Seleccione Edição
Login

Trump retira ditador da Coreia do Norte do isolamento num degelo histórico cheio de dúvidas

"Teremos uma excelente relação", diz presidente dos EUA em encontro com Kim Jong-un em Singapura. Analistas debatem o caminho para que Pyongyang abandone arsenal atômico

Kim Jong-un e trump em Singapura
Kim Jong-un e Trump posam para foto histórica. AP

A Coreia do Norte se compromete com a “completa desnuclearização da península coreana”. Os Estados Unidos, a ofereceram garantias de segurança ao regime de Pyongyang. Estas são as grandes promessas – ou linhas mestras, ou guias, ou aspirações, dependendo de como se veja – da declaração conjunta que o presidente dos EUA, Donald Trump, e o líder norte-coreano, Kim Jong-un, assinaram ao final da sua cúpula de quatro horas em Singapura.

São termos suficientemente sonoros para que ambos os líderes possam descrever o encontro como fundamental. Kim considerou que “o mundo vai assistir a uma mudança tremenda”, e Trump, que “vamos resolver um problema muito perigoso”. Também são suficientemente vagos para que eles possam se colocar de acordo nesta cúpula organizada às pressas, e para que sirva de primeiro passo a um processo de negociação que conduza, no futuro, ao desarmamento nuclear norte-coreano. Os detalhes ficarão a cargo do secretário de Estado, Mike Pompeo, e sua equipe, em negociações com altos funcionários norte-coreanos.

“Os Estados Unidos e a República Democrática Popular da Coreia (RDPC, o nome oficial da Coreia do Norte) se comprometem a estabelecer novas relações, de acordo com o desejo de paz e prosperidade por parte dos povos dos dois países”, afirma o documento. As duas nações se somarão aos esforços para criar um regime duradouro e estável de paz, prossegue o texto. “A RDPC se compromete a trabalhar pela desnuclearização completa da península coreana.” Além disso, os dois países prometem colaborar na recuperação dos restos de prisioneiros de guerra e desaparecidos em combate da Guerra da Coreia (1950-1953).

Ao assinar o acordo, Trump disse que a declaração é “muito extensiva” e contém “muita boa vontade”. “Vamos nos reunir de novo, muitas vezes”, acrescentou. Kim, comentou o inquilino da Casa Branca após a assinatura, “é um homem de muito talento, também percebi que ama muito o seu país”. Perguntado se o convidaria à Casa Branca, Trump respondeu: “Absolutamente, farei isso”.

QUATRO PONTOS DE UMA REUNIÃO HISTÓRICA

Reuters

Estes são os quatro pontos da declaração conjunta firmada por Donald Trump e Kim Jong-un:

1. Os Estados Unidos e RPDC [Coreia do Norte] se comprometem a estabelecer novas relações entre EUA e RPDC, em concordância o desejo de paz e prosperidade dos povos dos dois países.

2. Os Estados Unidos e a RPDC unirão seus esforços para construir um regime de paz duradouro e estável na Península Coreana.

3. Reafirmando a Declaração de Panmunjom, de 27 de abril de 2018, a RPDC se compromete a trabalhar pela desnuclearização completa da Península Coreana.

4. Os Estados Unidos e a RPDC se comprometem a recuperar restos de prisioneiros de guerra e desaparecidos em ação, incluindo a repatriação imediata daqueles já identificados.

O líder norte-coreano expressou-se de forma mais sóbria, mas também foi generoso na hora de resumir os feitos da cúpula: “Vamos assinar um acordo histórico. O mundo assistirá a uma mudança tremenda... Agradeço ao presidente Trump por ter tornado este encontro possível”.

A cerimônia de assinatura foi encenada com toda a formalidade dos acontecimentos de Estado. Bandeiras dos dois países. Uma mesa no centro da sala. Funcionários solenes. Canetas personalizadas – embora na última hora a irmã de Kim Jong-un, Kim Yo-jong, sua fiel guardiã, tenha substituído a caneta preparada originalmente para ele por outra, que levava no bolso; provavelmente, fez isso para evitar o possível contato com substâncias suspeitas.

A jornada no hotel Capella, na ilha de Sentosa, em Singapura, começou justamente com um histórico aperto de mãos, o primeiro entre um presidente norte-americano e um líder norte-coreano. Um gesto de 12 segundos, em que ambos cumpriram estritamente ao roteiro e a coreografia. Exclamações afogadas foram audíveis quando ambos se postaram diante das câmeras, cada um com seu traje típico: terno escuro e gravata vermelha para Trump; túnica preta estilo Mao, com estampa risca-de-giz, no caso de Kim. Caminharam em uníssono, ao mesmo ritmo, vindo de extremos opostos do palco para se encontrarem exatamente no centro, diante um fundo de bandeiras norte-coreanas e norte-americanas.

Trump olhou nos olhos do dirigente, a quem um dia chamou de “homem-foguete”. Não se sabe se, como George W. Bush com Vladimir Putin, “enxergou sua alma”. Havia comentado que já no primeiro minuto saberia se o encontro iria por bom caminho.

Deve ter gostado do que viu. Ambos caminharam juntos, de maneira relaxada, até a sala onde se reuniram reservadamente. “Eu me sinto ótimo”, disse Trump no começo da conversa. “Vamos ter um grande diálogo e, acredito, um sucesso tremendo, será tremendamente bem-sucedido, e uma honra para mim; teremos uma relação magnífica, não tenho dúvida.”

Kim, por sua vez, parecia recomposto após um primeiro momento de nervosismo e respondeu que “os velhos preconceitos e práticas funcionavam como grilhões que nos impediam de nos mover, mas superamos isso, e aqui estamos hoje”. “Confio que encontro será um bom prelúdio para a paz”, acrescentou. “Efetivamente”, replicou o norte-americano.

Não havia o simbolismo e a cumplicidade que dominaram a cúpula intercoreana de abril entre Kim e o presidente sul-coreano, Moon Jae-in, quando ambos cruzaram a linha fronteiriça de mãos dadas. Mas a emoção estava presente no ambiente. A sensação era de cauteloso otimismo. Ou de estar vendo um filme. O extasiado tradutor norte-coreano confessou algo nesse sentido a Trump, enquanto caminhavam à reunião: “As pessoas pensarão que isso é um filme de ficção científica”, disse, de acordo com os jornalistas da Casa Branca.

Passados os 45 minutos de duração do encontro privado entre os presidentes, começou a reunião entre as delegações para falar sobre o desarmamento nuclear da Coreia do Norte. “Tudo correu muito, muito bem”, disse Trump sobre o primeiro contato dos dois líderes. “É uma grande honra estarmos juntos e sei que no final, juntos seremos bem-sucedidos e resolveremos o grande problema, o grande dilema que até agora não foi resolvido. Sei que colaborando nos ocuparemos disso. É uma grande honra”.

Kim não respondeu à pergunta da imprensa sobre se está disposto a se desfazer de seu arsenal nuclear. Mas afirmou, em tom solene e com palavras aparentemente muito refletidas de antemão, que nessa fase, que segundo o horário previsto durará uma hora e meia, se negociará sobre “assuntos importantes”.

Entre os participantes desse momento da cúpula se encontravam, por parte dos EUA, o conselheiro de Segurança Nacional, John Bolton; o secretário de Estado, Mike Pompeo, e o chefe de Gabinete da Casa Branca, John Kelly. Participaram com o líder norte-coreano sua irmã, Kim Yo-jong, seu homem de confiança, Kim Yong-chol, o chefe de Gabinete Kim Chang-son, e o chefe da delegação que se reuniu em Panmunjom com representantes norte-americanos, Choe son-hui.

Bolton, que em maio irritou a Coreia do Norte ao comparar a solução para o programa nuclear desse país com a da Líbia, sentou-se - intencionalmente? - em uma das esquinas, o mais afastado possível de Kim Jong-un.

Almoço de trabalho

Após essas conversas em uma mesa de teca quase centenária, emprestada especialmente à ocasião pela Galeria Nacional de Singapura, começou um almoço de trabalho com a integração de mais representantes das respectivas equipes.

O cardápio do almoço combinou de maneira eclética pratos asiáticos com clássicos da cozinha norte-americana: o coquetel de camarões e salada de abacate foram acompanhados pelo pepino coreano recheado; porco agridoce e arroz frito de Yangzhou com peixe ao molho de soja e verduras asiáticas; sorvete de creme e bolinhos de chocolate, a sobremesa preferida de Trump.

Ao final da cúpula, às 16h (5h de Brasília), o presidente norte-americano dará uma entrevista coletiva no hotel Capella, para informar sobre os resultados.

As delegações conversaram quase até o último minuto para acertar a agenda da cúpula. Os Estados Unidos diminuíram consideravelmente o tom de suas exigências: se meses atrás exigiam que a Coreia do Norte acabasse com seu arsenal de maneira “completa, verificável e irreversível” como condição prévia antes de qualquer outro passo, agora reconheceram que será preciso um processo de certa forma longo para se chegar a isso. Mas insistem, como disse Pompeo na segunda-feira, que a meta final continua sendo a mesma. E que as sanções econômicas continuarão enquanto isso.

A Coreia do Norte pede garantias de segurança. Os Estados Unidos estão abertos a isso, como disse Pompeo. Garantias “diferentes” das que Washington pôde oferecer no passado e que, em sua opinião, convencerão Pyongyang de que “o desarmamento nuclear irá beneficiá-los”.

A reunião está cercada por extrema segurança por terra, mar e ar: além de centenas de policiais no local, o espaço aéreo também é vigiado por drones. Dois navios de guerra de Singapura e vários barcos patrulha controlam as movimentadas águas em torno da ilha de Sentosa.

MAIS INFORMAÇÕES