Seleccione Edição
Login

A grande matança chinesa de cachorros para serem comidos na festa de Yulin

A grande matança chinesa de cachorros para serem comidos na festa de Yulin

Festival de Yulin
Vários açougueiros com cães sacrificados no mercado de Yulin, nesta quinta-feira REUTERS

Mais uma vez neste ano, desafiando proibições e alertas sanitários, a cidade chinesa de Yulin realiza nesta quinta-feira, coincidindo com o solstício de verão, seu Festival da Carne de Cachorro e Licor de Lichia, onde milhares de cães serão sacrificados para serem preparados e devorados pelo público. No passado, costumava-se abater 10.000 cachorros durante o festival, mas nos últimos anos a cifra se reduziu para cerca de mil, segundo os organizadores. Mesmo assim, no mundo ocidental, onde o cão é considerado o melhor amigo do homem, as imagens de cachorros enjaulados, decapitados, assados e destrinchados são difíceis de digerir.

O festival de Yulin, na região autônoma de Guangxi (sudeste), por enquanto resiste à lei que proíbe a venda de carne de cachorro em restaurantes, mercados e outros comércios do país, assim como à mobilização de muita gente contrária à matança. Milhões de assinaturas (a última contagem somava 12 milhões) foram recolhidas na China e no resto do mundo para acabar com o sacrifício maciço de cães.

Um simples passeio pelo mercado Dashichang basta para conhecer a magnitude da matança. Cães e gatos (estes em menor quantidade) se amontoam em jaulas nas bancas, ou já sacrificados nos açougues, e são exibidos assados. Além disso, é fácil ver tanto pessoas comendo-os e brindando com licor como ecologistas e animalistas comprando animais ainda vivos para salvá-los. Um cachorro custa cerca de 45 reais neste mercado.

Esta foto do mercado é desta terça-feira.
Esta foto do mercado é desta terça-feira. AFP

O que muitos desconhecem é que grande parte dos cães que acabam servidos neste festival são obtidos ilegalmente, pois costumam ser animais que vivem nas ruas ou foram roubados de seus donos. “Existem graves riscos para a saúde pública associados aos cães roubados que são abandonados e não vacinados e que podem hospedar doenças, inclusive a raiva. Ou mesmo que sejam envenenados com cianureto pelos ladrões e que posteriormente entrem na cadeia alimentar”, disse a diretora da organização Animal Asia, Jill Robinson, à agência Efe.

Gatos e cães à venda no mercado.
Gatos e cães à venda no mercado. AFP

A conscientização social sobre o “mercado negro” criado por este festival também está presente nas ruas de Yulin, onde há cartazes nos quais se lê: “Resista ao festival da carne de cachorro e resgate os cães”. Não há na China uma legislação que proteja esses animais, cada vez mais populares como mascotes entre a crescente classe média local, e nem sequer a circunstância de que 2018 seja um ano do cachorro, segundo o horóscopo chinês, serve para estimular essa proteção.

Os defensores do festival afirmam que comer cachorro – 10 milhões desses animais são consumidos por ano na China, segundo as organizações defensoras dos animais – é uma tradição na região de Guangxi, e que não é diferente de se alimentar de outras espécies criadas para esse fim. Apesar da crença popular de que na China se come carne de cachorro de maneira generalizada, ela só é consumida em algumas áreas do sul do país, como Guangxi, Guizhou e Cantão, e em áreas do nordeste habitadas pela etnia coreana.

Animais preparados em um restaurante de Yulin.
Animais preparados em um restaurante de Yulin. REUTERS

MAIS INFORMAÇÕES