Hollywood se mobiliza contra o avanço da ofensiva antiaborto nos EUA

Disney, WarnerMedia e Netflix ameaçam retirar suas produções da Geórgia, um dos Estados que recentemente aprovaram leis restritivas para a interrupção da gravidez

Chadwick Boseman (centro) nas rodagens de ‘Pantera Negra’, um dos filmes da Marvel rodados na Geórgia. Em vídeo, declarações do CEO da Disney, Bob Iger (em inglês). reuters

Os Estados conservadores do sul e do meio-oeste dos Estados Unidos lideraram durante as últimas semanas uma ofensiva contra o aborto que nesta quarta-feira recebeu um novo integrante. A Louisiana aprovou uma lei que proíbe interromper a gravidez quando forem detectados os batimentos do coração do feto, o que geralmente acontece por volta da sexta semana, uma fase tão precoce que muitas mulheres nem sabem que estão esperando um bebê. A lei é irmã daquela que foi assinada pelo governador da Geórgia, Brian Kemp, no início do mês e impulsionou uma campanha para boicotar o Estado conhecido como a “Hollywood do Sul”, liderada por Netflix, Disney e WarnerMedia.

A lei aprovada na Louisiana não faz exceções em caso de estupro ou incesto, o que a coloca entre as mais restritivas do país. A iniciativa, que veio de um grupo bipartidário, teve 79 votos a favor – uma dezena deles democratas – e 23 contra. O governador John Bel Edwards, do Partido Democrata, anunciou que assinará a lei para que entre em vigor. Edwards, veterano de guerra e católico, argumentou durante a votação que sua posição está de acordo com a maneira como foi criado. “Sei que para muitos no partido nacional, no cenário nacional, esta não é uma boa escolha. Mas lhes direi que aqui, na Louisiana, falo e me reúno com democratas que são a favor da vida todos os dias”, afirmou.

Mais informações

A aprovação do governador da Louisiana não garante que a lei se torne realidade. É o mesmo caso da Geórgia, que já passou pelo gabinete de Kemp, mas será objeto de recurso nos tribunais pelos defensores do direito ao aborto para que não entre em vigor em 1º de janeiro de 2020, como previsto. A Netflix foi a primeira empresa dedicada ao entretenimento que ameaçou deixar de produzir seus filmes e séries na “Hollywood do Sul” se a lei passar de papel para a ação. A Disney se juntou nesta quarta-feira e a WarnerMedia o fez na quinta-feira, avisando que será “muito difícil” continuar trabalhando na Geórgia se a lei entrar em vigor.

A Geórgia se tornou o terceiro maior centro de produção nos EUA, só atrás de Nova York e da Califórnia, desde que em 2008 aprovou uma lei que oferece um crédito fiscal de 20% a qualquer produção que gaste mais de 500.000 dólares (cerca de 1,989 milhão de reais), com um adicional de 10% se incluir nos créditos o logotipo do Estado. A Disney filmou grandes sucessos de bilheteria como Pantera Negra e o último episódio de Vingadores: Ultimato em suas locações, e a Netflix fez o mesmo com Stranger Things e Ozark, entre muitos outros títulos.

“Acho que muita gente que trabalham para nós não vai querer trabalhar lá, e temos de atender os seus desejos a respeito. Neste momento estamos estudando a questão com muito cuidado”, disse quarta-feira o CEO da Disney, Bob Iger, à Reuters. Sobre se continuarão rodando na Geórgia, respondeu: “Duvido que o façamos”. Muito alinhada com o que a Netflix adiantou, que ameaçou que se a lei entrar em vigor a plataforma de streaming “repensaria todos os investimentos na Geórgia”. Enquanto isso, a WarnerMedia (HBO, Turner e Warner Bros) divulgou um comunicado na quinta-feira em que advertiu que observava a situação de perto e “se a nova lei for aplicada, reconsideraremos a Geórgia como lugar de qualquer nova produção”.

A mobilização de Hollywood diante da ofensiva contra o aborto afeta particularmente Geórgia, onde 455 produções foram rodadas em 2018. A indústria do entretenimento tem 92.000 trabalhadores no Estado, de acordo com a Associação Cinematográfica dos Estados Unidos. No entanto, não há unanimidade dentro da entidade sobre qual posição tomar. O vencedor do Oscar de Melhor Roteiro por Corra!, Jordan Peele, e o multifacetado J.J. Abrams (Star Wars: Episódio IX, Lost) fizeram uma declaração conjunta rejeitando o boicote, argumentando que continuarão a rodar nesse Estado sua próxima produção para a HBO para criar empregos: “Doaremos 100% dos nossos cachês pelos respectivos episódios desta temporada a duas organizações que lideram a luta contra essa lei draconiana”, disseram os criadores.

O caso da Louisiana também deixou em evidência o racha que existe dentro do Partido Democrata em relação ao aborto. O apoio bipartidário à lei restritiva é um exemplo da divisão existente entre os próprios democratas em relação aos direitos reprodutivos. A postura mais conservadora de alguns membros do conglomerado incomodou especialmente os candidatos presidenciais progressistas, que durante esta campanha tentaram levantar como bandeira própria o direito ao aborto, tendo em vista as eleições de 2020.