_
_
_
_

Atual ‘Bola de Ouro’ se recusa a disputar Copa do Mundo feminina em protesto por disparidade financeira

Ada Hegerberg, norueguesa e vencedora do prêmio de melhor do mundo, avisou há dois anos que ficaria de fora do Mundial se sua federação não igualasse as condições entre futebol masculino e feminino

Ada Hegerberg recebendo a Bola de Ouro em Paris.
Ada Hegerberg recebendo a Bola de Ouro em Paris.Franck Fife (Getty)
Ladislao J. Moñino
Mais informações
Campeonato brasileiro feminino ganha transmissão na televisão aberta
Uma mulher vai apitar jogo masculino da liga francesa pela primeira vez
Com Marta, Cristiane e Formiga, Vadão convoca seleção brasileira para a Copa do Mundo feminina

Na última quarta-feira, dia 2 de maio, o treinador norueguês Martin Sjogren anunciou a lista de 23 jogadoras que irão à próxima Copa do Mundo feminina, que será disputada na França do dia sete de junho ao sete de julho. A lista cumpriu o pior dos presságios para a seleção da Noruega, mas também alçou a bandeira da luta pela igualdade de gênero. Ada Hegerberg (23 anos), atual vencedora da Bola de Ouro, não figurava na convocação. Considerada a melhor jogadora do mundo em 2018 pela revista francesa France Football – Marta foi a vencedora do prêmio The Best da FIFA –, ela já tinha anunciado em 2017, em um comunicado, que não iria à maior competição do futebol feminino se as condições com as quais a seleção feminina de seu país compete não se igualassem às da seleção masculina. Hegerberg não falava só de dinheiro. Também de infraestrutura, de planejamento, de desenvolvimento e de alojamentos nas concentrações do mesmo nível e conforto que os dos homens. Assim propôs aos dirigentes da federação norueguesa antes de tomar sua decisão. “O futebol é o esporte mais importante da Noruega para as crianças e foi durante anos, mas as garotas não têm as mesmas oportunidades que os garotos”, escreveu Hegerberg.

Aquele primeiro impulso que lançou serviu para que a federação norueguesa e o sindicato de jogadores do país escandinavo assinassem um convênio de igualdade salarial entre homens e mulheres. No entanto, isto não foi suficiente para que a grande estrela do Lyon, principal equipe do país sede do Mundial e finalista da Champions feminina, vá à Copa do Mundo representando seu país. Com sua postura reivindicativa, Hegerberg rejeitou o torneio que é o sonho de qualquer atleta. Sua ausência é um desafio para as autoridades. Um golpe esportivo para sua federação, além da FIFA e do comitê organizador da Copa, tamanha a popularidade a jogadora norueguesa tem na França.

Em pleno século XXI, por discriminação, o melhor torneio de futebol não contará com uma das melhores jogadoras do mundo. “Me parece muito triste. É um sacrifício muito grande porque a essa altura as coisas ainda estão como estão porque não as fazem bem”, relata com uma mistura de perplexidade, admiração e indignação Conchi Amancio, a grande pioneira do futebol feminino espanhol. “Ada é admirável. Eu não sei se faria a mesma coisa”, se questiona Amancio, refletindo sobre o que significa rejeitar uma Copa.

“Sei o que quero e conheço meus valores, portanto é fácil tomar decisões difíceis quando você sabe quais são as ambições e quais são os valores que defende. Trata-se de ser sincera contigo, ser você mesma”, defendeu Hegerberg em uma entrevista à CNN no final de 2018.

Quando recebeu a primeira Bola de Ouro do futebol feminino, visivelmente emocionada com o troféu entre suas mãos durante o jantar de gala em Paris, Hegerberg pronunciou um discurso coerente no qual lançava um olhar para o futuro: “É muito importante que se tenha criado uma categoria para as mulheres na Bola de Ouro, por isso quero acabar com uma mensagem a todas as jovens: creiam em vocês, não parem nunca”. Sob o mesmo palco, Ada ouviu uma piada do famoso DJ Martin Solveig carregada de machismo. O artista francês perguntou se ela sabia dançar twerking, o insinuante baile nascido do hip-hop que se converteu em uma dança de movimentos mais variados e sensuais. A pergunta e o seco “não” da resposta incendiaram as redes sociais contra Solveig, que teve que pedir desculpas pelo que considerou uma “má piada”.

A decisão de Hegerberg também gera em Conchi Amancio uma reflexão: “Até quando teremos que seguir fazendo as mulheres sacrifícios tão grandes como o que fez Ada?”.

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS
_
_