Extrema direita ganha peso na Suécia a poucos dias de eleições cruciais para a UE

Extremistas têm 20% de apoio nas pesquisas, o que os posiciona logo atrás da social-democracia

Manifestantes contra os eurofóbicos e xenófobos partido dos Democratas Suecos que, pela primeira vez em sua história, vai conquistar o segundo lugar, segundo as pesquisas
Manifestantes contra os eurofóbicos e xenófobos partido dos Democratas Suecos que, pela primeira vez em sua história, vai conquistar o segundo lugar, segundo as pesquisasJOHAN NILSSON (AFP)

O protagonismo dos dias de hoje na Suécia é das pesquisas. O país inteiro está acompanhando de perto as mudanças nos pontos que separam os social-democratas, do atual primeiro-ministro Stefan Löfven, de seu inédito rival, o ultradireitista Jimmie Åkesson, líder do xenófobo e eurofóbico partido dos Democratas Suecos nas intenções de voto para as eleições deste domingo, 9. O primeiro terá 24,6% do apoio do eleitorado e o segundo, 19,8%, se as últimas projeções se confirmarem. É a primeira vez que uma legenda cuja origem está nos grupos de extrema direita suecos – que até recentemente tinham nazistas históricos entre os seus membros – tem chances de chegar ao Governo na potência escandinava. Historicamente, os partidos do establishment nunca quiseram negociar com eles, mas desta vez o discurso mudou, especialmente nas fileiras dos moderados (conservadores) – e o panorama é mais incerto do que nunca.

A dimensão política de esquerda e direita tem dominado a cena política nos últimos cem anos no país nórdico. Mas essa maneira de entender a política acabou. "A agenda política na Suécia é agora uma questão de imigração e da lei e da ordem, não de problemas tradicionais relativos ao [Estado de] bem-estar. E essa mudança é desfavorável para os social-democratas", diz Ulf Bjereld, professor de Ciência Política na Universidade de Gotemburgo.

"Estas eleições serão um referendo sobre o [Estado de] bem-estar na Suécia", anunciou na semana passada, quase como um juramento à população, o primeiro-ministro Löfven em uma declaração. A social-democracia entrou em declínio na União Europeia anos atrás, e a Suécia é sua última vítima. Os grupos antiestablishment, principalmente da extrema direita, mas também da esquerda, conseguiram captar o descontentamento da sociedade. E na Suécia, como na Itália, Alemanha, Hungria ou Áustria, a questão da imigração se tornou a ponta de lança dos Democratas Suecos. A ponto de os rumores de transferência de poder aos social-democratas serem cada vez mais fortes antes das eleições deste domingo em que pouco mais de sete milhões de cidadãos estão registrados para votar. "O que chama a atenção aqui é que a sociedade, que sempre foi politicamente correta, está polarizada", argumenta um cientista político turco que se estabeleceu há anos na Suécia e prefere não ser citado por razões administrativas. "Mas fez isso às escondidas, em silêncio", explica.

MAIS INFORMAÇÕES

O primeiro-ministro Löfven, no cargo desde 2014, administrou a entrada de mais de 200.000 imigrantes em 2015 com políticas de acolhida flexíveis às vezes (cerca de 165.000 ficaram) e outras, com o fechamento de fronteiras. E é precisamente a imigração que vem contra ele. Os Democratas Suecos, encorajados por partidos semelhantes no restante do continente – principalmente no norte e leste da UE, mas também na Itália – fizeram da imigração um inimigo coletivo que os está catapultando para o topo nas pesquisas. Löfven viu que perdia o apoio e tomou a bandeira de seus rivais, endurecendo as políticas de imigração, mas estava atrasado. Os extremistas da direita já haviam colhido o que haviam semeado em 2015 e esta semana toda a Europa olha com preocupação para o resultado.

Se a balança se inclinar para a direita e os xenófobos e eurofóbicos liderados por Åkesson ganharem peso, também apareceria na Suécia o perigo conhecido em Bruxelas: o chamado Swexit. “A UE é uma enorme rede de corrupção. (...) Não queremos pertencer a uma organização supranacional", disse Åkesson em junho, segundo o jornal britânico Financial Times. Embora por enquanto seu apoio seja mínimo, o líder dos Democratas Suecos já fez campanha por um referendo de permanência na UE, o clube em que o país entrou em 1995. Segundo vários analistas, uma consulta dessa envergadura seria algo extremamente perigoso a alguns meses das eleições europeias, que serão realizadas em 26 de maio do ano que vem.

Medo da Rússia

Embora em menor medida, a relação com a Rússia e as políticas de defesa da Suécia de possíveis ataques estrangeiros tem sido e são temas recorrentes em uma campanha eleitoral quase dominada por números: refugiados, requerentes de asilo, deportados, menores desacompanhados.

Em sua obsessão por manter a estabilidade na região do Mar Báltico, a Suécia retomou há dois anos o serviço militar compulsório. Além disso, militarizou com um destacamento permanente a estratégica ilha de Gotland, algo que não se via neste ponto da Europa desde a Segunda Guerra Mundial, e enviou instruções para 4,8 milhões de residências sobre como a população deve agir em situações de agressão e invasão de uma potência estrangeira.

A Suécia, aterrorizada pelas suspeitas de interferência da Rússia em outras eleições recentes, como nos Estados Unidos e no referendo Brexit no Reino Unido em 2016, entre outras, pôs em marcha forças especiais que controlam e analisam do oitavo andar de um edifício central da capital sueca qualquer movimento suspeito na Internet.

Pertencer ou não à OTAN, sempre um terreno de debate político na Suécia e na Finlândia – nenhum deles faz parte da Aliança Atlântica – e motivo de recorrentes embates com Moscou, também apareceu na campanha, embora de uma maneira muito mais residual do que em ocasiões anteriores. Porque, no momento da verdade, e como nos seus parceiros da UE, o que a população opinar sobre a imigração vai definir o futuro não só da Suécia, mas também do projeto europeu.

Arquivado Em: