Renda recorde, torcida apática e um time sem brilho

Com Bolsonaro na plateia e mais de 20 milhões de reais em arrecadação, partida no Morumbi gera cornetada de torcedores a jogadores – e vice-versa

Torcida no Morumbi bateu recorde de arrecadação com ingressos.
Torcida no Morumbi bateu recorde de arrecadação com ingressos.Victor Caivano (AP)
Mais informações

A estreia da seleção na Copa América bateu o recorde de bilheteria de uma partida no futebol brasileiro. Com renda de 22 milhões de reais, o Morumbi recebeu mais de 47.000 pessoas nesta sexta-feira. Preço médio do ingresso: 485 reais, sendo que as entradas mais caras custaram 590 reais, mais da metade do salário mínimo. O público elitizado e exigente não perdoou a fraca exibição da equipe no primeiro tempo. Sua manifestação mais sonora em toda partida foi a vaia na saída do time para o intervalo. Mesmo depois de abrir vantagem no placar, o Brasil não conseguiu empolgar os torcedores, que preferiam fazer a famosa hola a incentivar o selecionado nacional das arquibancadas.

Para o baiano Daniel Alves, a postura da torcida incomodou. “É sempre muito complicado jogar aqui em São Paulo”, afirmou o lateral depois da vitória por 3 a 0 sobre a Bolívia. “Se o Tite gritasse na beira do campo, a gente escutava”, alfinetou, reprovando a atmosfera sonolenta, porém ligeiramente hostil do estádio. Ele diz esperar mais apoio em seu estado natal para o próximo jogo contra a Venezuela, em Salvador. “Na Bahia, o axé é diferente. Lá, as pessoas sentem mais falta dessa energia que a seleção carrega.”

Receio por greve e presidente na tribuna

Jair Bolsonaro esteve, na noite desta sexta-feira, cercado por torcedores que vestiam o uniforme da seleção brasileira. Apesar do histórico recente de protestos no país, onde a camisa amarela representou em diversas manifestações apoiadores do presidente, o contexto dessa vez não era ligado à política. Bolsonaro foi às tribunas do Morumbi, em São Paulo, para acompanhar a abertura da Copa América. Enquanto torcedores se deslocavam para o estádio, milhares de pessoas escolheram ir à Avenida Paulista, a pouco mais de dez quilômetros do estádio, para protestar contra a Reforma da Previdência, cortes na educação e desemprego; os motes dos trabalhadores que cruzaram os braços na Greve Geral, evento de oposição ao governo que aconteceu em pelo menos nove estados nesta sexta.

O movimento grevista, que teve baixa adesão ao longo do dia na capital paulista, não atrapalhou quem escolheu o próprio veículo para ir ao estádio. “Vim de carro e foi bem tranquilo. Só vi que umas estações de metrô fecharam, mas o pessoal se reúne mesmo na Paulista”, comentou João Guilherme, torcedor que esperava os amigos nos arredores do estádio cerca de três horas antes do início da partida. A dificuldade ficou para quem escolheu o transporte público. Gustavo Lustosa, Lilian Gutierres e Ruan Castelhano vieram de Bauru pela manhã e, após estacionarem o carro na Barra Funda, encontraram a estação da linha vermelha fechada. A alternativa seria chegar ao Morumbi pela CPTM, linha da companhia de trens paulistanos, mas os estudantes a descreveram como “muito cheia”. Tomaram então um transporte via aplicativo, que demorou uma hora e meia da zona oeste até o local da partida.

Além dos transtornos com a greve, alguns torcedores ainda tiveram problemas para retirar ingressos da partida nos postos oficiais da organização. Assim como a seleção, Bolsonaro, após ter posado para fotos ao lado do ministro Sergio Moro com o uniforme do Flamengo no jogo pelo contra o CSA, em Brasília, teve atuação discreta na abertura do torneio. Não apareceu no telão do Morumbi nem fez qualquer pronunciamento antes do jogo.

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Logo elpais

Você não pode ler mais textos gratuitos este mês.

Assine para continuar lendo

Aproveite o acesso ilimitado com a sua assinatura

ASSINAR

Já sou assinante

Se quiser acompanhar todas as notícias sem limite, assine o EL PAÍS por 30 dias por 1 US$
Assine agora
Siga-nos em: