Seleccione Edição
Login

Doria ou França, quem vai herdar o capital político do PSDB para o Governo de SP?

Rejeição ao ex-prefeito de São Paulo explode e abre possibilidades para o atual governador, que se apresenta como herdeiro de Alckmin, ou o emedebista Paulo Skaf

João Doria x Márcio França
João Doria, em seu último dia como Prefeito de São Paulo. SECOM

Ainda faltam cinco meses e a clareza exata de quem serão os candidatos, mas a disputa pela herança do PSDB, partido que governa o Estado mais rico do país há mais de duas décadas sem rupturas, já começou incerta em São Paulo. As pesquisas mais recentes mostram que o MDB pode reassumir o posto que perdeu em 1995, diante do desgaste sofrido pelo tucano João Doria no pouco mais de um ano em que esteve na Prefeitura de São Paulo. Aproveitando-se desta brecha deixada pelo ex-prefeito, o atual governador, Márcio França (PSB), que assumiu após a saída de Geraldo Alckmin para disputar a Presidência, tenta se aproximar do legado do partido de seu antecessor, mas ainda aparece muito atrás na corrida. Tem, entretanto, duas vantagens: a máquina administrativa e a vitrine que o cargo de governador conferem a ele.

A última pesquisa Ibope, realizada entre os dias 20 e 23 de abril, apontou que Doria e Paulo Skaf (MDB), também presidente da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (FIESP), estão empatados tecnicamente na preferência dos eleitores. Mas uma possível aliança que está sendo costurada entre Geraldo Alckmin e Michel Temer na disputa nacional pode criar uma chapa única entre PSDB e MDB em São Paulo, caso um dos candidatos seja convencido a abrir mão da liderança. Enquanto o cenário não fica mais claro, Alckmin, que tenta se tornar um candidato mais competitivo para a presidência, se aproveita de dois palanques no Estado: o de França, que ao se apresentar aos eleitores defende o legado do tucano, e o de Doria, que foi apadrinhado pelo ex-governador há dois anos, numa relação que se tornou turbulenta quando o então pupilo começou a circular pelo Brasil para tentar viabilizar uma candidatura a presidente.

Com o bordão "sou gestor, não sou político", Doria assumia a Prefeitura de São Paulo no início de 2017 com a popularidade nas alturas. Havia vencido o então prefeito petista Fernando Haddad no primeiro turno com 53% dos votos e prometia resolver as mazelas da maior capital do país com a agilidade de um presidente de multinacional. Um ano e três meses depois, deixou a gestão municipal para disputar a vaga de governador após perceber que não conseguiria retirar o lugar de candidato à presidência de Alckmin. Não executou qualquer medida marcante, o que impactou sua imagem de gestor e aproximou-a a de um político tradicional, ao desistir do cargo por um posto mais importante. Como resultado, sua taxa de rejeição na capital mais que dobrou: foi de 19% (no último Datafolha antes da eleição municipal) para 49% no levantamento deste mês. A porcentagem é maior até do que a que Haddad tinha na véspera das eleições para Prefeitura (45%).

Apesar de aparecer como primeiro colocado nas pesquisas para o Governo de São Paulo, o antes promissor Doria tornou-se, portanto, uma incógnita. Neste momento, ele mantém a vantagem de ter uma rejeição menor no interior, onde é muito menos conhecido e está concentrado 73% do eleitor do Estado, segundo dados da professora Maria Teresa Kerbauy, dos programas de pós-graduação de Ciência Política da Universidade Federal de São Carlos (UFSCar) e de Ciências Sociais da Universidade Estadual Paulista (Unesp). De acordo com os números do último Datafolha, a quantidade de pessoas fora da região metropolitana que afirmam que não votariam no tucano de jeito nenhum cai para 25% e se aproxima da rejeição obtida por Márcio França (23% no interior e 20% na região metropolitana). Candidatos com menor rejeição têm mais chances de crescer ao longo da campanha. "A rejeição ao Doria aumentou na capital e não no interior. E São Paulo tem uma particularidade de que é o único Estado em que o número de eleitores do interior é mais do que o dobro da capital", diz ela.

"Doria está fragilizado? Sim. Mas ainda tem uma estrutura partidária importante e pode haver uma reversão. A decisão do eleitor é sempre estratégica e tudo depende de quem serão os candidatos na disputa. Se Márcio França enveredar por um discurso mais radical ou de esquerda pode perder pontos", ressalta a professora Elizabeth Balbachevsky, do Departamento de Ciência Política da USP, em referência à legenda do candidato, o Partido Socialista Brasileiro. E é isso que Doria já demonstra que pretende explorar em seu rival: apelidou-o recentemente, em uma entrevista a uma rádio, de Márcio Cuba. Acabou ameaçado por França de ser processado por crime contra a honra.

"A rejeição ao Doria acontece porque ele se elegeu com o discurso de que não é político e depois que assumiu fez política e não gestão. Isso causa um dano à candidatura, mas nada que não seja recuperável. Caso ele consiga se explicar bem e convencer poderá ser eleito", ressalta Carlos Cruz, presidente da Associação Paulista de Municípios, que reúne gestores municipais de São Paulo. "Mas o herdeiro de Alckmin para mim é Márcio França, que indica que a política de Alckmin é a que pretende adotar. Uma coisa é ser candidato a Prefeito de São Paulo, outra a Governador de um Estado com 645 municípios e cada um com um chefe político diferente, que é o prefeito. Os prefeitos de São Paulo conhecem França e não Doria, por isso ele sai na vantagem", ressalta ele. O atual governador paulista marcou 8% no último Datafolha e 3% no Ibope.

Mas qual o segredo do PSDB para governar há 20 anos?

Desde 1994, quando Mario Covas ganhou o Governo de São Paulo, o partido tucano assegura as vitórias em todas as eleições estaduais. Com isso, conseguiu governar por mais de 20 anos sem interrupções importantes: deixou de ser o partido no comando apenas quando os governadores eleitos abriram espaço para seus vices ao renunciarem para disputar a Presidência, como ocorreu neste ano. Para especialistas, isso acontece por três principais motivos: 1. a criação do partido, que em São Paulo herdou os cargos mais fortes e ligados à linha democrática do então PMDB após o final da ditadura; 2. a especial atenção dada pelo partido ao interior do Estado, que concentra mais de sete em cada dez eleitores; 3. a falta de nomes fortes do PT na disputa.

"A hegemonia do PSDB em São Paulo deve-se a alguns fatores específicos. Primeiro, à base paulista do partido desde sua fundação em fins dos anos 1980, oriunda da cisão de um dos mais significativos grupos do PMDB, do qual Franco Montoro era uma das principais lideranças. O PSDB herdou recursos políticos, estrutura, adesões partidárias, e isso foi sendo fortalecido ao longo do tempo, sobretudo no interior do Estado", explica Rachel Meneguello, professora de ciência política da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp).

"Em segundo lugar, a reeleição continuada do partido no Governo estadual conferiu ao PSDB um controle da máquina e dos recursos políticos em um volume significativo, reforçado pela presença do partido na Presidência da República com Fernando Henrique [Cardoso] entre 1995 e 2002", ressalta. "No interior, há uma forte fragmentação entre partidos. Em 2016, por exemplo, 22 partidos dividiram as 645 prefeituras do Estado, mas é ali que o Governo exerce sua influencia através da máquina de Estado e ali reside o volume de força eleitoral do PSDB", complementa.

Para Balbachevsky, o PT, que poderia ser o maior rival do partido no Estado, nunca lançou candidatos verdadeiramente competitivos. Neste ano, optou pelo ex-ministro do Trabalho, ex-prefeito de São Bernardo do Campo e sindicalista Luiz Marinho, escolhido por prévias numa disputa com Elói Pietá, ex-prefeito de Guarulhos. "Marinho tem projeção regional no ABC, mas não no resto do Estado", ressalta ela. O candidato petista apareceu com 4% no Ibope e 7% no Datafolha.

