Copa do Mundo feminina 2019

“Deveriam estar peladas”: as reações machistas ao álbum de figurinhas da Copa do Mundo feminina

Livro com colecionáveis das jogadoras gera comentários sexistas na rede, que vão da ironia à qualidade do torneio ao lamento de que as profissionais não mostrem o corpo nas imagens

O álbum da Copa do Mundo feminina 2019 da Panini.
O álbum da Copa do Mundo feminina 2019 da Panini.Reprodução / Panini

Mais informações

Faltam pouco mais de dois meses para a estreia da Copa do Mundo feminina, mas os comentários sexistas sobre as profissionais que participarão do torneio já proliferam pelas redes. No final de abril, a Panini colocou à venda um álbum de figurinhas feito em parceria com a FIFA, que contempla 17 jogadoras de cada uma das 24 seleções participantes, a exemplo do que ocorre com o campeonato masculino, que a cada quatro anos se torna uma febre entre os colecionadores. O das mulheres também viralizou. Mas pelos motivos errados: uma série de comentários machistas tomou as redes sociais.

Muitos tentaram desmerecer o campeonato e, assim, a qualidade das profissionais que fazem parte dele ou que praticam a modalidade. Esqueceram, claro, do fenômeno brasileiro Marta, que fez mais gols pela seleção brasileira que o Pelé e que tem mais títulos individuais que craques como Cristiano Ronaldo e Messi (ou que qualquer outro brasileiro da história).

Muitos também afirmaram que ninguém se importa com a Copa do Mundo de Futebol Feminino 2019. E, por isso, o álbum não terá sucesso nas vendas.

E houve os que sugerissem que para aumentar as vendas seria necessário "colocar fotos das jogadoras peladas" ou usando biquínis.

As mensagens, todas postadas por homens, ainda perguntavam em tom de deboche (e de homofobia) em qual página está o time masculino do São Paulo.

Esta é a terceira vez que a editora publica o livro ilustrado voltado para o torneio feminino, repetindo o que fez nos Mundiais de 2011 e 2015. O álbum custa 8,90 reais e cada pacote, que contém cinco figurinhas, é comercializado por 2,50 reais.

Questionada pela reportagem, a Panini, por meio de José Eduardo Martins, presidente da empresa no Brasil, afirmou que "os comentários não diminuem a importância do torneio, que tem se tornado cada vez mais competitivo e desperta grande interesse entre os fãs de futebol". Desejamos que eles se divirtam completando suas coleções", completou.