. Mas, assim, vamos fomentando novos poetas".

Arquivado Em: