Racismo no futebol

Treinador do Barcelona denuncia racismo contra Andressa Alves

Jogadora brasileira foi expulsa por tentar agredir a acusada de racismo, Shei García, na partida contra o Rayo Vallecano

Andressa Alves em ação pela seleção brasileira.
Andressa Alves em ação pela seleção brasileira.Lucas Figueiredo (CBF)

Mais informações

O treinador da equipe feminina do Barcelona, Lluís Cortés, acusou uma jogadora do Rayo Vallecano de cometer um "insulto racista" contra a brasileira Andressa Alves, no último domingo, em partida na qual o Barça venceu o Rayo por 4 a 0 pela Liga Iberdrola, o campeonato espanhol da categoria. Andressa foi expulsa aos 29 minutos do segundo tempo por tentar agredir a adversária. García desmentiu a acusação e acusou o Barcelona de estar ferindo sua imagem.

Cortés, ao término da partida, explicou. “Andressa é uma jogadora estrangeira que recebe um insulto racista durante o jogo e isso é um tema muito grave, que temos que erradicar entre todos”, expôs o técnico depois da 20ª rodada do campeonato. Cortés ressaltou que a agressão por parte da brasileira não era justificada. Mas acrescentou: “A gente deve entender que os insultos racistas são muito graves”, e pediu: “Devemos todos nos esforçar para que isso não aconteça mais”. O treinador não especificou qual foi o insulto; Alves foi expulsa por tentar agredir García logo após o lance em que teria sido vítima de racismo.

A acusada negou em suas redes sociais ter proferido qualquer insulto racista a Andressa. “Esclareço o acontecido!!!! Minha imagem não será manchada quando em nenhum momento disse insultos racistas à jogadora do Barça. Espero que um clube como o Barça deixe de manchar a imagem de uma jogadora que somente quer aproveitar seu sonho que é jogar futebol, Obrigado”, se pronunciou Shei García através de sua conta oficial no Twitter.

A súmula escrita pela árbitra Villegas Navas, segundo revelou Sole, jogadora do Rayo, não faz referência a nenhum insulto dito por Shei. Irene Ferreras, treinadora da equipe, saiu em defesa de sua atleta: “Nenhuma jogadora do Rayo Vallecano tem condutas racistas. Acrescento que Sheila é a jogadora mais nobre com quem tive a sorte de trabalhar”.