Já Meneguello acredita que o problema do PT no Estado é sua pouca força no interior. "Apesar de ser território de origem do partido, ele sempre teve dificuldades eleitorais em São Paulo, explicadas, em boa medida, pela preferência dominante pelo PSDB no interior. O sucesso eleitoral do PT tem limites definidos em regiões específicas, e as preferências por ele sempre foram maiores na capital: em todas as eleições municipais paulistanas desde 1992, o PT sempre figurou como um dos contendores da disputa, uma presença que não ocorre em grandes municípios do interior, por exemplo", explica ela. A única exceção foi em 2016, quando Doria ganhou de Haddad no primeiro turno.

A derrocada do PT em 2016 também foi grande no interior do Estado, por conta da aguda crise política que o partido vivenciava nas eleições municipais. "Enquanto em 2012 o PT elegeu 74 prefeitos, em 2016 só sete candidatos do partido conseguiram ganhar. O mesmo aconteceu com o número de vereadores: foram 6.816 eleitos em 2012 contra 2.990 em 2016", ressalta a professora Kerbauy. Com menos políticos eleitos no interior, o PT terá menos palanque, o que dificultará ainda mais suas possibilidades. A disputa, por isso, recai em quem será o herdeiro do PSDB no interior do Estado.

Doria afirma que reportagem ignora marcas da gestão

Em nota, a assessoria do ex-prefeito João Doria contesta a afirmação da reportagem de que sua gestão não praticou qualquer "medida marcante". "Ao afirmar que a gestão de João Doria não deixou uma marca, a reportagem ignora fatos significativos que melhoraram a vida da população", destacou.

"O Corujão da Saúde em 83 dias zerou a fila de exames de imagem na capital", ressaltou a nota. Mas reportagem do EL PAÍS publicada em abril do ano passado, quando o então prefeito afirmou que zerou a fila de exames, apontou que a fila havia sido reduzida, na verdade, em 67%, já que o que havia diminuído era a demanda reprimida da fila em 50 exames de seis tipos —outros 112 exames não foram contemplados pelo mutirão de Doria; a fila na ocasião, portanto, estava em 200.000 pedidos, um dado similar ao atual.

A nota ainda afirma que a "a fila da pré-escola também foi extinta". De fato, não existem crianças esperando vagas nesta etapa escolar no município. Em março de 2017 estava em 4.352. O maior gargalo, entretanto, é a fila da creche, que não foi resolvida. Em março deste ano, 57.819 crianças esperavam vaga nesta etapa. Em março de 2017, eram 87.906.

"Houve ainda uma economia histórica de R$ 800 milhões, fruto de um enxugamento da máquina sem precedentes. Podemos citar também como marcas inovadoras da gestão o movimento histórico de contribuição da iniciativa privada, que possibilitou a adoção de 1.100 praças e a construção de 18 Centros Temporários de Acolhimento para moradores de rua", continua a nota.

"É importante ressaltar que Doria aparece na liderança das pesquisas e que o crescimento da rejeição entre os eleitores é decorrência típica do desgaste de imagem registrado também pelos prefeitos anteriores da cidade de São Paulo", concluiu o texto. De fato, enquanto o número dos que achavam o governo Doria bom ou ótimo foi de 44% após um mês de mandato para 18%, após um ano e três meses (queda de 26 pontos percentuais), Fernando Haddad enfrentou uma queda de 13 pontos (de 31% para 18%), entre os três e os 11 primeiros meses, após os protestos de junho de 2013. Mas, para efeito de comparação, Gilberto Kassab, antecessor de Haddad, tinha uma taxa de 39% de ótimo e bom após 11 meses de seu mandato, por exemplo.

MAIS INFORMAÇÕES