Seleção brasileira feminina

Vadão convoca veteranas da seleção brasileira para a Copa do Mundo feminina 2019

Além das atletas experientes, como Marta e Formiga, outras em boa fase na Europa, como Andressa Alves, também foram convocadas. No Brasil, o Corinthians foi quem mais cedeu jogadoras

O treinador Vadão antes de anunciar a convocação do Brasil para a Copa.
O treinador Vadão antes de anunciar a convocação do Brasil para a Copa.Antonio Lacerda (EFE)

O treinador da seleção brasileira feminina Vadão apresentou, nesta quinta-feira, a convocação oficial das 23 jogadoras que disputarão a Copa do Mundo França 2019, que começa em 7 de junho. Sem surpresas, a lista contou com jogadoras mais experientes e conhecidas, como Marta, Cristiane e Formiga, além daquelas que têm se destacado no melhor nível do futebol europeu, como Andressa Alves, atacante do Barcelona, que é finalista da Champions League feminina, e Ludmilla, do Atlético de Madrid. No Brasil, onde os clubes masculinos da série A foram obrigados pela primeira vez em 2019 a formar times femininos profissionais, o Corinthians, um dos mais tradicionais na categoria, foi quem mais cedeu jogadoras à seleção: Letícia Izidoro, Erika e Adriana. Inter, São Paulo e Avaí/Kindermann foram outras equipes nacionais contempladas.

Veja a lista completa das 23 jogadoras da seleção brasileira convocadas para a Copa do Mundo feminina :

Goleiras:

Aline (Tenerife-ESP);

Bárbara (Avaí/Kindermann;

Letícia Izidoro (Corinthians).

Laterais:

Fabiana Baiana (Internacional);

Letícia Santos (SC Sand-ALE);

Tamires (Fortuna-DIN); 

MAIS INFORMAÇÕES

Camila (Orlando Pride-EUA).

Zagueiras:

Erika (Corinthians); 

Kathellen (Bordeaux-FRA);

Mônica (Orlando Pride-EUA);

MAIS INFORMAÇÕES

Tayla (Benfica-POR).

Meias:

Andressinha (Portland Thorns-EUA);

Formiga (Paris Saint-Germain-FRA);

Adriana (Corinthians);

Thaisa (Milan-ITA).

Atacantes:

Beatriz Zaneratto (Incheon Hyundai Steel-COR);

Cristiane (São Paulo);

Raquel (Sporting Huelva-ESP); 

Debinha (North Carolina Courage-EUA);

Geyse (Benfica-POR);

Ludmilla (Atlético de Madrid-ESP);

Marta (Orlando Pride-EUA);

e Andressa Alves (Barcelona-ESP).

Vadão minimiza má fase da seleção

Na entrevista coletiva após a convocação, Vadão comentou a má fase recente da equipe, que perdeu nove dos últimos dez jogos que disputou, contra Austrália, Estados Unidos (duas vezes), Canadá, Inglaterra (duas vezes), França, Japão, Espanha e Escócia. Todas as seleções de nível parecido ou melhor que o Brasil, que ocupa atualmente a 10ª posição no ranking da FIFA. "O que vale é o presente, é o Mundial", justificou o treinador. Ele ainda revelou que, após a derrota para a Escócia, comissão e jogadoras se reuniram para discutir sobre o que melhorar para o Mundial. "Faremos uma grande competição e somos candidatos ao título", reforçou Marco Aurélio Cunha, coordenador de futebol feminino da CBF, que ainda garantiu a igualdade de tratamento entre seleções masculina e feminina na Confederação: "Tudo que os homens têm, as mulheres também têm".

A seleção brasileira estreia dia 9 de junho contra o time da Jamaica

O Brasil está no grupo C da Copa, ao lado de Jamaica, Itália e Austrália. A estreia é no dia 9 de junho, em Grenoble, contra as jamaicanas. Vadão garantiu que a comissão esteve analisando os últimos jogos da primeira adversária, mas se confundiu ao dizer que "a Jamaica é uma equipe forte e veloz, que não foge das características do futebol africano". O país, no entanto, fica na América Central. O treinador, que tem no currículo mais passagens pelo futebol masculino do que pelo feminino, também foi perguntado sobre as diferenças do vestiário com mulheres para o com homens. "É mais difícil acalmar mulheres do que homens", ele respondeu. "Sou casado com uma mulher e tenho uma filha, achei que sabia lidar com elas. Mas quando são 30, é diferente".

A estreia contra a Jamaica será um feito histórico para a volante Formiga. Aos 41 anos, ela baterá dois recordes na França: a jogadora mais velha a participar de uma Copa e a única, entre homens e mulheres, a jogar sete Mundiais. "A Formiga havia se aposentado da seleção, mas fiz um esforço muito grande para convencê-la a voltar". A volante joga há três anos no PSG e renovou o contrato com o clube francês por mais uma temporada.

Arquivado Em: